Acompanhe nas redes sociais:

15 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 893 / 2016

13/10/2016 - 19:47:56

Rui e Cícero buscam “órfãos” do PSB e PT

Tucano está na frente; Palácio monta estratégia de guerra para emplacar peemedebista

Odilon Rios Especial para o EXTRA
Favoritismo de Rui Palmeira sobre Cícero Almeida no primeiro turno é reafirmado em pesquisa

Duas candidaturas milionárias disputam o gosto do eleitor em Maceió. Mas, apesar de estarem nas ruas, Rui Palmeira (PSDB) e Cícero Almeida (PMDB) parecem não empolgar este mesmo eleitor. Rui está à frente na primeira pesquisa oficial deste 2º turno – Instituto Paraná, da TV Pajuçara. Só que os números do 1º turno mostram que o ato de votar é uma formalidade cada vez mais deixada de lado pelo maceioense.

Comparada a 2012, a quantidade de abstenções e votos nulos e brancos cresceu 58,8% na capital; apenas em 2016, foram quase 160 mil (exatos 159.256) que escolheram não votar em ninguém. Mais que os 104.036 votos obtidos por Cícero Almeida.

O Instituto Paraná também identifica este desprezo pelas urnas. A maior quantidade de eleitores que respondeu não votar em nenhum dos dois tem entre 25 e 34 anos: 14,7%. E à medida que a escolaridade cresce, maior a rejeição do eleitor: 17,1% dos que têm curso superior não votarão nem em Rui nem em Cícero; apenas 8% declararam anular ou “branquear” o voto no dia 30 de outubro.

Mesmo assim, os dois gastam bastante dinheiro para se manterem no páreo eleitoral.

Logo no início desta segunda etapa da campanha, o PMDB de Alagoas doou R$ 1,3 milhão para financiar Cícero Almeida.

Objetivo é que as pesquisas diminuam a vantagem de Rui na largada eleitoral.

A doação do PMDB representa 78,68% do que a campanha de Cícero recebeu até agora.

Já Rui Palmeira recebeu doações que ultrapassam R$ 1,1 milhão. 99,6% de partidos aliados: PSDB nacional (R$ 400 mil); PSDB local (R$ 125 mil); PP nacional (R$ 270 mil); PP local (R$ 150 mil); PR (R$ 270 mil).

SUPERIORIDADE

Apesar disso, a superioridade de Rui nas urnas é inquestionável. O atual prefeito venceu em todas as zonas eleitorais da capital. São cinco, ao todo. Melhor desempenho de Cícero foi no Clima Bom 1, 2 e Tabuleiro dos Martins. Obteve 33,75% dos votos contra 39,96% de Rui.

Talvez estes votos tenham sido puxados pelo seu vice, Galba Novaes (PMDB), principal cabo eleitoral nestes três bairros.

O pior desempenho de Cícero esteve concentrado em 13 bairros, todos da periferia: Bebedouro, Bom Parto, Chã da Jaqueira, Chã de Bebedouro, Fernão Velho, Levada, Mutange, Ponta Grossa, Pontal da Barra, Prado, Rio Novo, Trapiche da Barra e Vergel do Lago.

Neles, o ex-prefeito ficou em terceiro lugar. Perdeu para JHC (PSB) que obteve 22,04% dos votos; Cícero ficou com 20,24%. E Rui na dianteira, com 52,99% dos votos.

Com exceção do Clima Bom 1 e 2 e Tabuleiro dos Martins, Rui Palmeira obteve mais de 40% dos votos em todos os bairros de Maceió. Nos 13 bairros acima, teve sua melhor votação.

Mesmo a maior zona eleitoral de Maceió, que concentra 30 seções e funciona no Centro de Estudos Aplicados (Cepa) e agrega 14 bairros (misturando pobres e ricos), o prefeito que busca a reeleição fez um “passeio”. Venceu em todas e com larga vantagem: o dobro ou mais que o dobro dos votos.

Na pesquisa encomendada pela TV Pajuçara, do Instituto Paraná, Rui Palmeira tem vantagem entre todos eleitores divididos por idade e escolaridade. Ainda de acordo com o instituto, 82,4% responderam que não vão mudar o voto até o dia 30 de outubro; 17,3% disseram que podem alterar o candidato até as urnas.

Para virar a mesa ou a eleição, Cícero Almeida aposta na participação direta do Palácio República dos Palmares e no investimento da própria biografia. Conta com o apoio de secretários de Estado, assessores, o médico José Wanderley Neto, o ministro do Turismo, Marx Beltrão, projetos do Governo programados na capital. O staff governamental em peso, além de militantes do PT e do PSB mais discretos e próximos do ex-prefeito da capital.

Rui Palmeira agrega os 11 vereadores que sua coligação elegeu e também busca votos no PSB (especificamente ligados ao terceiro colocado na votação, João Henrique Caldas).

ÓRFÃOS

PT e PSB decidiram não apoiar nenhum dos candidatos a prefeito neste segundo turno. Os petistas prometem punir quem desobedecer a regra; os socialistas não farão o mesmo.

“A Executiva Municipal tomou a decisāo de neutralidade, as bases podem acompanhar ou não de forma individual”, disse a presidente estadual do PSB, Kátia Born.

“O PT em Maceió não vai apoiar nenhum dos candidatos à Prefeitura. Não faremos campanha nem pediremos votos. Se algum petista quiser apoiar algum dos candidatos ou votar nele, estará indo de encontro à resolução do PT em Maceió”, explicou Ricardo Barbosa, presidente da Executiva Municipal do partido.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia