Acompanhe nas redes sociais:

22 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 895 / 2016

01/11/2016 - 09:16:05

Acupuntura até nas orelhas

Isabel Sfreddo - Especialista em Acupuntura

Há muito tempo se tem registros de que as orelhas são utilizadas de diversas formas no tratamento de diferentes enfermidades - Ciatalgia, dores articulares, problemas de pele, ansiedade, estresse, gastrite, insônia -, são algumas delas. A Auriculoterapia, técnica de diagnóstico e tratamento baseada no pavilhão auricular, é provavelmente um dos mais antigos métodos terapêuticos praticados na China. Este microssistema já era referido em textos como o Nei Jing (tratado de medicina escrito entre 2697 a.C. a 2597 a.C.) que trata de diversos assuntos, entre eles a estreita relação do pavilhão auricular com o resto do corpo. Há relatos de práticas como o estímulo em pontos específicos para aumentar a agressividade nos guerreiros e uso de técnicas similares para aguçar a visão nos piratas que usavam, com essa intenção, um brinco de ouro no centro do lóbulo. A partir da chegada de tais informações a outros países, a curiosidade relacionada à utilização do pavilhão auricular no tratamento de doenças foi aumentando e estudos começaram a ser realizados, bem como o mapeamento daquela região do corpo. Por volta de 1950, o médico francês Paul Nogier propôs a associação do pavilhão auricular à figura de um feto de cabeça para baixo, mapeando os pontos de acordo com os órgãos localizados nessa representação da figura humana. Os primeiros estudos iniciaram com a observação do médico às orelhas dos pacientes que chegavam ao seu consultório, em Lyon, com cicatrizes nas orelhas. Pacientes com essa característica geralmente apresentavam Ciatalgia, inflamação do ciático. Esta observação instigou Nogier, que passou a estudar a relação entre determinado ponto do pavilhão auricular e dores presentes em outros lugares do corpo, como o ciático, e experimentar o estímulo auricular como forma de aliviar e até curar certas enfermidades. Inicialmente, Nogier mapeou 35 pontos na orelha que correspondiam a outros lugares do corpo. Conforme eram realizados, estudos sobre a Auriculoterapia foram sendo divulgados no meio acadêmico, e o interesse foi crescendo. Após 1970, aumentam os adeptos dessa terapia. Em 1990, a OMS (Organização Mundial da Saúde) reconhece a Auriculoterapia como terapia de microssistema para benefício, promoção e manutenção da saúde no tratamento de diversas enfermidades. Em 1999, a médica chinesa Huang Li Chun propõe um novo mapa com pontos posteriores para tratar problemas osteomioarticulares e a utilização da técnica de sementes duplas. 

A Auriculoterapia é utilizada como técnica principal ou auxiliar no tratamento realizado através da acupuntura sistêmica. O estudo de observação do pavilhão auricular é capaz de diagnosticar, prever e tratar as disfunções orgânicas, emocionais e dores em geral. Os pontos auriculares funcionam como uma memória do histórico patológico das pessoas, por isso o diagnóstico através da orelha pode mostrar o desenvolvimento cronológico das enfermidades e a preparação para processos patológicos que ainda não se manifestaram clinicamente. O diagnóstico da Auriculoterapia, hoje, tem valor semiológico similar ao diagnóstico do pulso e da observação da língua, na MTC (Medicina Tradicional Chinesa). O pavilhão auricular é considerado uma parte muito importante do corpo humano, por constituir um microssistema, funcionando como um receptor de sinais de alta especificidade, refletindo as mudanças fisiológicas dos órgãos e vísceras, dos quatro membros, do tronco, dos tecidos, etc. Quando há desarmonia em qualquer parte do corpo humano, esta se reflete na orelha, com reações de caráter e localidades diferentes; reações específicas, relacionadas a cada enfermidade, o que indica a estreita ligação entre os locais reativos e as partes do organismo implicadas na patologia. As reações podem ser de diferentes tipos. As mais comuns são mudanças na resistência elétrica das zonas reativas específicas, mudanças de coloração, escamações, mudanças morfológicas nas áreas que podem ser ou estão sendo afetadas por enfermidades, eczemas, etc. Todas essas reações podem aparecer no pavilhão auricular antes que a enfermidade se manifeste, e desaparecer depois da cura. O tratamento pela Auriculoterapia tem como objetivo promover o equilíbrio energético do paciente, e é especialmente indicado quando é necessário que o paciente “leve o tratamento para casa”, pois através da pressão com os dedos nas esferas ou semente colocadas nos pontos auriculares, o paciente pode estimular esses pontos, efetivando continuamente o tratamento.

  Se desejar saber um pouco mais sobre o assunto, envie e-mail para Isabel Sfreddo – [email protected], especialista em Acupuntura, pós-graduada pelo Colégio Brasileiro de Acupuntura – CBA, da Academia Brasileira de Arte e Ciência Oriental – ABACO.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia