Acompanhe nas redes sociais:

15 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 892 / 2016

10/10/2016 - 17:21:59

O Tiririca e o Lobão

Jorge Morais

Começo o artigo desta semana pelo personagem das eleições municipais no estado de Alagoas. Estou me referindo ao candidato Lobão, que teve a segunda maior votação para vereador por Maceió em toda a história da Câmara. Primeiro, com mais de 30 mil votos foi a vereadora Heloisa Helena. Agora, em 2016, como o mais votado, Lobão alcançou 24.969 votos de simpatia, dados, principalmente, pelo povo pobre, igual ao candidato, e que reconhece o seu trabalho como líder comunitário, artista e músico.

Igual a Heloisa Helena, o voto dado ao Lobão tem o preço da luta desigual entre quem tem trabalho e quem compra voto. Claro que a regra não é geral, pois temos outros vereadores eleitos que se identificam, também, pela decência de suas campanhas, pelo trabalho dirigido para alguns segmentos da sociedade e com o devido respeito ao eleitor. A regra não pode e nem deve ser geral nessa questão, mas, vez por outra, surge um personagem como esse nas campanhas políticas.

Alguns menos informados associam o candidato e a campanha do Lobão à do palhaço Tiririca, eleito e reeleito deputado federal pelo estado de São Paulo. No caso do Tiririca, suas votações estão direcionadas, apenas, a um trabalho que faz ou fazia no seu dia a dia: palhaçada. Passa, então, a ser o voto de protesto do eleitor, cansado de ser enganado pelo político profissional, o chamado político carreirista, às vezes vazio de propostas e sem nenhum comprometimento.

No nosso caso, a eleição do vereador Lobão, mesmo sendo um candidato exótico e esquisito na sua configuração, conta a seu favor com três situações que lhe favoreceram nesse pleito. A primeira, já dava demonstração de que a qualquer momento emplacaria uma vitória, diante de resultados bem favoráveis ocorridos nas eleições de 2012 (para vereador) e 2014 (para deputado estadual), situações que perseguia desde 2010.

A segunda situação favorável era a de artista/diretor de filme pornô, atraindo a quem não podia ir a uma sala de cinema, e a de produtor/cantor de uma banda de rock, sempre atraído pelas multidões e os espetáculos mais baratos. Por último, o trabalho junto às comunidades mais carentes da região Sul de Maceió, ajudando da maneira que podia com comida, trabalho, reivindicações, às vezes, sem a ajuda do Poder público. Um dia isso teria que acontecer.

Mas, será que fazer filme pornô, cantar em banda de rock ou ser líder comunitário seria o suficiente para eleger um vereador e com a votação obtida pelo Lobão? Claro que não, porque o fenômeno Lobão não foi construído agora, da noite para o dia. Na sua simplicidade e no seu jeito diferente de falar, se vestir, cobrar e ajudar as chamadas classes menos favorecidas, tem por trás de tudo isso um rapaz inteligente, que sabe o que quer e por onde começar e trabalhar.

Tenho certeza que os mais esclarecidos e os chamados de pobres votaram no Lobão sem ser voto de protesto. Antes mesmo de ouvir falar no vereador campeão de votos em Maceió, já tinha conhecimento da sua vida e da sua história. Lobão foi, inclusive, personagem de trabalhos de conclusão de cursos superiores, o famoso TCC, onde alunos estudaram o fenômeno e apresentaram em salas de aula, diante de uma banca examinadora de doutores, os resultados de pesquisas direcionadas àquele cidadão maceioense.

O voto em Lobão foi um voto consciente. Em relação aos eleitores mais humildes, foi o voto dos desempregados, de quem quer se ver na Câmara de Vereadores, sentado em uma cadeira do parlamento, confortável e em um ambiente refrigerado, com a cara e a coragem do povo, como uma liderança popular e de pés no chão. Com tudo isso finalizo com uma pergunta: Lobão na Câmara de Vereadores de Maceió vai melhorar a situação deles? Só o tempo dirá.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia