Acompanhe nas redes sociais:

16 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 894 / 2016

24/10/2016 - 17:44:31

Meio Ambiente

Da Redação

Tremor de terra

Um tremor de terra assustou os moradores de Estrela do Norte, região norte de Goiás, no dia 7 deste mês. De acordo com o Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (UnB), o tremor de terra foi de magnitude 3,7 na escala Richter, com epicentro a 10 km do Centro da cidade e a 5km abaixo da superfície. Esta não foi a primeira vez que a terra tremeu na região norte daquele estado. Em 2012, foram registrados cinco tremores. Um deles foi sentido em pelo menos cinco cidades da região. O registro de maior magnitude foi em 2011: 4,1 na escala Richter.

Mais cobiçado

O mamífero mais traficado em todo o mundo é um animal típico de regiões da África e da Ásia e pouco conhecido na América do Sul, embora tenha algumas características semelhantes às do tamanduá, comum em terras brasileiras. Algumas de suas peculiaridades, porém, fazem do ‘pangolim’ um dos bichos mais visados por caçadores. Com o corpo coberto por escamas (feitas de queratina) e sem dentes - ele se alimenta principalmente de formigas e usa sua longa língua para capturá-las -, o animal virou alvo principalmente por ser utilizado na medicina tradicional (alternativa, baseada em crenças e teorias) de países como China e Vietnã. Existem oito espécies do bicho, todas ameaçadas de extinção.

Onças ameaçadas

Vinte e seis onças-pintadas foram mortas no Panamá até setembro deste ano, de acordo com o diretor da Fundação Yaguará Panamá, Roberto Moreno. O número já supera os registros do ano passado, quando 23 onças foram mortas no país e demonstra um aumento no abate dos predadores na região. A principal causa do abate de onças é a retaliação por parte de fazendeiros a ataques ao gado ou a cães.

Amazônia                Legal

O desmatamento na Amazônia Legal aumentou 24% de agosto de 2014 a julho de 2015, em relação ao período anterior, de agosto de 2013 a julho de 2014. Essa é a maior taxa nos últimos quatro anos. Os dados consolidados do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes) de 2015 foram divulgados no dia 5 pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e apontam a derrubada de 6.207 quilômetros quadrados (km²) de floresta. No período anterior, o desmatamento chegou a 5.012 km². 

Javalis

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais (Ibama) lançou uma consulta pública para colher propostas para o Plano Nacional de Prevenção, Controle e Monitoramento do Javali em Estado Asselvajado no Brasil. A consulta segue até esta sexta, 21, e visa reunir sugestões de setores do governo, das universidades e da sociedade em geral sobre o plano que vai definir as estratégias do País no enfrentamento aos danos causados pela presença do javali no território brasileiro. O javali é uma espécie exótica invasora presente em grande parte do País. Natural de países europeus, a espécie não encontrou predadores naturais no Brasil e sua proliferação gera graves impactos ao meio ambiente.

Peixe-balão ou baiacu  

É o segundo vertebrado mais venenoso do mundo (o primeiro é a rã-dardo-dourada), podendo ser encontrado em qualquer mar tropical do planeta. Apesar de conter toxina o suficiente para matar até mesmo humanos, ele é servido como uma iguaria chamada fugu no Japão, e bok-uh na Coreia. Entretanto, o peixe produz uma morte rápida e violenta por asfixia – tem que ser muito corajoso para provar esses pratos.

Zona Costeira

Detentor de mais de 8.500 quilômetros de zona costeira, o Brasil enfrenta o desafio de minimizar um dos mais intensos problemas para conservação dos oceanos na atualidade: o lixo. O litoral brasileiro abrange 17 estados e mais de 400 municípios. Estudos apontam que bilhões de toneladas de lixo são jogados nos oceanos todos os anos. E, apesar de décadas de esforços para prevenir e reduzir o lixo no mar, há evidências de que o problema é persistente. Quase 80% do lixo marinho tem origem em fontes terrestres.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia