Acompanhe nas redes sociais:

26 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 896 / 2016

08/11/2016 - 07:18:20

Meio Ambiente

Da Redação

Fauna 

Pesquisadores de instituições brasileiras e norte-americanas realizam desde o dia 24 de outubro e até 11 de novembro uma expedição de campo para captura, marcação com GPS e coleta de material biológico de peixes-boi no interior da APA Costa dos Corais. O objetivo da expedição é entender como os peixes-boi nativos utilizam o ambiente na região de Barra de Santo Antônio, Paripueira e litoral norte de Maceió e também avaliar a saúde da população destes animais considerados ameaçados de extinção.  

Energia do lixo

Começa a funcionar a maior termelétrica do Brasil que produz energia do lixo. Aproximadamente oito mil toneladas de resíduos urbanos e industriais são levados diariamente até a Central de Tratamento e Valorização Ambiental, na cidade de Caieiras, em São Paulo. De acordo com a Abrelpe (Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais), o Brasil tem potencial de gerar 1,3 GW de energia elétrica a partir dos resíduos sólidos urbanos. Esse total é equivalente a um fornecimento adicional de 932 mil MWh/mês, o suficiente para abastecer 6 milhões de residências.

Biólogos na Rede

A Coluna Meio Ambiente parabeniza a comunidade Biólogos na Rede pelos seus quatro anos de existência. A página no Facebook foi criada em 2012 pelo biólogo gaúcho João Leandro e tem como objetivo educar, informar e valorizar o estudo da vida. Outra alternativa para troca de informações é o grupo ‘Biólogos na Rede’ no aplicativo whatsapp, também criado pelo biólogo há dois anos e que conta com represen-tantes de todas as regiões do Brasil. 

Parque Nacional do Pau Brasil

O Parque Nacional do Pau Brasil já pode ser visitado. A unidade de conservação (UC) abriga 19 mil hectares do bioma mais ameaçado do país, a Mata Atlântica. Situado no sul da Bahia, região que é o berço do Brasil, o parque abriu as portas para visitação pública na sexta-feira da semana passada (28). As visitas já podem ser agendadas. 

Sauim em perigo

Sauim-de-coleira (Saguinus bicolor) corre risco de extinção. Sua dieta principal é composta de frutos e invertebrados, mas também pequenos vertebrados, néctar e goma. Vive em uma área variável de 12 ha e 35 ha em áreas fragmentadas/alteradas e cerca de 110 ha em mata primária. Possuem atividade diurna, entre 6h30 e 16h30, com maior intensidade no período da manhã.

Santuário de baleias do Atlântico Sul

No último dia 25, a Comissão Baleeira Internacional rejeitou a criação de um santuário no Atlântico para proteger as baleias, proposta por países do hemisfério sul, entre eles Argentina, Brasil e Uruguai. A iniciativa, que precisava de 75% dos votos para ser aprovada, recebeu 38 votos a favor e 24 contrários na 66ª reunião da CIB, realizada em Portoroz, Eslovênia. A ideia consistia em criar um santuário de 20 milhões de quilômetros quadrados para espécies de baleias ameaçadas de extinção pela caça destinada à exploração de sua carne, óleo e gordura ao longo do século XX.

Ciclovia Brilhante

Uma empresa polonesa encontrou uma maneira de deixar as ciclovias mais bonitas e reduzir o uso de eletricidade. A construtora utilizou milhares de minúsculos luminóforos – um material sintético que emite um baixo nível de luz durante 10 horas. As partículas conseguem se recarregar a partir de qualquer tipo de radiação, seja ela visível ou invisível. A empresa usou luz solar para manter os luminóforos ativos, de acordo com as  informações do site IFL Science. Isso significa que as vias não fazem uso de eletricidade. A primeira cidade a receber ciclovias com esse tipo de material é Lidzbark Warmińsk, no norte da Polônia.

Caça aos elefantes

O mercado de marfim prejudica o turismo dentro da África. Um estudo divulgado na terça–feira (1), afirma que países africanos perdem possibilidades de turismo com a matança de elefantes e deixam de ganhar cerca de US$ 25 milhões por ano. A pesquisa foi publicada na revista científica “Nature Communications”. Os caçadores matam os animais, retiram as presas e as vendem no mercado negro asiático, mesmo com as restrições comerciais impostas internacionalmente. Com a caça, as populações do animal recentemente diminuíram mais de 60%.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia