Acompanhe nas redes sociais:

18 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 913 / 2017

20/03/2017 - 18:27:03

Meio Ambiente

Bruno Fernandes

Semana da Água

Na quarta-feira, 22, a Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh) irá realizar atividades educativas para celebrar o Dia Mundial da Água. O tema será “Compartilhar Água é Multiplicar Vidas” e faz alusão à reciprocidade entre as pessoas ao dialogar sobre a preservação de nossos mananciais de forma responsável. A programação será com palestras no Centro Universitário Cesmac, Centro Universitário Tiradentes (Unit), Faculdade da Cidade de Maceió (Facima) e Faculdade de Tecnologia de Alagoas (FAT). Técnicos da Semarh, IMA, Casal e convidados serão os responsáveis em mediar os encontros com os alunos.

Nossa Praia  

O próximo domingo, 19, marca o fim de mais um ciclo do Nossa Praia, projeto do Instituto do Meio Ambiente de Alagoas (IMA-AL), que acontece durante a temporada do verão para sensibilizar banhistas e comerciantes sobre boas práticas ambientais. Diversas atividades serão realizadas no evento de encerramento que reúne seis tendas na Rua Fechada da Ponta Verde, das 8h às 14h. O evento contará com confecção de brinquedos com materiais reutilizados, pintura de rosto, sorteio de brindes e muitas outras coisas.

Sertão 

O Instituto do Meio Ambiente (IMA-AL) realizou uma ação em Poço das Trincheiras, Sertão alagoano, no último dia 9. Ao todo, os fiscais resgataram 15 pássaros silvestres que estavam mantidos em cativeiro sem autorização. Foram resgatadas espécies como sabiá, azulão, cravina e tico-tico.

Energias renováveis 

 Os ministros do Meio Ambiente, Sarney Filho, e de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, anunciaram na última terça-feira, 14, às 18h, as condições de financiamento para energias alternativas renováveis no âmbito do Leilão de Sistemas Isolados na Amazônia. O apoio financeiro será destinado a empreendimentos de energia solar e eólica e demais fontes renováveis. Estão excluídos projetos associados à geração a diesel. O objetivo é expandir e modernizar a infraestrutura de geração de energia do país.

Amazônia 

De acordo com um estudo publicado na revista científica “Nature”, na última segunda-feira, 13, a Floresta Amazônica corre grande risco de cair em um círculo vicioso de seca e desmatamento provocado pela ação humana e pela redução das precipitações na região. Usando como base a análise dos fluxos de água, a pesquisa aprofunda a estreita relação existente entre o desmatamento e a seca. 

Maconha e o       meio ambiente

A legalização da maconha é um tema extremamente polêmico: as opiniões divergem sobre o impacto que a medida teria sobre a saúde pública, a economia e o tráfico de drogas. Mas um grupo de cientistas está questionando um lado não muito discutido sobre a cannabis: como a produção industrial da erva pode impactar o meio ambiente. O artigo, assinado por pesquisadores da Universidade da Carolina do Norte, nos EUA, e da Universidade de Lancaster, na Inglaterra, já entrega seu objetivo no título: “É tempo de avaliar o impacto ambiental do cultivo da maconha”. A publicação aponta que existem riscos ao meio ambiente que ninguém pensa antes de começar a produzir a planta.

Tartarugas Marinhas 

Três tartarugas e um tubarão foram encontrados mortos  no último domingo nas praias de Piaçabuçu, litoral Sul de Alagoas. De acordo com o Instituto Biota, uma das tartarugas estava decapitada, além de ter uma corda amarrada nas nadadeiras. Duas delas são da espécie Verde e a outra da espécie Oliva e foram achadas no Pontal do Peba. Um tubarão cabeça chata também foi encontrado na região.

Efeito estufa 

A larva de um tipo de mosca que vive em lagos é responsável pela emissão de quantidades significativas de metano na atmosfera e pelo aumento dos gases do efeito estufa, segundo revelou um estudo publicado nesta terça-feira, 14, pela “Scientific Reports”. A pesquisa, liderada pela Universidade de Genebra, na Suíça, determinou que a atividade da larva de Chaoborus sp tem um impacto negativo sobre a atmosfera e é, em parte, responsável pela mudança climática provocada por esses tipos de gases. O inseto vive em lagos de todo o mundo, exceto na Antártica, e entre um ou dois anos de seu ciclo vital são sob a água em estado larval, em profundezas de até 70 metros, explicam os autores.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia