Acompanhe nas redes sociais:

12 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 879 / 2016

11/07/2016 - 18:26:29

Impérios religiosos

Luiz Carlos Amorin

Vejo os impérios financeiros “religiosos” prosperarem cada vez mais, infelizmente. E existem dois assuntos que eu não gosto de abordar: política e religião, mas há ocasiões em que a gente é obrigado a falar sobre os referidos, pois fazemos parte do contexto em que eles estão inseridos; queiramos ou não, eles nos dizem respeito.

Então enveredamos por discussão sobre religião, em família. E aí a coisa pega, pois sou muito cético em relação ao assunto. Para mim, fé é uma coisa e religião é outra. Acho crime o que fazem certos “bispos” e “pastores” de tantas novas igrejas que usam o nome de Deus para conseguir dinheiro dos pobres fiéis. E quando digo pobres, quero dizer pobres, mesmo, nos dois sentidos: pobres porque são enganados, aliciados e pobres porque têm poucas posses, a maioria deles.

E as igrejas proliferam, porque no Brasil essa é uma modalidade de “empresa” ou “entidade” que não paga nenhum imposto. Então os “religiosos” alugam um espaço físico, fundam uma igreja e atraem os “féis”, com a promessa, por exemplo, de livrá-los do inferno, se doarem certa quantia à casa de Deus, que eles representam. E com esse dinheiro que pedem aos “fiéis”, pagam o aluguel, pagam os pastores e “funcionários” da igreja e ficam ricos, constroem impérios milionários, bilionários. Até na “política” eles estão se impondo, pois há muitas “autoridades” que são pastores e bispos de “igrejas”, “religiões”.

Não seria tempo de nossos governantes, o poder Legislativo, quem sabe, rever essa lei que isenta as igrejas de qualquer ônus, de qualquer taxa, para acabar com essa coisa de usurparem  o pouco dinheiro que as pessoas ganham com sacrifício em troca de promessas formuladas em nome de Deus, em tom de coacção? Pois ameaçar que alguém vai pro inferno se não colaborar, que não vai conseguir sucesso na vida, se não colaborar, é enganar, é roubar as pessoas.

Está na hora de mudar esse estado de coisas. Isso é usar o nome de Deus em vão, é usar a fé em Deus dos nossos semelhantes para conseguir benefício próprio, usando o princípio do dízimo, que é mencionado na Bíblia. Isso é estelionato protegido pelo Estado. Não pode haver lei que proteja isso.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia