Acompanhe nas redes sociais:

21 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 888 / 2016

11/09/2016 - 16:56:21

Meio Ambiente

Da Redação

Elefantes africanos

A caça tem impulsionado um grande declínio de elefantes nas savanas africanas. Segundo um censo inédito, 30% da espécie foi dizimada entre 2007 e 2014. Neste período, 144 mil animais foram assassinados em 15 países africanos, o que representa uma diminuição de 8% ao ano. Somente em 2014, cerca de 20 mil deles foram mortos por suas presas de marfim, o que é um ritmo mais acelerado do que a taxa de nascimento dos animais. A perda de habitat, conflitos com humanos, conflitos armados e de mineração representam outras ameaças para os animais.

Nova espécie 

A equipe da unidade de conservação do Parque Estadual Serra Verde (MG) encontrou um filhote de ouriço-cacheiro (Sphiggurus villosus). A espécie até o momento não havia sido registrada na área. Com isto, a lista de espécies que vivem e são protegidas pelo parque estadual sobe para 12. O ouriço é um mamífero com hábitos noturnos e arborículas. O filhote ainda em desenvolvimento não apresenta os espinhos longos, que com o tempo se desenvolverão para formar um verdadeiro “escudo”. 

Besouro-das-perobas

Cientistas da Universidade Federal do Paraná (UFPR) descobriram uma nova espécie de besouro na Reserva Biológica (Rebio) das Perobas no noroeste do Paraná. A espécie, batizada como Microlinus perobanus em referência à Reserva das Perobas, faz parte da família dos estafilinídeos. Popularmente já está sendo chamado de besouro-das-perobas. Esses pequenos besouros medem cerca de 2,5 mm e foram coletados na serapilheira (material composto principalmente de folhas secas e em decomposição sobre o solo das florestas). Apesar de não serem conhecidas suas interações com outras espécies e com o ambiente, certamente o besouro-das-perobas tem papel na manutenção do equilíbrio do ecossistema em que habita.

Piscina do amor

Técnicos do Instituto do Meio Ambiente de Alagoas (IMA) e professores de Universidade Federal de Alagoas (Ufal) identificaram três espécies de peixe ameaçadas de extinção na Piscina do Amor, localizada na enseada da Pajuçara, em Maceió. Antes comuns nos recifes alagoanos, o Mero, o Neon e o Grama Brasileiro, espécies encontradas pela equipe, foram pescados até a sua quase extinção dos recifes costeiros e piscinas naturais de todo o Brasil. Para o estudo e a proteção dos peixes, a equipe usou a técnica de foto-identificação. Os biólogos contam com a parceria do Instituto Mero do Brasil para continuar com o monitoramento dos peixe naquela região.

Panda gigante

Na lista Vermelha de Espécies Ameaçadas, o panda gigante perdeu o status de “criticamente ameaçado” de extinção para “vulnerável”. Segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), a população da espécie cresceu 17% entre 2004 e 2014, atingindo 1.864 pandas gigantes em estado selvagem na China. A criação de um sistema de áreas protegidas e ações de reflorestamento foram essenciais para conter a perda de habitat: hoje, há 67 reservas naquele país, que protegem 67% da população, somando cerca de 1,4 milhão de hectares.

Multa a caçador

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) multou o caçador Júlio César da Silva em R$ 494 mil. Silva é considerado o maior caçador de grandes felinos do país. Durante as buscas em seu domicílio, agentes do Ibama encontraram peles completas, cabeças, crânios e patas de onças e outros felinos, além de aves silvestres mantidas em cativeiro. De acordo com o órgão ambiental, pelo menos 20 animais foram abatidos: 16 onças (Panthera onca), duas suçuaranas (Puma concolor), uma jaguatirica (Leopardus pardalis) e um jacaré (Caimam sp.).

Corrupto do mar

O corrupto é um crustáceo decápode, que pertence à família Callianassidae, mede até 30 centímetros de comprimento e tem esse nome pois não aparece e é difícil de capturar.

O corrupto vive nas praias e é uma excelente isca para peixes marinhos. Sua captura é feita durante a maré baixa, com o recurso a uma bomba caseira feita de canos de PVC e uma borracha interna. Para capturá-lo, põe-se a bomba em cima dos pequenos buracos que aparecem na areia suja depois que a onda passar e sugar através do equipamento.

Quase extintos 

Um quelônio (animal com casco) brasileiro, o cágado-de-hogei, ou cágado-do-Paraíba (Mesoclemmys hogei), foi classificado como criticamente ameaçado na nova lista vermelha de espécies ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN). O cágado-de-hogei vive em áreas baixas do rio Paraíba e vem sendo afetado pela destruição de habitat. Criticamente ameaçado é o último passo antes de ser considerado extinto na natureza. Também estão próximos da extinção o gorila ocidental e os orangotangos de Borneo e de Sumatra. Chimpanzé e bonobos são os animais mais próximos dos seres humanos na linha evolutiva que estão na categoria em perigo.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia