Acompanhe nas redes sociais:

23 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 883 / 2016

04/08/2016 - 21:03:45

Tutmés Airan pode decidir retorno de Celso Luiz em Canapi

Disputa pelo poder no Sertão está nas mãos do Poder Judiciário

João Mousinho [email protected]
Desembargador Tutmés Airan é quem irá decidir se Celso Luiz reassume ou não o cargo de prefeito de Canapi

O prefeito afastado de Canapi, Celso Luiz (PMDB), está fazendo de tudo para voltar ao cargo que ocupava. Ele foi visto rondando as dependências do Tribunal de Justiça (TJ) na tentativa de articular seu retorno. No início da semana, Celso conseguiu esvaziar a Câmara Municipal para impedir que o vice-prefeito Genaldo Soares Vieira (PTdoB) tomasse posse. Soares só conseguiu chegar ao cargo na última quarta-feira, 3, devido a uma determinação judicial. 

A preocupação de Celso Luiz  é com a eleição em três municípios: a reeleição dele em Canapi, do filho Luiz Pedro  em Mata Grande e a do irmão Tenorinho Malta, na cidade Inhapi. O “Triângulo das Bermudas” como a Polícia Federal (PF) batizou a operação que desvendou o desvio de R$ 11 milhões das contas da educação. O dinheiro saqueado estava bancando as três campanhas, principalmente em Mata Grande. A operação desbaratou sua tentativa de manter o monopólio político no Sertão. 

O mandado de segurança e agravo de instrumento que afastou  Celso Luiz  se encontra no  TJ,  na mesa do desembargador Tutmés Airan. Celso Luiz de forma célere ingressou com liminar para tentar reverter a situação. O prefeito afastado desafiou a Justiça e garantiu que vai mostrar que volta ao cargo, como garantiu correligionários. 

A reportagem do Jornal EXTRA apurou que o juiz João Dirceu que afastou Celso Luiz  do cargo pode sofrer transferência a qualquer momento da comarca. A motivação seria a influência de Celso para não ter o magistrado como empecilho, devido sua atuação incisiva em combate à corrupção. 

O prefeito interino, Genaldo Vieira, anunciou na  posse que irá realizar uma auditoria e colaborar nos trabalhos de investigação da Polícia Federal, do Ministério Público Estadual e do Federal para esclarecer as irregularidades na administração de Celso Luiz. Vieira adiantou que vai demitir pessoas que recebem sem trabalhar, prática do prefeito afastado.  “Vamos fazer  uma boa gestão e tirar Canapi do vermelho”, disse. 

Celso Luiz, o 

chefe da quadrilha 

A Justiça determinou o afastamento do prefeito de Canapi, Celso Luiz, após a operação deflagrada pelo Grupo Estadual de Combate às Organizações Criminosas e a Polícia Federal que o conduziu coercitivamente para a sede da superintendência, no bairro do Poço, em Maceió, para prestar depoimento. Ele é acusado de liderar um esquema que teria desviado pelo menos R$ 10 milhões dos cofres públicos da cidade sertaneja. 

A decisão do juiz João Dirceu Soares, da Comarca de Mata Grande, também determinou o afastamento do cargo de servidores públicos municipais que estariam envolvidos no esquema criminoso. Todos eles tiveram os bens bloqueados pela Justiça. 

Estima-se que mais de R$ 10 milhões provenientes de recursos da União sumiram dos cofres públicos do município entre os anos de 2015 e 2016. Canapi tem um orçamento de R$ 40 milhões, ou seja, cerca de 1/4 do orçamento anual teria sido saqueado pelos membros do esquema. 

Foi identificado também durante as investigações, através da quebra de sigilo bancário, que o município transferia dinheiro para dois secretários municipais, o de Assuntos Estratégicos, Jorge Valença Alves Neto, e o de Finanças, Carlos Alberto dos Anjos Silva. Também estariam envolvidos no esquema o Controlador Interno da Prefeitura de Canapi, Francisco Barbosa da Silva, o chefe de divisão de Execução Orçamentária da prefeitura, Chaplin Iachdneh Varejão Pascoal R. de Oliveira, e a servidora pública Lucileide Canuto dos Anjos Silva. 

A operação foi batizada de Operação Triângulo das Bermudas, referente a uma região onde ocorre o desaparecimento misterioso, repentino de aeronaves e navios, tal como ocorre em Canapi, com o dinheiro público. Todos envolvidos foram indiciados por apropriação indébita, peculato, lavagem de dinheiro e associação criminosa. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia