Acompanhe nas redes sociais:

23 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 882 / 2016

01/08/2016 - 08:47:51

Sururu

Choro dos candidatos

Da Redação

1 - Os políticos de todo o país estão reclamando dos baixos valores dos gastos de campanha para prefeito e vereador, definidos pelo Tribunal Superior Eleitoral para a eleição deste ano. 

2 – Eles esquecem que o teto foi estabelecido pelo TSE com base no registro de gastos da última eleição municipal. Valores estes declarados pelos próprios candidatos em 2012. 

3 – Ocorre que os gastos de campanha declarados até então erram valores simbólicos, quase nada, comparados à montanha de dinheiro “investida” em cada eleição. 

4 – Para esconder a prática de caixa 2 e escapar de processos eleitorais os candidatos registravam o mínimo possível de gastos de campanha e às vezes nem atingiam o limite definido pela Justiça eleitoral.

5 – Esses valores foram transformados em teto de gastos para a eleição deste ano, com o agravante de que a fiscalização será bem mais rígida. Agora os políticos não podem reclamar do leite derramado. 

6 - Pela tabela do TSE, metade dos candidatos a prefeito em Alagoas só poderá gastar até R$ 108 mil, enquanto os candidatos a vereador não podem gastar mais de R$ 10 mil. Na outra metade dos municípios os candidatos podem gastar um pouco mais. 

7 - Na Capital, os candidatos a prefeito só podem gastar até o limite máximo de R$ 4,5 milhões, enquanto os vereadores não podem passar de R$ 220 mil. Se for para levar a sério, com esse dinheiro ninguém se elegerá vereador em Maceió na próxima eleição. 

8 – São Miguel dos Campos (38 mil eleitores) terá o segundo maior teto de gastos, com R$ 2,3 milhões para o candidato a prefeito e R$ 62 mil para vereador. Depois vem Arapiraca (136 mil eleitores) com teto de gastos de R$ 1,9 milhão para prefeito e R$ 83 mil para vereador. 

Compra-se voto

Os candidatos a prefeito ainda nem foram oficializados e os compradores de votos já entraram em ação. Estão pagando R$ 150,00 por voto, sendo metade à vista e o restante logo após a votação. 

Para receber os R$ 75,00 da entrada o eleitor é obrigado a entregar ao aliciador o comprovante de votação da última eleição.  Os outros R$ 75,00 serão pagos mediante apresentação do comprovante de votação. 

Pelo visto o Ministério Público e a Polícia Federal vão ter muito trabalho para pegar os criminosos.

O jatinho de Eduardo Campos

A PF indiciou 20 pessoas nas investigações sobre o jatinho em que morreu Eduardo Campos, informa o Correio Braziliense.

Apontados como compradores do jato, João Carlos Lyra Mello Filho, Eduardo Freire e Apolo Santana Vieira são acusados de organização criminosa, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.

Segundo a delegada Andréa Pinho Albuquerque, os três eram os “principais integrantes” do esquema de arrecadação de recursos ilícitos para Campos e para o senador Fernando Bezerra. (O Antagonista). 

Delação premiada

“Quando não for comprovada e for vazada para constranger, com o réu preso, com as contas bloqueadas e a família desesperada, a delação premiada precisa ser anulada”.  Renan Calheiros 

Vale a pena roubar

O presidente do STF, Ricardo Lewandowski, suspendeu a prisão de um prefeito paraibano condenado a perda do cargo por corrupção. Com a medida, o ministro contrariou entendimento do próprio Supremo que autorizou o cumprimento de pena após decisão de segunda instância. 

Aviso aos 

navegantes

1O Superior Tribunal de Justiça decidiu que prefeituras não podem contratar escritório de advocacia sem licitação. Com isso, o STJ acolhe o argumento do MP sobre a questão: “Patrocínio de causas genéricas não exige notória especialização que justifique a inexigibilidade de licitação”. 

2Em outra decisão, o STJ entende que os municípios são os legítimos responsáveis pela regularização de loteamentos urbanos irregulares. “É pacífico o entendimento desta Corte Superior de que o Município tem o poder-dever de agir para fiscalizar e regularizar loteamento irregular, pois é o responsável pelo parcelamento, uso e ocupação do solo urbano, atividade essa que é vinculada, e não discricionária”.

Trabuco vira réu

O juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara da Justiça Federal em Brasília, aceitou denúncia do MPF contra o presidente do Bradesco e mais nove pessoas por envolvimento em esquema de corrupção no Carf, informa a Coluna do Estadão.

A força-terefa da Operação Zelotes apresentou nessa quinta 28, mais denúncias, incluindo acusações contra executivos do banco de Luiz Carlos Trabuco.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia