Acompanhe nas redes sociais:

24 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 893 / 2016

17/10/2016 - 17:50:27

Meio Ambiente

Da Redação

Transporte alternativo

O uso de bicicletas dobrou no Brasil nos últimos dez anos. A informação é do relatório do Sistema de Informações da Mobilidade Urbana (SIMU), documento anual produzido pela Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP). De acordo com a pesquisa, em 2004, 1,3 bilhão de viagens foram feitas de bicicleta em 468 cidades; em 2014, esse número aumentou para 2,6 bilhões. Modalidades alternativas de transporte, como a bicicleta, começam a representar parcela importante dos deslocamentos urbanos, como destacou o estudo. Priorizar essas modalidades é uma contribuição importante para alcançar uma solução realmente sustentável e de longo prazo.

Horta solidária

Na cidade de Atlanta, nos Estados Unidos, existe uma horta orgânica cultivada por moradores em situação de rua - simples, mas muito produtiva - que é usada para abastecer o local. Estima-se que, até o momento, com oito anos de funcionamento, a iniciativa já tenha beneficiado dez mil pessoas, sendo que 145 famílias têm a horta como sua principal fonte de renda. A maioria dos trabalhadores tem pouca ou nenhuma experiência de trabalho e esta é uma ótima oportunidade para aprender uma nova habilidade. Toda a experiência da transação, manutenção e sustento da horta é compartilhada com pessoas que se interessam pelo tema e querem fazer uma visita.

Controle de espécies exóticas

Uma parceria entre o Parque Nacional Marinho dos Abrolhos e o Centro Nacional de Pesquisa Para Conservação das Aves Silvestres (Cemave) desenvolve ações para controle e erradicação de espécies exóticas no arquipélago. O foco das atividades é o combate aos ratos. O controle inclui medidas para redução da oferta de alimento e abrigo, por meio do manejo de espécies da flora (coqueiro e castanheira, por exemplo). As ações auxiliam a recuperação da qualidade ambiental das ilhas e evitam novas infestações.

Horário de verão

Daqui a dois dias começa o horário brasileiro de verão e os relógios deverão ser adiantados em uma hora nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Neste ano, o horário diferenciado vai vigorar de 16 de outubro a 19 de fevereiro de 2017. O objetivo da medida, adotada no Brasil desde 1931, é proporcionar uma economia de energia para o país, com menor consumo no horário de pico (entre as 18h e às 21h), pelo aproveitamento maior da luminosidade natural. Com isso, o uso de energia gerada por termelétricas pode ser evitado, reduzindo o custo da geração de eletricidade.

Matthew

Os danos provocados pelo furacão Matthew nos EUA, que atingiu o leste do país após deixar mais de 450 mortos no Haiti, custarão aproximadamente US$ 10 bilhões (cerca de R$ 32 bilhões), segundo um estudo do banco Goldman Sachs. Matthew se transforma, assim, no 22º furacão mais devastador da história do país desde a II Guerra Mundial.

Animais polinizadores 

Um estudo divulgado por especialistas da Plataforma Intergovernamental de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES) mostrou que um número crescente de espécies de animais polinizadores está ameaçado de extinção em todo o mundo. O relatório “Polinização, polinizadores e produção de alimentos” aponta que fatores como a mudança no uso da terra, o uso indiscriminado de pesticidas e alterações climáticas estão colocando em risco a biodiversidade dos polinizadores e, em consequência, o equilíbrio dos ecossistemas. Os polinizadores mais conhecidos são as abelhas, mas há também outras espécies, como moscas, borboletas, besouros, pássaros, morcegos e alguns vertebrados, como lagartos e pequenos mamíferos.

Proteção

O ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, lançou, na terça-feira (4), o Plano Nacional de Ação de Emergência para Fauna Impactada por Óleo (PAE-Fauna). O documento traz um detalhamento das medidas que devem ser adotadas para reduzir impactos ambientais de derramamento do petróleo sobre a fauna. O plano foi elaborado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), em parceria com o Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP).  A iniciativa pretende garantir a proteção e a resposta adequada à fauna impactada por óleo, conforme previsto no Plano Nacional de Contingência para Incidentes de Poluição por Óleo em Águas sob Jurisdição Nacional.

Reprodução  de peixes

Uma ação do Ministério da Integração Nacional para revitalizar o São Francisco vai introduzir as espécies de peixe curimatã pioa e a matrinxã no rio. O peixamento, como é denominada a prática, vai contribuir para que os tipos, que estavam sumidos das redes dos pescadores locais, voltem a ser pescados.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia