Acompanhe nas redes sociais:

21 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 878 / 2016

03/07/2016 - 17:33:36

Impunidade pública

Alari Romariz

Ouvi na TV uma frase de um economista de renome nacional que me deixou irritada e impressionada: “Já prenderam os empresários, os doleiros, os intermediários, mas a maioria dos políticos corruptos continua solta. Então, pouco muda o cenário político brasileiro”. 

Concordo plenamente com tudo isso e não me canso de repetir denúncias contra o Poder Legislativo de Alagoas. Nada muda. Parece até, a “Velhinha de Alagoas” pedindo socorro às autoridades e não escutando respostas.

Nesses 40 anos de Assembleia Legislativa só vejo as coisas piorarem. Quando, após a Constituição de 1989, nós, servidores, adquirimos o direito de formar nosso sindicato e reclamar nossos direitos na Justiça, obtivemos algumas vitórias; a realidade era outra. Darei um exemplo bem simples: quando o TJ nos dava ganho de causa em qualquer processo, a Mesa era obrigada a obedecer; hoje, já ganhamos duas vezes a mesma ação (reajuste salarial de 15%) e os dirigentes não cumprem, desobedecem, “empurram com a barriga” e nada acontece.

Na época em que denunciei enxertos na folha de pagamento, foi um horror. “Ela vai ter que provar na Justiça” dizia o presidente da Casa. E nós chegamos a 5.000 funcionários ativos. O PDV (Plano de Demissão Voluntária) amenizou a questão e resolveu muito pouco.

Os comissionados do Legislativo eram 10 por deputado (270). Aos pouquinhos o número foi crescendo e atualmente são mais de 800, com salários dobrados. Todas as autoridades sabem disso.

Por incrível que pareça o Legislativo passou mais de 10 anos sem pagar o terço de férias a seus servidores. Reclamações administrativas, ações na Justiça, nada adiantaram! E um segundo-secretário, “eminência parda” do Poder, dizia alto e em bom som: “Não pago férias porque vocês não trabalham”. O tempo foi passando e agora eles pagam a metade do terço de férias.  E nada acontece.

A mais recente novidade é não pagar o auxílio permanência para as pessoas que completaram o tempo de serviço e continuam trabalhando. O primeiro-secretário diz: “Não é porque o Procurador é bonzinho que vou pagar o auxílio permanência”.

Na semana passada estourou outro escândalo: o presidente e o vice-presidente da ALE estavam desobedecendo à Justiça, pois não queriam cumprir o acordo do Imposto de Renda; seriam obrigados a depor coercitivamente e pagar multa diária de sessenta e um mil reais. Sabem o motivo? Descontavam os valores dos nossos salários e não os repassavam a quem de direito. E a dívida cresceu assustadoramente!

Outro fato ridículo é a situação dos aposentados da ALE: de repente, foram jogados no Alagoas Previdência e serviram de peças de manobra entre Executivo e Legislativo. Até hoje não sabemos onde está a verdade. Quem saiu ganhando no acordo? Com certeza não foram os “velhinhos”. E o presidente do Legislativo afirma emocionado: “Os aposentados estão no meu coração”. Só rindo com a afirmação!

Além de mais de 800 comissionados e uns 500 funcionários ativos, a Mesa alimenta e humilha os prestadores de serviço. Contratou uma empresa para administrar algumas pessoas e agora está na Justiça. Por que? Quem sabe! Coisa boa não pode ser.

 Outro mistério de filme de terror é o salário dos deputados. Dou um doce a quem acertar. Ele deveria ser composto de verba de gabinete mais o salário propriamente dito, congelados há quatro anos para prejudicar os servidores que atingiram o teto constitucional. Deveria, digo eu. Mas não é a realidade. Uma prova disso: no ano passado, uma deputada entrou no elevador e afirmou: “Estou danada com fulano (primeiro-sSecretário); não depositou a minha cota mensal”. Cota de que? Quem sabe?

Pois bem, leitores, estes homens eleitos pelo povo continuam dirigindo os destinos do Legislativo alagoano, humilhando os ativos, inativos e pensionistas, usando o dinheiro público de maneira ilegal e rindo de nós todos.

É preciso intervir na Casa de Tavares Bastos, levantar os erros e punir os culpados, ou chegaremos ao caos.

O economista da TV tem razão. O que acontece na ALE é uma verdadeira impunidade pública!!!

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia