Acompanhe nas redes sociais:

25 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 906 / 2017

24/01/2017 - 08:03:06

Implantação da Zona Azul em Maceió

Jorge Morais

A Prefeitura Municipal de Maceió está anunciando para o próximo mês de fevereiro a instalação do sistema de estacionamento, conhecido como Zona Azul, nas ruas da cidade, começando pelo bairro da Jatiúca. Esse sistema já é utilizando em muitas cidades brasileiras, não só nas capitais. Até alguns municípios do interior do Brasil já implantaram o sistema há muito tempo. Maceió, em se tratando de capitais, provavelmente, é uma das últimas, se não a última a usar esse sistema.


Sou favorável à iniciativa e acho que a Zona Azul, além de facilitar e disciplinar as áreas públicas, colabora, pelo valor cobrado, para que o usuário não seja explorado por estacionamentos que cobram os “olhos da cara” por turno. Os proprietários desses locais cobram os valores que bem querem e ninguém, absolutamente ninguém ou autoridade municipal, toma uma providência quanto ao preço extorsivo cobrado. É um verdadeiro assalto a mão armada e à luz do dia ou da noite.


Tem todo preço, seja na orla, no Centro, em qualquer lugar que eles se instalem. Além disso, o custo para manter um estacionamento é muito pequeno. Um ou dois funcionários, quando muito, energia, quando funciona à noite, e o imposto que deve ser cobrado pela municipalidade para esse tipo de negócio. Deve ter seguro em alguns. Não entendo, portanto, como o valor cobrado é diferente, variável de lugar para lugar.


Pois bem, voltando ao assunto principal desse comentário, a implantação da Zona Azul. Nesse período de férias dei um giro por algumas cidades do Nordeste e, em todas elas, fiz uso da compra da folha de estacionamento em todas as cidades. Não tive qualquer problema e o máximo que paguei foi 2 reais pelo tempo usado. Em Recife, por exemplo, há uma reclamação muito grande da população. Por esses dias, o valor subiu de 1 real para 3 reais, pelo tempo de uma hora. Duzentos por cento de reajuste.


A justificativa das autoridades é que o valor de 1 real já era cobrado há dois anos, por isso esse aumento considerável agora. Em Maceió, nas áreas públicas, a SMTT vai cobrar por minuto 4 centavos. Multiplicando isso por 1 hora, o estacionamento no tempo cheio sairá por 2 reais e 40 centavos. Acho que essa iniciativa vai dar muito o que falar, como quase tudo que é novidade por aqui. Qualquer iniciativa pública é motivo para manifestação, reclamação junto ao Ministério Público, uso da mídia e por aí vai.
Só não aceito o tempo máximo permitido para estacionar: duas horas, aqui ou em qualquer lugar. O argumento da SMTT é que, assim, todo mundo vai ter a oportunidade de utilizar do sistema. No futebol existe um termo que diz: “Quem pede a bola, tem preferência”.

Nesse caso, quem chegar mais cedo, está pagando pelo espaço, mas é obrigado a deixar o local para dar oportunidade a outro usuário? Será assim?
Não ficou claro, pelo menos para mim, que aquele primeiro usuário possa renovar o seu cartão depois das primeiras duas horas. Se isso for possível, tudo bem. O máximo que vai acontecer, o que já é muito chato, é a pessoa deixar o local em que se encontra, praia ou restaurante, para fazer a substituição da permissão anterior. Mas, tudo bem, em nome do disciplinamento dessas áreas públicas, hoje ocupadas por pessoas que estacionam em locais proibidos, gerando multas e reclamações.


Voltando, agora, aos valores cobrados pelos estacionamentos particulares, os proprietários alegam que em seus estabelecimentos os carros estão protegidos e com segurança particular. Alguns cobertos para proteção contra o sol e com seguro em caso de roubo do veículo. Só não entendo é porque em alguns existe o aviso: “Não nos responsabilizamos por objetos deixados no interior dos veículos”. Nesses casos, como é que isso funciona? Paga pelo roubo do carro, mas não paga pelo furto de objetos. Ué!

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia