Acompanhe nas redes sociais:

18 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 881 / 2016

22/07/2016 - 06:38:03

Disputa por Maceió provoca crise no Solidariedade

Diretório Municipal discorda da Executiva Nacional em apoiar Cícero Almeida

José Fernando Marins Especial para o EXTRA
Ex-prefeito Cícero Almeida é pivô da crise entre Executiva Nacional e o diretório do partido em Maceió

O Diretório Municipal do Solidariedade (SD) em Maceió prefere correr o risco de ser destituído do que apoiar o pré-candidato à prefeitura, o deputado federal Cícero Almeida (PMDB). Embora diga que respeita a decisão da cúpula nacional, o presidente do partido na capital, Albegemar Costa, mais conhecido como Gima, é enfático: seu voto vai para o candidato à reeleição, o prefeito Rui Palmeira (PSDB). “Tivemos quatro reuniões, duas em Brasília e duas em São Paulo, com o presidente nacional do partido, Paulinho da Força. Falamos que marcharíamos com o PSDB e recebemos esse aval. Até o próprio Rui Palmeira falou com Paulinho pelo telefone”, disse Gima à reportagem do EXTRA Alagoas. 

Tudo parecia estar combinado até informar a decisão para o Diretório Estadual do SD. “O presidente Elionaldo Magalhães não ficou satisfeito com a escolha. Mas, como ainda estávamos distantes da eleição não houve divergências. Isso até sabermos de uma reunião realizada no mês passado com Renan Calheiros e o diretório estadual da sigla para que o senador intervisse na decisão de Paulinho da Força. Não participei dessa reunião, mas fui informado do que aconteceu”. 

Já nesta semana veio a notícia do secretário-geral da Executiva Nacional, João Batista Inocentini: Paulinho (da Força) decidiu com Renan Calheiros que o diretório municipal deve marchar com o Cícero Almeida. “A convenção do partido está marcada para o dia 27 de julho e 99% do nosso diretório está com Rui Palmeira. Houve acordo político entre Renan e Paulinho que não sabemos qual é. Isso prejudicou totalmente os pré-candidatos que iriam sair pelo Solidariedade. Posso dizer que dos 15 candidatos a vereador, quase todos pensam em desistir da candidatura. Foi uma traição da Nacional com a gente”, desabafou.

De acordo com o vice-presidente do Diretório Municipal do SD, Thiago Cassimiro da Silva, a  determinação será cumprida em parte. “Houve essa mudança aos 45 minutos e não temos o que fazer. Nosso posicionamento é que independentemente de partido vamos apoiar a candidatura do Rui Palmeira, que não tem processo na justiça e já foi eleito o segundo melhor prefeito do Brasil. Mas, se o partido acha que o melhor para Maceió é defender alguém que está com ficha suja, que será ouvido pelo Supremo Tribunal Federal devido à Máfia do Lixo, não compactuaremos”. Um dos nomes fortes do partido é o ex- superintende municipal de Transporte e Trânsito de Maceió (SMTT), Tácio Melo, que pretende sair a vereador pelo SD dando apoio a Palmeira.

Almeida é acusado de participar de esquema de corrupção que resultou no desvio de R$ 200 milhões dos cofres públicos da capital alagoana. Além dele, mais cinco pessoas são suspeitas de terem beneficiado duas empresas contratadas sem licitação para prestar serviço de limpeza à Superintendência de Limpeza Urbana da Prefeitura de Maceió (Slum). O caso aconteceu em 2005. O Ministério Público Estadual (MPE) entrou com a ação civil pública em novembro de 2010 contra o ex-prefeito da capital e mais 15 pessoas por ato de improbidade administrativa.  Os desvios envolviam a pesagem do lixo, já que o material era pago por quilo todos os meses. 

“Vamos cumprir a determinação da nacional no que se trata da convenção. Quem irá decidir por Rui ou Cícero são os convencionais, os onze membros do diretório”, explicou. 

SEM SOLIDARIEDADE

Caso o Diretório Municipal desobedeça as ordens não é descartada uma destituição. “Pode ser que amanhã estejamos fora do partido já que estamos como provisórios. O partido tem o poder de tirar nossos nomes pelo site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em poucos minutos. Sabemos que se ficarmos com Rui Palmeira podemos ser destituídos de uma hora para outra”, destacou Gima. 

“O Solidariedade, em Alagoas teve vários donos durante o ano. Teve época que nem sabíamos quem era. Quando o João Inocentini veio a Maceió disse que teríamos total autonomia para fazermos nas nossas próprias coligações. Não importa o que aconteça, a direção municipal não ficará do lado do Cícero”, considerou Thiago Cassimiro.

Para o presidente do diretório estadual, Elionaldo Magalhães, todos têm o direito de escolher o apoio político de sua preferência. Porém, quando se trata de partidos políticos é necessário um consenso de ambas as partes. Como o caso do diretório municipal se trataria de uma desobediência, Magalhães sugeriu que a “atual executiva do SD, em Maceió, deixasse os cargos”.  A reportagem também entrou em contato com a assessoria de comunicação doa Executiva Nacional do Solidariedade e foi informada que “Cícero Almeida será apoiado pelo partido em Maceió”.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia