Acompanhe nas redes sociais:

24 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 911 / 2017

06/03/2017 - 18:25:14

O stress voltou

Jorge Morais

O retorno do controle de velocidade em algumas ruas e avenidas de Maceió fez voltar, também, o stress que não convivia há alguns meses, desde quando o Tribunal de Contas do Estado de Alagoas suspendeu a eficácia da medida, questionando algumas iniciativas que não satisfaziam aquela Corte. Inclusive, por iniciativa do vereador Silvânio Barbosa, ferrenho oposicionista da gestão do prefeito Rui Palmeira, o caso foi levado até o Ministério Público Estadual.

Não entro aqui na discussão se o sistema era legal, se deveria funcionar no passado ou no presente, se diminuíram os acidentes - não tenho essa estatística -, se a Prefeitura vai arrecadar mais ou menos, nada disso me interessa e não me cabe analisar. Vou me prender, exclusivamente, à Avenida Fernandes Lima que, com a volta dos pardais e o controle de velocidade em 60 km, seu trânsito virou um inferno. Será que isso ajuda mesmo a humanizar a avenida e, consequentemente, o trânsito?

Nos meses anteriores à última segunda-feira (20), em qualquer horário que me deslocasse pela Fernandes Lima não tinha nenhum problema para chegar ao meu destino. Sem exagerar na velocidade e sem usar a Faixa Azul, destinada a ônibus, táxi, viaturas das policias e ambulâncias, percorria sem nenhum susto ou preocupação o meu percurso. Hoje, sou um motorista assustado, tenso, preocupado e com medo de ser multado.

Por mais que eu respeite os 60 quilômetros, não ultrapasse o sinal vermelho e nem circule pela Faixa Azul, o volume de carros que desce para o centro da cidade ou sobe em direção ao Tabuleiro do Martins, aumentou exageradamente. Com os pardais funcionando, os carros passaram a andar mais juntos, as filas são enormes e os congestionamentos são comuns, a todo instante e o dia todo.

Mas, por que isso é visível? Exatamente porque, com o controle da velocidade, a distância entre um veículo e outro diminui. Nenhum motorista pode acelerar mais do que o permitido, e isso causa os engarrafamentos. Além do mais, o meu desespero aumenta quando me aproximo do semáforo dos radares. Fico sempre em dúvida se passo ou não passo. Se aumento a velocidade ou se diminuo, com medo de fechar o cruzamento e ser multado por isso.

Já fui xingado porque estou devagar além da conta. Sei lá se vou conseguir ultrapassar. Quando é a minha vez de passar e o sinal fica amarelo, freio até bruscamente, sou chamado de “barbeiro”, burro e outros palavrões. Mas, por que isso acontece? Porque estou dirigindo tenso, com medo de ser multado. Exageros à parte, já pensei até em deixar o carro em casa, e olhe que sou um excelente motorista, modéstia à parte, bom mesmo, com minha Carteira de Habilitação completando, agora, 45 anos, depois de todos os exames feitos para isso no Detran/Al. Garanto que nem comprei, nem ganhei a dita cuja.

Tenho certeza que os meus motivos são os seus também. Todos estamos do lado da lei, com o cumprimento de nossas responsabilidades e obrigações. Agora, é um stress acima da normalidade. Quem não está preocupado com nada e acha que não vai pagar multa e que não vai perder pontos na Carteira de Habilitação, não está nem aí. Continuo vendo pessoas fechando o trânsito, andando no limite ou acima dele, rodando pela faixa exclusiva e fazendo outras barbeiragens. Das duas uma: ou não sabe da punição ou tem muito dinheiro e pagar multa não atrapalha ou não afeta em nada a sua vida.

Só espero não precisar de um psicólogo para resolver o meu problema. Eu que sou um cara destemido, enfrento chuvas e tempestades, não tenho medo de cara feia, estou, agora, refém de alguns pardais instalados em Maceió. A minha preocupação é uma só: respeitar a Lei e, ao mesmo tempo, ser penalizado por não conseguir obedecer ao que está escrito e determinado. 

Como acabar com isso e diminuir o meu stress? O que fazer? Amém...

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia