Acompanhe nas redes sociais:

14 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 888 / 2016

09/09/2016 - 06:43:34

Sindicato dos Músicos pode ser comandado por forasteiros

Ministério Público do Trabalho deve apurar irregularidades em eleição

João Mousinho [email protected]
Cícero Filho questiona eleição anunciada por Gervásio Braz e que teria por objetivo eleger Asinha, desconhecido no meio musical

O meio sindical sempre foi marcado por lutas de categorias e embates entre o setor patronal e os trabalhadores. Mas o que se vê hoje são sindicatos cartoriais que servem apenas para locupletar seus membros diretivos com a famigerada receita da Carta Sindical e da contribuição de seus filiados. O Sindicato dos Músicos de Alagoas se manteve acéfalo por anos e no mês de agosto centenas de profissionais se surpreenderam com uma publicação no Diário Oficial. 

Gervásio Braz Bezerra publicou, como presidente provisório do Sindicato dos Músicos de Alagoas, no Diário Oficial do Estado “Assembleia geral ordinária a realizar-se nos dias 19 e 20 de setembro de 2016, na Rua do Comércio, 632, segundo andar, Centro, Maceió-AL, para eleição e posse da nova diretoria”. 

Após a publicação no DO uma gama de artistas entraram em contato com o senhor Gervásio Braz Bezerra para que ele esclarecesse o modus operadi e sua prerrogativa para convocar a eleição do sindicato. Uma reunião foi agendada e realizada no Espaço Linda Mascarenhas na última segunda-feira, 5, e vários pontos polêmicos ficaram no ar. 

Mais de 30 músicos e os dirigentes da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Sinval Costa e Robson Câmara, marcaram presença no encontro além de Gervásio Braz, Jeania Braz e Asinha.  No encontro Braz fez suas ponderações e destacou que como diretor provisório teria autonomia para convocar a eleição, já que a entidade estava com a vacância da presidência desde 2015. 

Vale ressaltar que Braz é presidente da Ordem dos Músicos do Brasil em Alagoas e o local marcado para as eleições, como aponta o Diário Oficial, é o mesmo onde funciona seu escritório, como pode ser comprovado pelo cartão que ele apresenta. Em contato com a reportagem do EXTRA, Braz disse que o sindicato não tinha dinheiro para manter uma sede e por amar música estaria ajudando o mesmo a ser reerguido.

Durante a reunião, o presidente da CTB em Alagoas, Sinval Costa, ressaltou que o referido edital está repleto de vícios e irregularidades. “Não houve convocação de assembleia para eleição da comissão eleitoral, não há abertura de prazo para inscrições de chapa, impugnação das mesmas”, alertou o dirigente sindical. 

Já Robson Câmara revelou que o caso foi levado para o Ministério Público do Trabalho. “É importante que o órgão ministerial tome conhecimento da forma que os ritos estão sendo realizados. O mais prudente seria a convocação de uma assembleia para saber quem está apto para votar e eleger a comissão eleitoral que irá nortear o processo de forma transparente”, enfatizou Câmara. 

Quem fez questão de se posicionar na reunião foi o músico e servidor do poder Judiciário Cícero Filho: “Não podemos aceitar que nosso sindicato seja comandado por pessoas que não são legitimamente reconhecidas pela categoria. Ao que sabemos existe uma chapa montada e uma manobra em curso para pessoas que nunca vimos como músicos serem nossos representantes”. 

Filho adiantou que os músicos devem se unir para que oportunistas não cheguem à direção do Sindicato dos Músicos. “Temos que estar atentos a esse processo e caso seja necessário judicializar essa questão para que as instâncias superiores tomem as medidas cabíveis e punam qualquer aventureiro que queira se aproveitar da nossa categoria, que já possui tantas dificuldades”, expôs o músico. 

Visivelmente alterado, o cidadão que se identificou como Asinha disse na reunião no Espaço Linda Mascarenhas que existe uma chapa montada e que será eleita. Asinha colocou que é o candidato a presidente e que não abre mão de sua candidatura por estar lutando por esse objeto há muitos anos. 

Dezenas de músicos se questionaram quem era Asinha? Da onde ele veio? Que instrumento toca? Em que ambiente já trabalhou ou trabalha como músico? Sem repostas convincentes, Asinha preferiu dizer que está “pelo interior” e vende shows de alguns artistas locais. 

Em companhia de Asinha e Gervásio Braz Bezerra, Jeania Braz que disse que é membro da diretoria que concorrerá à eleição do Sindicato dos Músicos, mesmo não sendo reconhecida como membro da categoria, indagou aos presentes: “Como vocês querem união questionando essas coisas e levando o caso ao Ministério Público do Trabalho?”

Jeania é esposa de Gervásio Braz, o membro da Ordem dos Músicos que tem o escritório onde será a eleição e diz estar ajudando financeiramente o Sindicato dos Músicos por amar a música, a arte.  O caso repleto de polêmicas e obscuridade em seus atos deve levar a sanções por parte do MPT. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia