Acompanhe nas redes sociais:

15 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 887 / 2016

10/09/2016 - 07:56:25

Perspectiva para trilhar novo caminho

Matheus Henrique é aluno do Programa Alagoano de Ensino Integral da rede pública estadual que contempla 17 escolas

Lucas Leite
Escola Marcos Antônio tem atualmete 342 alunos no ensino integral

A educação abre janelas, constrói pontes e faz as pessoas trilharem novos caminhos. E é por nova educação, que o governo de Alagoas, através da Secretaria de Estado da Educação (Seduc), tem trabalhado por melhorias para os estudantes da rede pública. 

 Entre os programas iniciados pelo Estado, está o Programa Alagoano de Ensino Integral, que contemplou, em  um ano, 17 escolas, sendo 14 com cursos profissionalizantes e três de referências, que contempla diversos estudantes. Entre eles está Matheus Henrique dos Santos Teodozio, de 18 anos.

 Aluno da primeira unidade de ensino a adotar o programa, a Escola Estadual Marcos Antônio Cavalcante da Silva, localizada no Benedito Bentes, parte alta de Maceió. Matheus Henrique chama atenção dos professores e dos alunos pela dedicação dentro e fora das salas de aula. Isso porque o estudante tem que andar cerca de 30 minutos diariamente para chegar à unidade de ensino, onde deixa todos os problemas para trás e se abre para um novo mundo. Um mundo de oportunidades.

 Apesar de a Seduc disponibilizar ônibus escolares para todos os alunos, o veículo não chega à rua de barro onde Matheus mora, na região conhecida como Alto da Alegria, uma área periférica do Benedito Bentes, devido aos becos e vielas estreitos. E, por isso, o estudante sai de casa, que divide com o tio e a avó, às 6h30, para trilhar um novo caminho.

 Sem desanimar, o aluno da escola Marcos Antônio sai de segunda a sábado com a mochila nas costas e um sorriso no rosto, municiado apenas dos sonhos. Ele afirma que, apesar de ter entrado em 2015 na unidade de ensino, ele está acostumado com o caminho, que faz há 10 anos para ter acesso a uma educação melhor.

 “Atualmente estou no 3º ano [do ensino médio] e penso em prestar vestibular para História, e ser um grande pesquisador. Vim para a Marcos Antônio por indicação de pessoas falavam bem do local e, quando cheguei aqui, fui surpreendido positivamente. Consegui ingressar no ensino integral e aí tudo ficou ainda melhor”, explica Matheus Henrique.

 Tímido, o jovem chega à escola e conversa com o grupo de poucos amigos, onde falam sobre os novos projetos. O papo muda e logo os adolescentes começam a rir alto, isso até o sinal tocar: hora de ir para sala de aula e deixar outro sentimento tomar conta destes jovens, a concentração.

 Fixado no quadro branco, Matheus e os 16 colegas de classe prestam atenção em cada ensinamento passado pelo professor, tiram dúvidas e participam ativamente da aula. Entre as dinâmicas e atividades, eles esquecem todas as cobranças e responsabilidades e, lentamente, voltam àquilo que nunca deveriam ter deixado de ser: adolescentes.

 Ao final das duas primeiras aulas, às 9h, todos os estudantes voltam ao pátio central da escola, é hora de uma das várias refeições distribuídas aos estudantes durante o dia. Apenas a professora de espanhol, Marthina Emanoela da Silva Santos fica na sala, e não economiza elogios ao estudante e ao ensino integral.

 “O Matheus é muito tranquilo, é sempre atento e faz todas as atividades. Quando ele não se sai bem em alguma avaliação, a atenção redobra, e ele sempre consegue recuperar a nota. Devido ao tempo integral, nós passamos o dia todo com os alunos, e acabamos criando um vínculo com eles, isso é muito vantajoso. Eles sempre trazem problemas e, por criarmos uma afinidade maior, eu sempre os aconselho. É muito gratificante”, diz Marthina.

 A diretora da escola, Adenilma Maria Brandão dos Santos explica que, em quase um ano e meio da implementação do ensino integral, 342 jovens participam do programa, que ela classifica como um sonho e uma realização profissional.

 “Desde que o programa chegou, a diferença é total. No início todo mundo sentiu a carga horária, mas o programa é um sonho, é totalmente inovador. Com ele, temos a oportunidade de conhecer melhor os alunos. Além disso, podemos dividir as responsabilidade entre os profissionais”, explica Adenilma brandão.

 A diretora da Escola Estadual Marcos Antônio explica ainda que a comunidade é muito participativa nos eventos escolares, e que a procura de alunos para se matricular na escola só aumentou, pois ela se tornou uma referência na região. Ela ressalta ainda o bom comportamento dos estudantes, que não danificaram nenhum material escolar durante o ano letivo de 2015.

 “Os professores perceberam que à tarde, após o almoço e o banho, o rendimento dos alunos diminui por isso outra dinâmica é adotada. Os professores se reinventam para melhorar o conteúdo. Conquistar tudo isso não é fácil. Tivemos que fazer a população e a equipe acreditarem no projeto. Nós demos o primeiro passo, muito importante, não podemos parar”, afirma a gestora educacional.

 Entre uma aula e outra, ensaios para apresentações culturais são realizados, grupos de estudos são formados e as horas passam a fio nas viradas do relógio. 

São 17h30, e a multidão de alunos se prepara para cruzar o portão de saída. Mais uma vez, Matheus está no meio. 

 Ele não segue sozinho, vai acompanhado de vários amigos, troca a mochila por uma bagagem cheia de sonhos. O caminho para a casa e para os objetivos ainda é longo, mas agora ele está um passo mais adiante de tudo isso. Matheus continua pronto para mais um dia.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia