Acompanhe nas redes sociais:

20 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 896 / 2016

08/11/2016 - 07:19:08

REPÓRTER ECONÔMICO

JAIR PIMENTEL

Negociando dívidas

É a palavra de ordem nesse tempo de recessão profunda, com o endividamento crescendo a cada mês, os juros, multas e outras taxas também subindo e os preços seguindo o mesmo ritmo. Será um Natal pior economicamente do que o de 2015. Mas existe uma saída: pagar o que deve quando receber o décimo terceiro salário e entrar o ano novo sem dívidas. Esse benefício de todos os trabalhadores e aposentados deve ser pago até 20 de dezembro. Alguns já receberam a metade, mas a imensa maioria dos empregados ativos continuam à sua espera. 

Se suas dívidas ultrapassam o valor do décimo terceiro, negocie com o credor, solicitando redução ou isenção de juros e multas. Se mesmo assim não conseguir a quitação total, divida em curto ou médio prazo, jurando nunca mais se endividar, e ter esse dinheiro extra livre para poupar e consumir. Nada mais tranquilo do que viver sem dívidas, apenas aquelas fixas e obrigatórias, como contas de energia, água, gás, condomínio, prestações e, claro, os gastos com alimentação e material de higiene e limpeza. 

Disciplina

Seja um consumidor disciplinado, consciente de que seu dinheiro deve servir para a sobrevivência com responsabilidade, procurando pesquisar preços, só comprando quando tiver certeza de que fez uma boa economia e ainda sobrar para colocar numa caderneta de poupança, pensando no seu futuro ou numa emergência. 

Seu futuro

Se essa Proposta de Emenda Constitucional (PEC) de número 55 (241 na Câmara) for aprovada pelo Senado, o governo vai congelar seus gastos durante 20 anos, ou seja, até 2036. Nenhum país capitalista (exceto a Coreia do Norte, que é comunista) faz isso. Isso não é macroeconomia para quem já é rico, imagine para o Brasil, onde a maioria da população é pobre!

Seus hábitos

Mude. Passa a ter consciência de que vive num país em profunda recessão, onde o desemprego e a inadimplência aumentam, devido a queda na produção, a imensa carga tributária e os juros altos. Passe a sobreviver de acordo com o que ganha, reduzindo seus gastos radicalmente. Pesquise preços, mude de marcas, esqueça almoçar e jantar fora, use o vestuário que já possui, conserte eletrodomésticos ao invés de comprar novos. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia