Acompanhe nas redes sociais:

25 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 880 / 2016

14/07/2016 - 18:42:08

Estelionatário se passa por advogado alagoano

Golpista estaria agindo dentro de penitenciária do Ceará para lesar policiais civis

José Fernando Martins Especial para o EXTRA
Omar Coêlho revela que polícia investiga ação do farsante

Do outro lado da linha, a voz firme de um homem que oferece ajuda aos policiais civis de Alagoas para o recebimento de precatórios. Para dar andamento ao processo, há uma condição. É necessário realizar um depósito de quantias acima de R$ 1 mil para a liberação do dinheiro na 14ª Vara da Capital. “Se você tivesse feito o pagamento da taxa já estaria com o benefício em conta. Sou uma pessoa muito ocupada e não posso ficar parado em um canto só. Se você já tivesse quitado a taxa não estaria gastando seu tempo e nem andando no Sol a toa”, informa por meio de ligação telefônica. 

Porém tudo não passa de um golpe. E para dar mais credibilidade à ação, o falso advogado age sob o nome de Marcos Bernardes de Mello, um dos profissionais da área de Direito mais conceituados do estado. Precatórios são requisições de pagamento expedidas pelo Judiciário para cobrar de municípios, Estados ou da União, assim como de autarquias e fundações, o pagamento de valores devidos após condenação judicial definitiva.

Até o momento, cinco policiais civis receberam a ligação do estelionatário. Conforme o advogado Omar Coêlho de Mello, filho de Marcos Bernardes, uma servidora do Tribunal de Justiça (TJAL) também recebeu uma chamada pedindo R$ 1.700 via depósito na conta de um escrivão. Foi assim que o golpe chegou ao conhecimento do escritório de advocacia MBM Advogados & Associados.

“Depois, começamos a saber que outras pessoas estavam recebendo as mesmas chamadas. Mas, dessa vez, policiais civis estavam sendo as vítimas. Um sobrinho ligou para o número do celular que faz as ligações e deu um CPF fictício para ver o que o golpista falava. O dito advogado disse que o rapaz tinha direito a R$ 35 mil. Depois, eu liguei e me identifiquei como filho de Marcos Bernardes. Informei a essa pessoa que ela estaria cometendo um crime. A reação dele foi só dizer ‘ok’”, contou. Investigações preliminares indicam que as ligações estão sendo realizadas dentro de uma penitenciária do Ceará. 

O estelionatário pede para que a vítima deposite o dinheiro na conta de Luan Silveira de Albuquerque Nogueira. Segundo os dados da agência da Caixa Econômica Federal, a conta do correntista foi aberta em Cascavel, município da Região Metropolitana de Fortaleza. “Fiquei sabendo que alguns delegados também receberam essas ligações. Esse marginal teve acesso ao banco de dados da Polícia Civil de Alagoas. Me disseram que, em um dos casos, o golpista sabia os nomes de pai e mãe e tempo de afastamento da corporação do policial. Espero que ninguém tenha caído nessa”, disse Coelho.  

De acordo com a apuração do EXTRA Alagoas, o nome de Luan Silveira de Albuquerque Nogueira aparece em processo de renegociação de dívida com o banco Santander pedindo a revisão de um contrato sob discussão em juízo. O processo está disponível na Comarca de Fortaleza, no Tribunal de Justiça do Ceará . 

Segundo o presidente do Sindicato dos Policiais Civis de Alagoas (Sindpol-AL), Josimar Melo, o farsante pode ter conseguido os dados dos sindicalizados pela própria justiça alagoana. “Isso porque já ganhamos precatórios, mas no momento não temos nenhuma certeza de como ele conseguiu nossos dados”, informou. 

Em uma das ligações, uma representante do sindicato conversa com o falso advogado e questiona a informação sobre o recebimento dos precatórios. 

No bate papo, o farsante reafirma ser o “doutor Marcos” e que um policial civil teria a receber o valor de R$ 84.614,15. Confusa e desconfiada, ela diz que irá procurar o escritório do advogado Marcos Bernardes de Mello para resolver a questão. A ligação termina com o golpista falando “Fica a seu critério”. A reportagem ligou para o número de onde são feitas as ligações, mas o telefone celular aparecia como desligado.  

NOTA DO MBM ADVOGADOS

Tão logo soube do golpe e após informar a Polícia, o escritório do advogado Marcos Bernardes de Mello emitiu o seguinte comunicado para divulgação nas redes sociais:

“Atenção! O Escritório MBM Advogados & Associados vem informar a todos que alguém usando o número 82 98117-8007 está se passando pelo Dr. Marcos Bernardes de Mello, solicitando um depósito de R$ 1.700 e três certidões, para liberação de um precatório da Polícia Civil na 14ª Vara da Capital. Viemos por meio desta informar que o Escritório MBM Advogados não solicita nenhuma importância de seus clientes para levantamento de qualquer precatório. Pedimos a ajuda de todos os clientes e amigos para compartilhares essa informação. O fato está sendo encaminhado às autoridades competentes para que sejam tomadas as medidas cabíveis”. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia