Acompanhe nas redes sociais:

19 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 910 / 2017

21/02/2017 - 10:27:07

Renans lançam campanha à reeleição no dia 13

Encontrão terá prefeitos e dois ministros da era Temer

Odilon Rios Especial para o EXTRA

Segunda-feira, 13 de março, é a data da sorte do senador Renan Calheiros (PMDB). É neste dia que ele vai lançar a campanha à reeleição dele e do governador Renan Filho (PMDB), com alvo em 2018.

Um evento que programa trazer o ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, e o ministro do Turismo, Marx Beltrão, que quase sempre dá expediente em Alagoas e insiste em dizer que é candidato ao Senado.

E o Senado terá duas vagas daqui a dois anos: a de Renan e de Benedito de Lira (PP), aquele que navegou no “Barco do Amor” em Brasília, na sabatina informal com o futuro ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes.

Novas experiências à parte, para o encontro Renan carrega as redes sociais com declarações dele e do presidente da Associação dos Municípios Alagoanos (AMA), Hugo Wanderley.

“Os ministros vão fazer uma visita a Alagoas. Vão discutir os investimentos para o estado avançar. O senador Renan Calheiros está funcionando como interlocutor nesta história”, disse o governador ao EXTRA.

E Renan Filho atuou de maneira mais intensa na Assembleia Legislativa, onde buscou acalmar os ânimos dos deputados estaduais que buscam cargos na administração estadual em troca de apoio político para 2017.

Para atrair aliados, investe em espaços: a Secretaria do Trabalho vai para o deputado Antônio Albuquerque (PTB). Será ocupada pelo filho dele, Arthur.

A distribuição das comissões na Casa de Tavares Bastos (principal delas é a Constituição e Justiça) terá parlamentares esfaimados e, por enquanto, satisfeitos com as ofertas de funções comissionadas na máquina pública.

ASSEMBLEIA

Na sessão de quarta-feira (15), que abriu os trabalhos legislativos de 2017, Renan Filho foi ao casarão da Praça Dom Pedro II. Houve retirada dos mendigos esparramados pelos bancos quebrados e das fezes humanas que se acumulavam ao redor da estátua do imperador.

Na frente da Assembleia, o governador foi recebido pela banda da PM, a tropa enfileirada, deputados estaduais à porta. Distribuía sorrisos, levou o secretariado mais estratégico para uma conversa de “pé de ouvido” com os parlamentares.

No plenário, foi recebido com um abraço inusitado do deputado Bruno Toledo. Quase levou Renan Filho para casa. E Bruno foi candidato do Grupo dos 12 à presidência da Assembleia, um lapso temporal em que se assumiu como oposição. Agora, tudo é diferente.

“A Assembleia não tem grupo. Você deveria ouvir os deputados. Nunca ouvi os deputados verbalizarem que tem grupo aqui. Tenho uma excelente relação com todos”, afirmou o governador.

No plano federal, proposta é negociar com a bancada para atrair nomes que disputem as eleições em 2018.

Cícero Almeida (PMDB) está inelegível e deve disputar as eleições daqui a dois anos no tapetão da Justiça, após ser condenado no ano passado em uma das ações da Operação Taturana. Mira a Assembleia Legislativa, por isso será o secretário Estadual de Esportes, no lugar de Cláudia Petuba, da cota do PC do B, que migra para a Secretaria da Mulher após acordo com Rosinha da Adefal para a retirada de Cláudia Simões, atual titular da pasta.

JHC (PSB) é outro cotado para a administração Renan Filho, o que deve abrir espaço para Fátima Santiago (PP), atual vereadora e suplente do parlamentar. Santiago deve sair das hostes do prefeito Rui Palmeira (PP) e seguir em direção ao Palácio República dos Palmares.

Mesmo com a Secretaria de Agricultura, com Álvaro Vasconcelos, o senador Fernando Collor (PTC) está mais próximo de Rui Palmeira e do ex-governador Teotonio Vilela Filho (PSDB).

E Benedito de Lira segue com um pé na era Rui e de olho em espaços no Governo Renan.

Isso se a maré estiver boa para o barco de Biu navegar. O “Barco do Amor” do senador está a todo vapor nas águas imprevisíveis da política local.

RUI

O prefeito de Maceió está em silêncio quando o assunto é disputar o governo em 2018. Principal vitorioso nas urnas em 2016, tendo do outro lado o senador Renan Calheiros e o governador Renan Filho, Rui Palmeira virou nome nas apostas para daqui a dois anos.

Presidente de honra do PSDB alagoano, Teotonio Vilela Filho diz que a decisão é de Rui, mas o partido espera que o prefeito dispute, sim, o Palácio República dos Palmares

“O nome dele é natural nessa disputa. O Rui sofrerá uma grande pressão para lançar sua candidatura ao governo. Mas ele já me disse que não vai decidir isso agora. Só no ano que vem”, afirmou Vilela, ao blog de Edvaldo Junior.

Os tucanos investem em candidatos a deputado federal. Isso para eleger o sobrinho de Téo, Pedro Vilela, que busca o carreirismo na política.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia