Acompanhe nas redes sociais:

14 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 889 / 2016

19/09/2016 - 16:56:30

Instituições de ensino adotam benefício como diferencial

em caso de desemprego dos responsáveis, estudante tem a garantia de concluir os estudos

Valdete Calheiros Especial para o EXTRA
Ribeiro lembra que, em tempos de crise, o seguro é uma garantia para os filhos

A proximidade do último trimestre do ano faz com que muitos pais iniciem uma rotina típica do período: a de pesquisar em qual escola irá matricular seus filhos.

Preço, localização, metodologia de ensino, instalações adequadas, qualidade de ensino e resultados no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) são alguns dos quesitos avaliados. No entanto, nos últimos anos – especialmente com a crise financeira – uma nova pergunta tem sido feita aos diretores das escolas ou aos responsáveis pelas matrículas. 

Pais e/ou responsáveis pelo custeio da educação querem saber se o estabelecimento de ensino tem seguro educacional, uma fatia do mercado de seguros cada vez mais saborosa tanto para as escolas quanto para os segurados. 

Em muitas residências, o seguro educacional tem feito a diferença na hora da matrícula. E a preocupação tem razão de ser. O seguro educacional garante, entre outras benefícios, que o aluno possa concluir os estudos no caso de o responsável financeiro perder o emprego, por exemplo, durante o ano letivo em curso. 

Sincor orienta sobre contratação

O presidente do Sindicato dos Corretores de Seguros de Alagoas (Sincor-AL), Edmilson Ribeiro, explicou que diante do atual cenário econômico, o seguro educacional é, portanto, o instrumento mais adequado para garantir tranquilidade financeira às escolas e aos pais, é consequentemente, a continuidade do padrão educacional dos filhos diante de algum imprevisto financeiro sofrido pelo responsável financeiro do aluno. “Por isso mesmo, em tempos de crise financeira, cada vez mais escolas tem aderido ao seguro educacional. O seguro educacional é uma garantia para a escola e um diferencial para o aluno”, avaliou. 

O mercado do seguro educacional é crescente no cenário local e também nacional porque uma das maiores responsabilidades dos pais e talvez a maior preocupação é prover a melhor educação possível para os filhos. 

Em Alagoas, são pelo menos 10 seguradoras e boa parte delas tem apostado no seguro educacional como diferencial no setor. Isso porque se há uma certeza no mercado de seguro é a de que: quanto pior a crise econômica maior a necessidade do seguro. E, em se tratando especificamente, de seguro educacional é um dos que mais tem crescido no mercado alagoano. Uma boa fatia para os cerca de 200 corretores de seguros filiados ao Sincor-AL que conta ainda com aproximadamente 120 pessoas jurídicas.  

“O seguro educacional é um produto do mercado de seguros que garante a proteção educacional dos filhos no caso de eventos negativos que afetem a renda dos pais, no caso, do responsável financeiro”, acrescentou Edmilson Ribeiro. 

Cobertura inclui desemprego

A depender do tipo de contrato, este seguro cobre os gastos educacionais dos filhos do maternal à conclusão do curso superior – mensalidades e material escolar – em casos de desemprego, invalidez ou morte do responsável pelo aluno. 

A oferta mais comum, ainda de acordo com o presidente do Sincor, é a de apólice coletiva. Nesta modalidade, a instituição de ensino contrata cobertura para todos os alunos matriculados. Por sua vez, as seguradores, geralmente, só aceitam o contrato coletivo por adesão mediante participação de, pelo menos, 50% da totalidade dos alunos matriculados. 

“Nessas condições, o valor do seguro costuma variar entre 1% e 3% da mensalidade escolar. O contrato coletivo é vantajoso em termos de preço, porque quanto maior o número de pessoas, da vidas asseguradas, mais a seguradora pode reduzir os custos”, detalhou Edmilson Ribeiro. 

São inúmeras as vantagens, os benefícios do seguro educacional. A depender do contrato, estão garantidos também o transporte do aluno para o colégio, quando este estiver com dificuldades de se locomover por problemas de saúde; assistência médica 24 horas durante o período letivo e aulas particulares em casa, se o estudante não puder ir à escola por um período mínimo de cinco dias, devido à acidente ou cirurgia. 

O presidente do Sincor-AL alerta apenas para o fato de verificar se o corretor de seguro é realmente capacitado e habilitado para o exercício da profissão. 

“Sabemos que um corretor de seguro idôneo vai orientar nos mínimo detalhes o segurado. E vai atentar para que o contratante leia, com a devida atenção, o contrato principalmente para saber quais as situações em que a indenização não será paga. Pagamento de cursos ordinários e aulas de reposição, no caso de o aluno ficar em recuperação em alguma matéria são alguns exemplos”, detalhou.

A indenização do seguro também não é paga quando ocorre aposentadoria por invalidez do responsável pelo aluno concedida pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). No caso de o seguro ter sido acionado e se o aluno for reprovado, as mensalidades só voltarão a ser pagas pelo seguro quando o estudante for aprovado para o ano seguinte, mediante declaração da escola. 

“Por isso recomendamos que, na apresentação da proposta e na assinatura do contrato, o segurado peça ao seu corretor de seguros esclarecimentos sobre todos os detalhes de contrato. Mas, claro, todas essas preocupações se tornam nulas quanto o contrato é feito por um corretor de seguros devidamente capacitado para tal”, detalhou o presidente do Sincor no Estado. Edmilson Ribeiro orienta que, em caso de dúvidas para saber se o corretor de seguros é devidamente habilitado a escola ou mesmo o responsável pelo aluno pode ligar para o Sincor-AL e buscar informações. O telefone é 3326-1029 e o atendimento é em horário comercial. 

PIONEIRO

Um dos pioneiros no mercado alagoano de seguro educacional, o corretor Marcus Elysio Figueiredo Campello lembra de ter assinado um dos seus primeiros contratos em 1998. De lá para cá, sabe que a quantidade de contratos tem crescido na mesma proporção que a preocupação dos pais em garantir a continuidade dos estudos dos filhos no caso de algum infortúnio. 

“No meu entender, o seguro educacional é hoje a única forma de dar continuidade aos estudos no caso de algum imprevisto com o responsável financeiro do estudante. Isso sem falar que livra o estabelecimento educacional de altos índices de inadimplência”, resumiu. 

Quando os contratos são mais abrangentes, o estudante tem também atendimento emergencial em casos de acidentes, doenças ou intervenção cirúrgica e acontecimentos súbitos e imprevistos em situações de remoção de emergência, remoção inter-hospitalar, retorno à residência após alta hospitalar, assistência paramédica domiciliar, transporte para frequência às aulas, transporte para tratamento fisioterápico, aulas em casa, locação de aparelhos ortopédicos e hospitalares. 

Marista adota 

seguro há 16 anos

O funcionário público e empresário Cleverton Oliveira matriculou sua filha, a pequena Maria Letícia Oliveira, de 7 anos, há quatro anos no Marista e disse que todos os atrativos da escola foram importantes para a escolha da família.  

No entanto, o fator determinante foi o seguro educacional ofertado pela escola, uma das mais tradicionais do estado e pioneira em disponibilizar essa garantia aos pais e alunos. 

“Minha filha caiu durante uma atividade física, machucou o braço que ficou dois meses imobilizado. Claro que a escola ligou para mim e para minha esposa para nos avisar do ocorrido, mas enquanto éramos informados pelo telefone, outra equipe da escola já estava providenciando, através do seguro educacional, todo o atendimento médico-hospitalar necessário a nossa pequena. Fomos muito bem assistidos. Tivemos todo o apoio da escola e não tivemos custo nenhum. O custo benefício com o seguro educacional é deveras compensador. Quando deixamos nossos filhos na escola, entregamos ao estabelecimento nosso maior bem e é muito tranquilizador saber que nosso maior tesouro está a salvo de qualquer situação que fuja à normalidade”, detalhou.

O diretor do Marista, Irmão Humberto Gondim, disse que o Marista oferece esse diferencial há 16 anos. “Desde então, nosso maior bem, o aluno, tem toda assistência necessária para dar continuidade aos estudos com segurança. Segurança financeira e física, inclusive. Investimos no nosso maior patrimônio, a proteção da vida do aluno”, concluiu.  

Fenacor destaca crescimento do setor

O seguro educacional cresce em todo o Brasil. De acordo com o presidente da Fenacor – Federação Nacional dos Corretores de Seguros Privados e de Resseguros, de Capitalização, de Previdência Privada, das Empresas Corretoras de Seguros e de Resseguros – Armando Vergilio, o produto tem grande potencial e pode chegar a um mercado que atenderá mais de 7 milhões de alunos matriculados no Ensino Fundamental e no Médio, além de 4,5 milhões de universitários em todo o país.

“Com a crise econômica, os responsáveis procuram meios de proteger a educação dos filhos de algum tipo de adversidade. E para os corretores, é uma nova oportunidade de negócios, tendo em vista os números do público-alvo”, analisou Armando Vergilio, destacando que o segmento atinge famílias de todos os níveis sociais.

O seguro educacional está inserido na categoria de “seguros para pessoas”, nesta ocupa a sexta posição movimentando, no primeiro semestre de 2016, R$ 22 milhões em novos contratos – um crescimento de 79,5% em relação ao primeiro semestre de 2015, segundo dados oficiais da Superintendência de Seguros Privados – Susep.

De uma forma ampla, o presidente da Fenacor frisou que há opções como cobertura básica, que abrange somente a série atual que o aluno está cursando, mas que a apólice pode cobrir ainda todo o ciclo escolar ou do primeiro ao último ciclo oferecido pela instituição de ensino. Não há limite quanto ao prazo de cobertura em caso de morte ou invalidez do responsável financeiro. Na hipótese de perda de renda ou desemprego, a apólice cobre de três a seis mensalidades escolares.

Ele também explicou que conforme o perfil do cliente há benefícios adicionais. O seguro educacional pode cobrir desde a assistência emergencial ao aluno em caso de acidentes e imprevistos até o transporte para tratamentos fisioterápicos e comparecimento às aulas. Pode haver também carteirinha escolar opcional, com a identificação do aluno e telefones para atendimentos 24 horas, e auxílio na recolocação profissional, em caso de perda de renda por desemprego. Também há opções de auxílio para despesas com funeral do aluno ou responsável.

 Isso sem falar, acrescentou Armando Vergilio, que o seguro educacional é uma ferramenta adicional para garantir o pagamento de mensalidades, em caso de desemprego, morte ou invalidez permanente do responsável financeiro do contrato.

Trata-se de um fator de proteção social e uma garantia de continuidade dos estudos. Em tempos de crise e de incertezas na economia, o seguro educacional atrai um número cada vez maior de escolas, universidades e pais de alunos, como ferramenta contra a inadimplência.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia