Acompanhe nas redes sociais:

19 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 906 / 2017

24/01/2017 - 07:27:05

Gabriel Mousinho

Futuro de Lobão

Gabriel Mousinho

Eleito vereador com mais de 25 mil votos, Lobão deixou bastante claro para a sociedade maceioense que a ausência do poder público em dezenas de áreas degradadas e esquecidas pela prefeitura foi o primeiro passo para ele atingir o seu estágio político.
Mas todos sabem, e ele também, que terá, forçosamente, de mudar o seu comportamento como legislador. Lobão vai ter que esquecer que tapar um buraco, desviar esgotos com uma enxada, arranjar uma lata para colocação de lixo na periferia e até mesmo fazer trabalhos manuais no seu reduto eleitoral não deve ser mais sua praia. E por isso terá que ter uma assessoria competente, disposta a mudar sua conduta como vereador, embora não se desligue das suas origens responsáveis pela sua eleição.
Durante sua estada como vereador, aos poucos Lobão vai entender que usar camisas com os dizeres “cheirinho de calcinha” não é bom para a juventude e muito menos para ele. Basta de participar como ator de filmes pornôs, embora no momento fosse a sua forma de sobrevivência. Agora, ele terá que mudar tudo isso. Não de uma forma radical, porque não daria para explicar isso ao seu grande contingente eleitoral.
Mas se Lobão quiser ir mais longe, terá mesmo que mudar. E só assim poderá ajudar o prefeito Rui Palmeira nessa missão de transformar a cidade de Maceió. A hora é agora. E uma assessoria competente fará a diferença.

Impasse
O volume permanente de recursos na Justiça de Coruripe tem feito atrasar o objetivo da Administração da Massa Falida do Grupo João Lyra, que é o de “fazer” dinheiro com a venda de ativos para pagar aos mais de 16 mil trabalhadores. É uma estrada que parece não ter mais fim.


A solução
Para quem acompanha o processo de falência, que já vai a cerca de 65 mil páginas, o mais pertinente, se assim o Tribunal de Justiça entendesse, seria o de nomear um juiz especificamente para essa empreitada. As mudanças constantes de juízes sob vários motivos tem emperrado o andamento do processo e penalizado os trabalhadores e seus credores.


Venda de usinas
Sob a expectativa de invasão de terras e dos parques industriais, a Massa Falida tenta dar prioridade à venda das duas unidades em Minas Gerais. A venda das usinas daria tranquilamente para pagar o débito com os trabalhadores.


Invasões
Se os controladores da Massa Falida não tivessem sentado com forças do campo, as terras e as usinas em Alagoas já teriam sido invadidas. Enquanto não conseguem arrendá-las o sucateamento vai tomando conta dos parques industriais e o preço da venda cai cada vez mais.


Leilão
Outra dificuldade que a Administração da Massa Falida encontra é de autorização rápida para leiloar bens inservíveis, o que melhoraria o caixa, como de tratores, caminhões e outros utensílios que estão sob o sol e a chuva. A cada dia que passa a depreciação é maior.


A diferença
Pela avaliação dos que acompanham o processo de falência da Laginha, enquanto em Minas Gerais uma reintegração de posse é sentenciada em um mês, em Alagoas chega a 1 ano. Isso atrasa a venda dos ativos e arrendamentos para pagamento dos trabalhadores.


Vendas de ativos
O objetivo da Administração da Massa Falida é vender alguns bens e apurar dinheiro para pagar trabalhadores e credores. Na lista de prioridade estão a Mapel, escritório central, no valor de 10 milhões de reais, apartamento 401 do Edifício Status, na Ponta Verde, por 1 milhão de reais, sala com garagem no Edifício Avenue Center, no valor de 150 mil reais, além das usinas Triálcool e Vale no valor de 430 milhões de reais. Se ninguém atrapalhar, como vem ocorrendo, os trabalhadores receberão suas indenizações ainda no primeiro semestre deste ano.


Andando pra trás
A reação dos taxistas contra o Uber é um procedimento normal, mas o aplicativo é uma coisa sem volta. Ninguém pode andar pra trás contra a modernidade. Na verdade uma corrida com o Uber é cerca de 50% mais barata. A SMTT deveria apressar a regulamentação do aplicativo e colaborar para que a população não fique na mão do corporativismo, com cobranças de preços fora da realidade.


Disputa
O governador Renan Filho e o prefeito Rui Palmeira vão travar uma grande disputa em Maceió neste ano de 2017, que antecede as eleições de 2018. Cada um quer mostrar serviço para comandar o processo eleitoral do próximo ano. Bom para os alagoanos.


Sai já
Não muito bem na fita, a secretária de Cultura do Estado, Mellina Freitas, deve ser substituída no cargo nos próximos dias. Deve tomar novos rumos, inclusive sendo aproveitada em algum cargo no âmbito federal. Será substituída por alguém da confiança do governador Renan Filho e que tenha muito fôlego para comandar o aniversário de 200 anos do estado de Alagoas.


Novo susto
A delação da Camargo Correa está assustando novamente a República. Pelo menos 200 políticos estão na lista de acordo com reportagem da revista Veja desta semana. Alguns, mais famosos, já aparecem, a exemplo de Antônio Palocci, que está preso, José Dirceu, que ainda figura na lista, além de Renan Calheiros e Romero Jucá.


Definindo
O senador Renan Calheiros já começou suas andanças no interior visando as eleições do próximo ano. Mas trabalha, agora, para ser eleito ou líder da bancada do PMDB no Senado ou presidente da Comissão de Constituição e Justiça. O próprio Renan nega que queira ser nomeado ministro do atual governo.


Vai pegar
O bicho vai pegar a partir de primeiro de fevereiro em Brasília. As delações, a Lava Jato e outras operações estarão em pleno andamento. E novas denúncias sobre o BNDES podem vir à tona  num dos maiores escândalos de corrupção do mundo.


Sem largar o osso
Muitos prefeitos que assumiram agora reclamam que os antecessores deixaram os municípios a pão e água. Mas não querem largar o osso. Como sempre acontece, em vez de trabalharem para consertar o que encontraram de errado, miram em denúncias políticas.


Afinado
O ministro Marx Beltrão anda afinado com o senador Renan Calheiros. Nas suas andanças, pelo menos publicamente ele não trata da possibilidade de disputar uma vaga de senador. Sabe que Renan pode ser o empecilho da sua nova aspiração política.

De volta
Os deputados Cícero Almeida e Paulão devem abrir duas vagas na Câmara Federal. Paulão volta a ser candidato a deputado estadual porque a estrutura financeira para uma campanha desse porte é muito complicada. Já Cícero Almeida entendeu que ali, no Planalto, não é a sua praia. Prefere ficar por aqui mesmo e tentar uma vaga na Assembleia Legislativa.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia