Acompanhe nas redes sociais:

20 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 884 / 2016

11/08/2016 - 18:13:44

PSDB e PMDB polarizam disputa em Maceió

Maior número de vereadores deve sair das frentes de Rui e Almeida

João Mousinho [email protected]

Na próxima terça-feira, 16, começa para valer as eleições para vereador e prefeito em Alagoas, já que a data refere-se à liberação da propaganda eleitoral. As regras para divulgações para e rádio e TV são as seguintes: no rádio, a propaganda será transmitida das 7h às 7h10 e das 12h às 12h10; na televisão, os candidatos vão se apresentar das 13h às 13h10 e das 20h30 às 20h40.

O atual modelo imposto pela Justiça Eleitoral limitou o número de coligações, pois o maior número de partidos aglutina, consequentemente, o maior tempo de rádio e TV tão decisivos numa campanha curta e com gastos cada vez mais limitados. Para se ter uma ideia, os candidatos a prefeito de Maceió têm teto de R$ 4,5 milhões para campanha. E num eventual segundo turno na capital, os candidatos poderão gastar  apenas R$ 1,3 milhão. 

Concorrem ao pleito majoritário em Maceió com os gastos mencionados: Rui Palmeira (PSDB), Cícero Almeida (PMDB), JHC (PSB), Paulão (PT), Paulo Memória (PTC), Gustavo Pessoa (PSOL) e Paulo Falcão (PSTU). Segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) os seis candidatos irão disputar a preferência de 579.962 eleitores. 

O último censo do IBGE desatacou que Maceió possui 1.013.773 habitantes. No último pleito em 2012, Rui Palmeira foi eleito com 230.129 votos, venceu no primeiro turno com 57,41% dos votos válidos. Na época, o segundo colocado foi Jurandir Boia com 50.874 votos, com 12,69% da aprovação popular. 

Já quando se fala de eleições proporcionais em Maceió, o xadrez ficou polarizado entre a coligação comandada pelo PSDB e PMDB, formando assim dois “chapões”. Para um vereador se eleger sem o famigerado quociente eleitoral precisa ter sozinho pouco mais de 21 mil votos. Atualmente a Câmara de Maceió não possui nenhum parlamentar que tenha alcançado a façanha em 2012. 

Vale lembrar que a vereadora mais votada em Maceió foi Heloisa Helena que na época obteve 19.216 votos, o que representa 4,65% do eleitorado da capital; já a menos votada eleita foi Simone Andrade com 3.173 votos e graças a sua coligação conseguiu êxito. Assim como os recursos financeiros reduzidos na campanha majoritária, o limite de gastos para uma campanha de vereador em Maceió é de R$ 220.429,76, podendo contratar até 238 pessoas.

Quem pode

chegar lá

Cientistas políticos e analistas acreditam que o número “mágico” do quociente eleitoral só deve ser alcançado e superado por três frentes: a primeira, PSDB, PDT, PR, PROS, DEM e PSS; a segunda, PMDB, PSD, PRB, PSC e PCdoB; a última frente seria, PV, PRTB, PTN e PTB. 

Pelos cálculos e pesquisas de bastidores, alguns matemáticos da política alagoana cravam que a frente do prefeito Rui Palmeira para a Câmara pode fazer até 12 vereadores em Maceió e as outras frentes que apoiam Cícero Almeida pelo menos 9.  As estatísticas dão conta de que a composição do PMDB, PSD, PRB, PSC e PCdoB deve fazer de 7 a 8  e a PV, PRTB, PTN e PTB de 1 a 2 vereadores. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia