Acompanhe nas redes sociais:

22 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 895 / 2016

01/11/2016 - 09:21:02

Sindicalistas fazem manifestações em todo o país contra privatização

Urbanitários de Alagoas e outros representantes participaram de ato público no Rio

Maria Salésia [email protected]

O Sindicato dos Urbanitários de Alagoas e outras representações sindicais têm realizado atos públicos contra a privatização das empresas estatais. As manifestações acontecem em todo o país e na primeira quinzena de setembro foi a vez do Rio de Janeiro protestar. Sindicalistas alagoanos estiveram presentes ao ato que buscou chamar atenção da população para os riscos das privatizações pelo Brasil afora. O protesto do Rio fez parte de uma série de manifestações que serão realizadas em todo o país.

Segundo um dos diretores do Sindicato dos Urbanitarios/AL, José Cícero Silva (Sil),  a luta é contra as medidas do governo e não apenas em relação a privatização da Eletrobras (Ceal).  “O desmonte é de todo o estado brasileiro. Querem privatizar saúde, bancos e tudo mais que acham de direito.  A população precisa ficar atenta e ver que privatizar só piora a situação, porque cria desemprego e dificulta o acesso da população a alguns serviços essenciais”, criticou o sindicalista, ao acrescentar que a luta  de fato é contra o desmonte das leis trabalhistas e dos direitos que os trabalhadores conquistaram.

Silva garantiu que as manifestações não irão cessar. Inclusive no dia 5 de setembro, um ato realizado em Alagoas foi contra todos os projetos do atual governo. E o setor elétrico foi bastante discutido porque é a bola da vez. “Vários estados também estão ameaçados. Roraima, Acre, Rondônia, Maranhão também passam pela mesma situação”, comparou. 

AÇÃO POPULAR

Algumas iniciativas populares têm contribuído para a não privatização da Ceal. É o caso da Ação Popular movida em 1998 pelo jurista Richard Manso que busca impedir a venda da companhia. Houve ainda o Plano Bresser que foi fundamental nesta luta. Silva esclarece que a sociedade ou Ministério Público pode também entrar com ação pelo impedimento da privatização. “A luta é de todos. Não vamos ficar de braços cruzados”, garantiu.

O sindicalista disse que a categoria teve um encontro com o governador Renan Filho para tratar sobre o assunto. Mas a conversa não foi nada animadora. Ele lamentou que  a reunião não tenha sido tão promissora, pois a posição dele (governador) foi de que a empresa estava nas mãos da Eletrobras. “O governo deveria ter posição igual ao do Piauí, onde o Estado é contra a privatização. Já o daqui não toma muito partido”, afirmou.

Outras medidas foram tomadas pelo Sindicato dos Urbanitários. A categoria realizou abaixo assinado contra privatização da Ceal e foi a público protestar contra a proposta de privatização do setor elétrico nacional. O argumento é de que onde houve privatização, aconteceu desemprego, precarização do trabalho, má qualidade dos serviços e tarifas elevadas. “Nossa luta é pelo fortalecimento das empresas do Sistema Eletrobras, para que continuem contribuindo para o crescimento econômico e social do país, oferecendo uma energia de qualidade para todos os brasileiros”. O arquivo do abaixo assinado contra a privatização do Sistema Eletrobras em Alagoas, antiga Ceal está disponível para que os trabalhadores possam imprimir e coletar o máximo de assinaturas possíveis e entregar no sindicato.

Os urbanitários lançaram ainda uma série de vídeos com depoimentos contra a privatização da Casal e Ceal. Os vídeos serão postados em todas as plataformas dos Urbanitários de Alagoas na rede (site, Facebook e grupos de Whatsapp).

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia