Acompanhe nas redes sociais:

13 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 894 / 2016

24/10/2016 - 17:37:30

Escola Web transforma ensino da rede estadual

Graças aos recursos do programa, escolas modernizam procedimentos administrativos e reativam laboratórios fora de uso

Ana Paula Lins e Manuella Nobre Fotos: Valdir Rocha e Ana Paula Lins

Em um mundo cada vez mais tecnológico, a informática e a internet são ferramentas essenciais para dinamizar as práticas pedagógicas e prender a atenção de crianças e adolescentes cada vez mais conectados. Pensando nisso, a Secretaria de Estado da Educação (Seduc) criou o Programa Escola Web para que escolas da rede pública estadual pudessem contratar internet banda larga e promover manutenção de seus laboratórios de informática.

Por meio do programa, que também oferece uma plataforma digital com mais de 4000 conteúdos pedagógicos acessíveis para mais de 42 mil docentes e 890 mil alunos de 3.427 escolas alagoanas, foram disponibilizados recursos na ordem de R$ 2,7 milhões às unidades de ensino.

“Democracia na escola é um conceito que vai além da eleição de gestores: é descentralizar recursos para que as unidades de ensino tenham autonomia para resolver suas demandas, é trazer a comunidade para a escola, de forma que ela se aproprie deste espaço. Por meio do Escola Web, disponibilizamos verba para que as escolas possam contratar internet banda larga para as mais diversas atividades pedagógicas. Tudo isso, claro, deve ser planejado em conjunto com o conselho escolar”, diz o secretário de Estado da Educação, Luciano Barbosa.

Resultados – Três meses após o lançamento do Escola Web, algumas unidades de ensino já apresentam resultados positivos em relação ao uso da verba do programa. É o caso das escolas estaduais Fernandina Malta, em Rio Largo e Maria Ivone Santos de Oliveira, em Maceió.

Graças ao programa, a unidade de ensino de Rio Largo pôde revitalizar seu laboratório e dar início a um antigo projeto: interligar toda a escola em rede. “Por meio da informatização, ganharemos tempo, praticidade, redução de custos e um melhor controle interno. Tudo isso é possível graças ao Escola Web”, avalia a diretora-geral Silvânia Ferreira.

O secretário escolar da unidade, Thiago Cruz, conta que a interligação dos computadores em rede permitiu à unidade de ensino começar dois projetos inéditos: o de identificação digital de alunos e servidores e a digitalização das atas de resultados. Ele aponta os benefícios destas duas iniciativas.

“No caso dos alunos, por exemplo, após tirarmos sua foto, esta imagem é direcionada para o cadastro do estudante. A partir deste sistema, será possível acompanhar mudanças de turno do aluno e sua frequência, o que permitirá um controle da evasão. Além disso, é gerada uma carteirinha que pode ser usada de diversas formas. Por exemplo, os alunos trabalhadores que porventura se atrasarem para a segunda aula podem utilizar o documento para entrar na segunda aula”, explica Thiago, que estima que, dentre os 1.300 alunos da instituição, pouco mais de 1000 já tenham a identificação digital.

No que concerne à digitalização de atas, Thiago diz que a iniciativa reduzirá o gasto de papel e permitirá a melhor conversação da documentação da escola. “Serão mais de 50 anos de vida escolar disponibilizados em um espaço virtual”, calcula.

Revitalização

Já na Escola Estadual Maria Ivone Santos de Oliveira, no Conjunto Inocoop, em Maceió, a verba do Escola Web permitiu revitalizar o laboratório de informática da instituição, o qual se encontrava ocioso há muito tempo.

Segundo relata a diretora-geral Juliana de Menezes, com os recursos do programa foi possível recuperar 21 computadores que estavam sem condições de uso, fazer recabeamento, comprar acessórios  e instalar internet de 20 MB no laboratório – até então a rede só estava disponível no setor administrativo da escola.

“Instalamos em todas as máquinas tanto os sistemas Linux Educacional quanto o Windows e já começamos a promover formações com os professores para o uso do laboratório. Posteriormente, eles utilizarão este espaço para atividades com os alunos. Em breve, a sala também receberá duas turmas do Programa Juventude Empreendedora, cujos cursistas são tanto alunos nossos como demais jovens da comunidade”, adianta a gestora.

Inclusão - Juliana considera o Escola Web um programa revolucionário no âmbito da rede pública estadual. “Boa parte de nossa clientela é formada por jovens de origem humilde que conhecem a tecnologia, conhecem a internet, mas nem sempre têm como acessá-la. Neste laboratório, será possível promover a inclusão digital destes garotos e garotas”, declara.

Entusiasmados com a recuperação do laboratório, os estudantes não vêem a hora de começar a frequentá-lo. “A gente esperava por esse laboratório há muito tempo, nós precisávamos de momentos com aulas mais dinâmicas”, conta José Edson da Silva Junior, aluno do 9º ano do Ensino Fundamental. Sua colega Yngrid Estefane Gonçalves, também do 9º ano, pensa o mesmo. “Fiquei feliz com a notícia do laboratório. Quero muito ter aula aqui”, fala a jovem.

Já os professores poderão adotar novas abordagens em suas aulas no espaço renovado. É o caso de Daniela de Oliveira, que leciona História e Ensino Religioso. “Desde que cheguei à escola, em 2013, sempre quis trazer os alunos para um momento mais interativo, onde eles pudessem pesquisar e trabalhar em equipe. Agora este anseio se torna realidade”, comemora a educadora.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia