Acompanhe nas redes sociais:

19 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 895 / 2016

01/11/2016 - 09:17:48

Meio Ambiente

Da Redação

Araucária

A araucária, árvore símbolo do Paraná, está entre as espécies da flora brasileira ameaçadas de extinção e com alto risco de desaparecimento na natureza em um futuro próximo, de acordo com a lista da IUCN (The World Conservation Union – A União Internacional para Conservação da Natureza) e da Lista Oficial de Espécies da Flora Brasileira Ameaçada de Extinção do IBAMA – Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. De vulnerável, em 1998 e 2000, a Araucaria angustifolia passou para a categoria ‘criticamente em perigo’ em 2006.

Agrotóxicos

O Greenpeace divulgou na semana passada uma pesquisa realizada pelo Ibope que revela a preocupação da população em relação aos riscos de se comer comida envenenada. De acordo com a pesquisa, 81% das pessoas consideram que a quantidade de agrotóxicos aplicados nas lavouras é “alta” ou “muito alta”. A pesquisa aproveitou o período eleitoral para perguntar sobre a importância das políticas de incentivo à produção sem venenos. Nesse caso, 82% da população brasileira considera “muito importante” que um político apresente propostas para a introdução de alimentos sem agrotóxicos da merenda escolar da rede pública.

SOS Amazônia

Pelo menos 1 bilhão de árvores foram derrubadas na Amazônia para pastos hoje abandonados. O último levantamento da Embrapa e do Inpe aponta para a existência de 10 milhões de hectares desses pastos abandonados na Amazônia. De acordo com o pesquisador Paulo Barreto, este pasto abandonado representou a queima de 1 bilhão de árvores. Isso jogou na atmosfera gás carbônico equivalente a 36 anos de emissões de todos os carros do Brasil. Os pastos desperdiçados também custaram o habitat para a sobrevivência de 179 milhões de aves e 5,8 milhões de primatas.

Tietê-de-coroa

Uma equipe do Observatório de Aves do Instituto Butantan está no interior do Rio de Janeiro em busca de um pequeno e raro pássaro ameaçado. O tietê-de-coroa (Calyptura cristata) mede pouco mais de 7,5 centímetros e era visto com frequência na Mata Atlântica até o século XIX, mas depois desapareceu. Chegou a ser considerado extinto, mas há 20 anos um casal foi observado na região de Teresópolis (RJ) . E este foi o último registro dele até agora.

Prevenção 

A equipe da Área de Proteção Ambiental (APA) da Baleia Franca, administrada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), no litoral de Santa Catarina, se reveza desde setembro no monitoramento das praias da unidade de conservação durante os feriados e finais de semana para prevenir e coibir o molestamento intencional de cetáceos. Além do monitoramento, os servidores do ICMBio fazem trabalho de conscientização, por meio de abordagens e conversas com frequentadores e moradores da região e distribuição de folders e cartazes com o objetivo de informar as pessoas sobre o que é o molestamento intencional de cetáceos e como ele ocorre. A ideia é prevenir o crime ambiental.

“Cabeçuda”

Na manhã do último dia 17, uma tartaruga da espécie “Cabeçuda” foi encontrada nas piscinas naturais da praia de Ponta Verde. De acordo com integrantes do Instituto Biota de Conservação, o quelônio teria “perdido o tempo” da maré e ficado preso entre as pedras. Equipes do Instituto do Meio Ambiente (IMA) e Biota devolveram o animal para águas mais profundas. 

Land Airbus 

O Brasil está entre os quatro países do mundo que procuraram o governo da China interessados em importar o superônibus diretamente para suas ruas. A informação é da agência de notícias Xinhuanet. Ainda de acordo com a agência, por enquanto trata-se apenas de uma especulação. Desenvolvido pela TBS China, o Land Airbus é uma inovação para o setor de mobilidade urbana: além de amenizar o problema do trânsito, ele transporta muito mais gente do que os ônibus convencionais, não necessita de combustíveis fósseis, além de ser 10% mais barato do que os metrôs.

Poluição

A agência ambiental do Peru está investigando a morte de 10 mil rãs conhecidas como “gigantes do Titicaca”. Os animais foram encontrados no Rio Coata, que desemboca no famoso lago peruano, na região sul daquele país. O Comitê de Luta Contra a Contaminação do Rio Coata diz que o motivo das mortes é a poluição das águas. A rã gigante do Titicaca (Telmatobius culeus) é uma espécie considerada em risco de extinção e é encontrada apenas nas águas frescas do lago que fica entre o Peru e a Bolívia, assim como em seus afluentes.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia