Acompanhe nas redes sociais:

19 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 879 / 2016

11/07/2016 - 18:28:47

Pedro Oliveira

A podridão que nos sufoca

Pedro Oliveira

Brasília é um cadáver putrefato. 

As instituições se transformaram em cadáveres insepultos. 

Tudo está apodrecido. 

Pelo cenário apresentado e a cada dia revelado não se salva ninguém. 

Pode nem ser o “fim do mundo”, mas parece que é o fim do Brasil. 

O grande temor é que não haja um recomeço. 

Por falta de personagens capazes de operar a reconstrução.

Perdemos nossa pátria

Usurparam nossa cidadania.

Roubaram nossa dignidade.

As previsões do grande Rui Barbosa estão se concretizando.  

Haverá um dia, não muito distante, que teremos vergonha de ser honestos. 

E o povo brasileiro, dormindo eternamente em berço esplêndido, sem nenhum grito heroico ou retumbante, pagará um alto preço por ter fugido à luta. 

E seremos nós no mundo conhecidos como ”terra de ninguém”. 

Este é o Brasil que ajudamos a construir com o equívoco do voto. Mas, com certeza não é o que merecemos. 

Aí é que mora o perigo

O presidente interino Michel Temer disse que tomará medidas consideradas impopulares “a partir de certo momento”. A fala foi precedida pela entrega de um manifesto de confiança no governo assinado por 46 entidades de vários segmentos do agronegócio brasileiro.

“Eu vou colocar esse acordo em um quadro no meu gabinete. É uma coisa importantíssima para nós, porque (esse apoio) nos permite ganhar forças para enfrentar os problemas. Nós temos o apoio dos setores produtivos do País”, disse Temer. “Esse apoio é fundamental porque a partir de certo momento, começaremos com medidas, digamos assim, mais impopulares”, acrescentou, sem entrar em detalhes. Se sacramentar a saída de Dilma vem coisa pesada por aí. Para o contribuinte, sem dúvida.

Tragédia esquecida 

Apoiando a justa iniciativa da 19ª Promotoria de Justiça da Capital (Fazenda Estadual), os desembargadores da 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça acordaram, por unanimidade, em manter a sentença do juiz Manoel Cavalcante de Lima Neto que obriga o Estado de Alagoas a garantir moradias dignas para várias famílias desabrigadas. Trata-se de vítimas das fortes chuvas que atingiram cidades alagoanas em junho de 2010 e que até hoje vivem de forma precária, cercadas de proliferação de doenças e ambientes impróprios em ocupações. A grande verdade é que os governos nunca deram a importância humanitária às inúmeras famílias vítimas da tragédia. Vivem na promiscuidade, expostas a todo tipo de violência, sem nenhuma condição humana de vida. Foi assim no momento da enchente e persiste esta situação até hoje.

Alagoas na mídia nacional

Mais uma vez Alagoas é manchete nacional e como não poderia deixar de ser, até por tradição, pelo viés negativo que nos expõe ao ridículo em todo o país. Agora foi a vez do histórico e desprezível estado em que se encontra o Instituto Médico Legal. Em um flagrante gesto de desrespeito e desumanidade os restos mortais são tratados, como sempre foram, como lixo em ato considerado criminoso. Úmeros (ossos superiores dos braços), fêmures (os das coxas), pedaços de costelas e ao menos dois crânios espalhados pelo local, foram mostrados na reportagem que nos envergonha.

Ouvida, a direção do IML se saiu com respostas evasivas e injustificáveis ao afirmar que “não há dinheiro” no órgão para arcar com suas atividades. .

Onde estão o Ministério Público e o Conselho Regional de Medicina? Ao permitir ou fazer que não estejam vendo cometem o mesmo erro dos responsáveis pela administração caótica do IML. Por que Alagoas é assim?

Do que se fala em Brasília

Agradando

O novo decreto de Temer prevendo canal direto do comando militar com o presidente da República diminui o poder do ministro da Defesa. Agora, os chefes das Forças Armadas despacharão diretamente com o presidente interino.Temer está disposto a agradar os militares. Marcou para o fim de julho a assinatura da promoção de 25 generais. A queixa do setor sobre a demora de Dilma para assinar as transferências eram constantes.

Bondade pura

Técnicos do STF se espantaram com a decisão do ministro Dias Toffoli de mandar soltar Paulo Bernardo, ato que não constava no pedido da defesa.

“É como se os advogados pedissem uma Caloi e ganhassem uma Harley Davidson”, declarou um dos especialistas.

Cabeças vão rolar I

Vazam informações do Ministério Público que preocupam as mais destacadas cabeças da república. A tática é esperar o impeachment da presidente afastada e logo em seguida deflagrar sucessivas operações da Policia Federal com mandados de prisão, além busca e apreensão de documentos e bens. A lista é longa e com muitos poderosos.

Cabeças vão rolar II

No rol dos nomes cujas investigações já estão concluídas existem duas figuras emblemáticas. “Uma delas haverá unanimidade e o país vai aplaudir. A segunda é uma incógnita qual a reação nacional. Por isto mesmo ambas têm que ser no momento oportuno e estão sendo estudados todos os detalhes”m segundo confidenciava um procurador da Lava Jato. 

Todos iguais

As investigações que vão resultar na grande operação preparada pelo Ministério Público e Polícia Federal já receberam o aval do STF, mas há uma grande preocupação de que nada seja vazado, pois são tantos os envolvidos que poderá por em risco a estabilidade institucional do país. PT e PMDB encabeçam a lista, mas é vasto o envolvimento de integrantes de vários partidos. Inclusive algumas surpresas. Todo o planejamento da grande operação está guardado em um cofre forte. E sabe quem tem a única chave?

O juiz Sérgio Moro. 

A maior de todas 

Há no momento uma dúvida entre os investigadores da Lava Jato quanto ao momento e o tamanho da largada da operação. São tantos os personagens que um grupo defende o “fatiamento” em várias etapas, mesmo que sucessivas, enquanto alguns acham que “tem que limpar de uma vez só”. Da operação muita gente sabe, mas a “lista negra” essa ninguém tem acesso. Vamos aguardar, pois em Brasília é assim: pode acontecer tudo. Inclusive nada.

Fazendo acontecer

O Tribunal de Contas do Estado depois de muita exposição negativa perante a sociedade e se afastando do seu papel institucional, enfim vive dias com um cenário positivo e vem retomando o importante papel na administração diante da sociedade.

Na gestão do conselheiro Otávio Lessa como presidente o órgão tem conseguido avanços muito importantes. Saiu da letargia anterior para um processo dinâmico de gestão. Há efetivo investimento em tecnologia, modernização e preocupação constante com a preparação e valorização do pessoal técnico. Para um futuro muito breve a sociedade vai se surpreender com os resultados de uma administração séria, competente e empreendedora. É o trato zeloso com a coisa pública que deve ser exemplo.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia