Acompanhe nas redes sociais:

24 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 886 / 2016

28/08/2016 - 09:29:27

Meio Ambiente

Da Redação

A praga Coral-sol 

Integrantes da equipe do Gerenciamento Costeiro do Instituto do Meio Ambiente de Alagoas (IMA-AL) discutem medidas de prevenção e controle da invasão do coral-sol na costa alagoana. O coral-sol (Tubastraea spp.) é um invasor marinho que está ameaçando a biodiversidade da zona costeira brasileira. Extremamente ameaçador, ele pode provocar impactos graves, como a destruição de bancos recifais e conseqüente aceleração do avanço do mar. Para evitar que a espécie chegue à costa alagoana, um grupo formado por representantes de órgãos ambientais e de fiscalização vem realizando ações preventivas em navios-sonda e plataformas de petróleo que chegam ao estado.

Santuário das Baleias                    do Atlântico Sul

O Brasil precisa de apenas de quatro votos para que a proposta de criação do Santuário das Baleias do Atlântico Sul vire realidade. Ainda este ano, a Comissão Internacional Baleeira (CIB) discutirá, mais uma vez, a formação de uma zona livre de caça de cetáceos e os apoiadores da proposta esperam conseguir aprovar a medida. Aproximadamente 71% das baleias caçadas no mundo foram mortas no hemisfério sul. Baleias fin, cachalote, azul, jubarte, sei, franca e minke foram as espécies mais caçadas no Oceano Austral (Atlântico Sul e a Antártida). Todas são consideradas ameaçadas de extinção mundialmente ou no Brasil. O santuário visa manter ou aumentar os níveis dos estoques das diferentes espécies de baleias que ocorrem na região, aliviando ameaças para essas populações.

SOS Terras Indígenas

Incêndios florestais atingem duas áreas protegidas na Amazônia: a Kuarup, no Parque Indígena do Xingu, em Mato Grosso, e a Awá II, na Terra Indígena Arariboia, no Maranhão. Na Arariboia, o fogo atingiu mais de 41 mil hectares, aproximadamente 10% da reserva. De acordo com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), as chuvas que atingiram parte das regiões Norte e Centro-Oeste, nos últimos dias, foram insuficientes para acabar com o fogo. A tendência é que a massa de ar seco volte a se formar no centro do país, mant endo a umidade baixa até o final de setembro, piorando o cenário.

52 Hertz 

O 52 Hertz, cetáceo que recebeu esta denominação em função da distinta frequência de seu apelo, pertence a uma desconhecida espécie não identificada. De acordo com cientistas, ela não tem família nem grupo, nem jamais teve um parceiro sequer. E segue vagando, desde 1989 ao menos (quando foi descoberta), chamando pela companhia que jamais chega. Sua existência foi descoberta pela marinha americana, monitorando potenciais inimigos. A razão de sua solidão é que enquanto as outras baleias emitem seu canto em uma frequência entre 12hz e 25hz, ela canta em um grave inaudível para suas semelhantes, à baixíssima altura de 52hz – mais grave que a mais grave nota de uma tuba. Assim, as baleias simplesmente não são capazes de escutar seu clamor.

Volta para casa

Na última terça-feira (23), pelo menos cinquenta papagaios foram devolvidos à natureza no sertão nordestino. As aves foram resgatadas ao longo das obras do Projeto de Integração do Rio São Francisco pelo Centro de Conservação e Manejo de Fauna da Caatinga (Cemafauna) e vão se juntar a outros 116 mil animais já reabilitados e reintegrados à vida selvagem. O trabalho realizado pelo Cemafauna já resgatou mais de 133 mil animais de várias espécies.

Consumo sem consciência

Os recursos naturais estão sendo consumidos de maneira irresponsável e voraz. Se a população global de fato chegar a 9,6 bilhões em 2050, serão necessários quase três planetas Terra para proporcionar os recursos naturais necessários a fim de manter o atual estilo de vida da humanidade, segundo o Banco Mundial. A voracidade com que se utiliza tais recursos fez as Nações Unidas incluírem o consumo em sua discussão sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) para 2030. Para se ter uma ideia, o  latinoamericano produz até 14kg de lixo por dia, dos quais 90% poderiam ser reciclados ou tran

Coruja-preta 

A coruja-preta (Strix huhula) é uma coruja da família dos estrigídeos que ocorre da Venezuela ao Paraguai, Argentina e em algumas regiões do Brasil, quase sempre em matas altas. Tais aves chegam a medir até 35 cm de comprimento, com plumagem negra com listras brancas, bico e tarsos amarelos. Também são conhecidas pelo nome de mocho-negro. A observação da coruja-preta é atividade difícil, dados seus hábitos noturnos. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia