Acompanhe nas redes sociais:

21 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 881 / 2016

22/07/2016 - 06:45:18

Renan Calheiros incentiva candidatura de Cícero Almeida

Vice-candidato da chapa do PMDB deve ser apresentado até o fim do mês

João Mousinho [email protected]
Principal liderança do PMDB, Renan Calheiros coordena articulações para garantir que partido eleja o maior número de prefeitos

Essa semana uma série de figurões da política alagoana estiveram reunidos num hotel na orla de Maceió para ouvir o posicionamento do senador Renan Calheiros (PMDB) em relação às eleições municipais no estado. Um dos principais focos dos peemedebistas é eleger os prefeitos de Maceió e Arapiraca, os dois maiores colégios eleitorais e que exercem influência decisiva no cenário político de 2018. 

Renan expressou cautela para os candidatos e as dificuldades econômicas que irão ocorrer, já que o financiamento empresarial das campanhas está vedado pela nova legislação eleitoral em vigor. Hoje o PMDB conta com 37 prefeitos, mas há em curso um plano para dobrar esse número no próximo pleito de outubro. 

O senador ainda destacou junto à imprensa que enxerga a pré-candidatura de Cícero Almeida (PMDB) com positiva, pois classificou o deputado federal como melhor prefeito que Maceió já teve nos últimos anos, por conta das suas obras, geração de empregos e a transformação estrutural na capital. O ex-prefeito ganha um aliado de peso. 

Quando questionado sobre a administração do prefeito Rui Palmeira e pré-candidato a reeleição, Calheiros preferiu se esquivar: “Acredito que o prefeito tem se esforçado, mas os problemas que as capitais enfrentam geram uma série de dificuldades para administrar”. Seguindo o tom do pai, o governador Renan Filho (PMDB) enfatizou que marcha com Cícero Almeida e seguirá com ele nas ruas. 

Quem também marcou presença no encontro foi o deputado estadual Galba Novaes (PMDB), que está sendo ventilado para compor a chapa majoritária com Cícero Almeida. “Ainda há muita coisa para ser decidida e analisada, não podemos nos precipitar nesse momento. Sou um nome, como no PMDB existem vários que podem ir para essa missão”, colocou o parlamentar. 

Outro Novaes que pode aparecer como surpresa é Galba Neto (PMDB). O vereador não faz parte da bancada de Rui e tem a simpatia do eleitorado da parte alta de Maceió. Os peemedebistas mais “tradicionais” defendem o nome do médico José Wanderley. A quem dê como certa a indicação do cardiologista até o fim do mês. 

Caso eleito, José Wanderley seria “os olhos” de Renan na administração de Almeida e uma espécie de garantia para a consolidação do seu apoio em 2018 para as reeleições de Renan Calheiros ao Senado e Renan Filho ao governo do Estado. As composições seguem a linha de raciocínio de Renan, a principal liderança desse grupo político que vem se formando. 

Sangria de Almeida

O Ministério Público Estadual de Alagoas entrou com a ação civil pública em novembro de 2010 contra o então prefeito de Maceió Cícero Almeida e mais 15 pessoas por ato de improbidade administrativa devido a irregularidades em contratos de limpeza urbana. O esquema foi denunciado em 2005 pelo então vereador Marcos Alves, falecido em 2011. O prejuízo aos cofres públicos foi estimado em R$ 200 milhões. Investigações realizadas pelo Ministério Público Estadual nos anos de 2005 e 2006 concluíram que, ao invés de realizar licitação para contratação da empresa encarregada da coleta de lixo na cidade, a prefeitura forjou a renúncia da Construtora Marquise S/A ao contrato vigente e fabricou uma emergência para justificar a celebração de contrato com a Viva Ambiental e Serviços Ltda. 

Almeida será julgado pelos crimes tipificados nos artigos 89 e 92 da Lei 8.666/93, arts. 319 e 359-D do Código Penal, além dos crimes de responsabilidade previstos nos incisos V e XI do art. 1º do Decreto-Lei n° 201 /67. O artigo 92 específica: “Admitir, possibilitar ou dar causa a qualquer modificação ou vantagem, inclusive prorrogação contratual, em favor do adjudicatário, durante a execução dos contratos celebrados com o Poder Público, sem autorização em lei, no ato convocatório da licitação ou nos respectivos instrumentos contratuais [...]”. 

Em plena eleição, o então candidato Cícero Almeida vai depor no dia 1 de setembro às 14 horas na 13ª Vara, em Maceió, como réu no processo em que é acusado do desvio de cerca de 200 milhões no caso denominado como a Máfia do Lixo. O interrogatório foi determinado pelo ministro Dias Toffoli, relator e que tem ainda como revisor o ministro Teori Zavascki. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia