Acompanhe nas redes sociais:

21 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 892 / 2016

10/10/2016 - 17:16:10

Gabriel Mousinho

Tropeço de Almeida

Gabriel Mousinho

Quando começou a campanha no rádio e na televisão, o deputado Cícero Almeida botou na cabeça que ligar seu nome ao governador Renan Filho era a solução para ser eleito prefeito de Maceió. Parece que só ele e sua assessoria estavam convencidos disso.

Colar seu nome com o governador foi talvez o erro mais grosseiro de sua campanha, porque sempre foi público e notório que o eleitorado tem certa rejeição pelos Calheiros na capital. Almeida começou a cair nas pesquisas e já nos últimos dias a figura do governador sumiu como por encanto do Guia Eleitoral. Mas já era tarde demais.

Além de tudo isso, Cícero Almeida teve um desempenho sofrível na maioria dos debates, o que também influenciou na sua queda nas pesquisas. Mas o mais relevante na campanha foi a credibilidade que Rui Palmeira passou para a população, com projetos factíveis, sinceridade no modo de falar, honestidade na administração do município e do trabalho realizado nesses quatro anos.

Agora, Cícero Almeida vai ter que rebolar. Afinal de contas, não se tira uma vantagem de mais de 93 mil votos do dia para a noite.

Pé frio

O governador Renan Filho não foi muito feliz nas últimas eleições. Ele perdeu em Maceió, Arapiraca, Palmeira dos Índios, Rio Largo, Maragogi, Pilar, São Miguel dos Campos, Delmiro Gouveia e até mesmo em Piranhas. Dos grandes colégios eleitorais, salvou-se apenas em União dos Palmares, cujo candidato eleito ninguém sabe se assume por complicações na Justiça. Renan foi comparado ao mega cantor Mick Jagger, que tem fama de pé frio no futebol. A situação ficou tão delicada que teria prefeito que andava se escondendo quando sabia que ele iria visitar o município, para não dar azar.

Todo cuidado é pouco

Com seu estilo de dizer as coisas sem pensar antes, o deputado Cícero Almeida tomou uma pancada forte de Fernando do Village, que foi candidato a prefeito de Maceió. Depois de chamá-lo de laranja, Almeida ouviu o que não queria. Entre outras graves coisas, Fernando acusou o deputado de estar metido até o pescoço em denúncias de corrução, a exemplo da Máfia do Lixo e da Taturana. Village ainda prometeu sair divulgando com seu carro de som as denúncias contra Almeida.

Calo

A disposição de Fernando do Village de fazer denúncias contra Cícero Almeida pelos bairros da capital é mais um problema para o candidato do governo. Pelo seu comportamento no Guia Eleitoral, Village vai infernizar a vida do deputado.

Missão quase impossível

O deputado Cícero Almeida sabe, mais do que ninguém, que terá uma tarefa árdua, dura, difícil nesse segundo turno. A princípio terá que tirar a diferença de mais de 93 mil votos colocados à frente por Rui Palmeira e tentar fazer alianças que não gostaria.

Transferência de votos

O eleitorado de Maceió já deu demonstração de que a eleição para prefeito foge aos padrões habituais. Lideranças políticas podem até influir, mas não garantem a transferência de votos. O deputado Almeida vai ter muito trabalho para tentar reverter a situação.

Não colou

A história do golpe inventada pelo PT nas eleições não colou. A começar por Maceió, onde o deputado Paulão teve uma votação considerada fraca. O Partido dos Trabalhadores deu uma recuada considerável nas eleições municipais no Brasil. Ele perdeu mais de 400 prefeituras no país e 11 milhões e 400 mil votos com relação às eleições de 2012.

Péssimo desempenho

Para quem está com o governo nas mãos e tem um pai presidente do Congresso Nacional, o desempenho do PMDB em Alagoas nas eleições da semana passada foi um dos piores dos últimos vinte anos. A luz amarela já foi acesa no Palácio dos Martírios e o governador Renan Filho vai ter que repensar sua estratégia política para 2018.

Ganhou e perdeu

O deputado estadual em exercício Cícero Cavalcante comemorou muito a eleição de sua filha Fernanda para a Prefeitura de São Luiz do Quitunde. Mas esperava também que assumisse o cargo definitivamente. Para seu azar, Ricardo Nezinho e Tarcísio Freire perderam a eleição em Arapiraca.

Tô fora

De um leitor da coluna sobre a campanha do segundo turno em Maceió: ´”Quanto mais o governador se afastar do Guia Eleitoral, melhor para o Ciço”. Para ele, o suposto poder eleitoral de Renan Filho era traduzido apenas nas propagandas do governo.

Mesmo ritmo

O prefeito Rui Palmeira, logo no dia seguinte aos resultados das eleições, manteve a rotina de campanha. Fez carreatas e caminhadas e definiu sua agenda para o restante do mês. Deseja obter 300 mil votos nesse segundo turno.

Mudando o quadro

O resultado das eleições na capital e no interior vai dar o tom nas eleições de 2018. E já tem muita gente pensando nisso. Cobra criada em eleições, o senador Renan Calheiros vai fazer um mapa da presença do PMDB nos municípios e definir estratégias para executá-las a partir de agora. O quadro não é nada favorável ao maior partido em Alagoas.

Bom desempenho

O deputado JHC, dentro da sua estrutura de campanha, teve um ótimo desempenho nas urnas e se credenciou para 2018. Se fizer boas alianças na eleição daqui a dois anos, pode repetir o feito de 2014.

Vale tudo

As conversas nos bastidores políticos dão conta de que Cícero Almeida vem com a carga toda em cima de Rui Palmeira. Por uns dias vai esquecer-se de discutir o que pode fazer por Maceió para bater forte no adversário. 

Sem passar recibo

O senador Renan Calheiros, mesmo com as denúncias que tem acumulado no STF, demonstra força no governo. A nomeação do deputado federal Marx Beltrão para o Ministério do Turismo, mesmo que ele negue, foi obra do senador. O constrangedor, porém, foi no dia da posse Beltrão ter que se explicar que não cometeu falsidade ideológica, ou falsificação de documentos do INSS quando era prefeito de Coruripe.

Arrebentando

Alagoas, hoje, tem dois ministros de Estado. Coisa rara de acontecer num pequeno estado do Nordeste. Os alagoanos torcem para que Marx Beltrão faça o dever de casa e ajude a melhorar o turismo em Alagoas. Maurício Quintella, dos Transportes, já vem fazendo a sua parte.

Renan pressionado

Sufocado pelas denúncias no Supremo Tribunal Federal, o senador Renan Calheiros dificilmente vai arriscar se queimar na campanha de Cícero Almeida. Ele fica a maior parte do tempo em Brasília e se distancia da eleição em Maceió, praticamente perdida, como confidenciam pessoas ligadas aos Calheiros.

Ele vem aí

O lobista Milton Lyra, que dizem ser pessoa muito ligada ao senador Renan Calheiros, pode fazer uma delação premiada a qualquer momento. Ele seria o e elo com a cúpula do PMDB e desde a semana passada era procurado pela Polícia Federal para prestar esclarecimentos. Lyra deve ter muito que falar, principalmente quando passou uma boa temporada em Maceió. De lixo, dizem que ele entende muita coisa.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia