Acompanhe nas redes sociais:

16 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 884 / 2016

16/08/2016 - 10:49:27

Como os celulares estão mudando nossas relações

Jânio Fernandes

O uso do telefone celular vem ultrapassando os limites no contexto familiar e nas relações de trabalho. Os celulares estão em toda parte em nossa vida diária. Sem dúvida já é um complemento a mais no vestuário moderno. Mas sem dúvida um acessório desconfortável, isso porque o celular está se tornando uma má companhia. Seguramente muitas pessoas preferem sair de casa esquecendo alguma coisa, mas nunca o seu telefone celular. Estranhamente toda vez que alguém dedica atenção ao aparelho fica longe das pessoas. Logo esse aparelho, que em tese deveria aproximar, distancia os indivíduos - ou, pelo menos, diminui a comunicação olho no olho. 

Esse é um paradoxo moderno bastante curioso: os celulares nos aproximam das pessoas que estão longe, mas, às vezes, nos isolam de quem está perto. De modo que está se tornando um dos principais obstáculos para a comunicação interpessoal. 

É difícil encontrar alguém, nos dias de hoje, sem o seu querido telefone móvel. Por onde você anda, lá está ele sendo levado na mão como se fosse um sexto dedo. Tem sempre um celular grudado ao ouvido ou soando no bolso da calça de alguém. Quase ninguém quer se separar de seu dispositivo. É como se algo terrível fosse acontecer caso ele tocasse e não tivesse ninguém para atender. Todos nós já nos sentimos rejeitados quando, no meio da conversa, alguém prefere atender ao telefone, em vez de ignorá-lo. A mensagem é clara: quem está longe é muito mais importante para quem atende a ligação, ou responde à mensagem, do que você. Desajeitadamente, quando alguém que conversava com você atende a uma ligação no meio da conversa, é como estivesse dizendo que ela não está presente 100% com você. Para alguns, o simples fato de pensar que tem que separar-se do seu amado celular durante alguns minutos provoca suor frio. 

Os smartphones estão em todos os lugares da nossa vida diária: no carro, no banheiro e sobre a mesa onde comemos. É impossível negar que comer com o celular na mão é um hábito extremamente grosseiro. Utilizar o celular na mesa não é apenas um costume feio (e quase anti-higiênico) mas também significa uma completa ausência de boas maneiras. Não seria má educação trocar a atenção da boa conversa com as pessoas que estão à mesa para dedicar atenção à tela destes aparelhos?

Esta invasão, lamentavelmente, é aceita livremente por quase todos. Em muitas ocasiões o telefone celular, colocado sobre a mesa, chega a parecer um item de decoração ou um talher a mais. Acredito que se deve colocar certas regras ou orientações para usar o telefone celular quando nos sentamos à mesa. O mais importante, como na maioria dos casos, é utilizar um pouco de bom senso e de boas maneiras. Usar o telefone celular, exceto para questões urgentes e bem justificadas, jamais deveria ocorrer durante as refeições. No caso de o telefone permanecer ligado, a melhor opção é deixá-lo no silencioso (ou na opção vibrar), para que não incomode aos demais. 

Não devemos deixar o telefone sobre a mesa. O ideal seria deixá-lo na bolsa, no bolso do paletó, na pasta de trabalho, mas nunca sobre a mesa. Se o telefone tocar, por não ter sido desligado, pode atender e adiar a conversa para um momento mais oportuno, ou não atender a ligação se não for urgente. O mais conveniente, porém, seria desligar o aparelho para evitar novas interrupções. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia