Acompanhe nas redes sociais:

15 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 878 / 2016

03/07/2016 - 17:32:24

Repórter Ecônomico

Jair Pimentel

Cuidados com a recessão

O Brasil fechou o primeiro semestre de 2016 com 60 milhões de consumidores inadimplentes, o que representa algo em torno de R$ 225 bilhões de dívidas não quitadas. É um número assustador, que tende a aumentar se a recessão se prolongar por mais tempo. Mais: esse número não representa a grande quantidade de consumidores do crédito consignado, já que esse sistema não registra inadimplência, por ser descoNtado diretamente do salário pago a aposentados, pensionistas e pessoal da ativa. 

O desemprego ronda constantemente as empresas, por isso é importante que não se faça empréstimo de longo prazo no crédito consignado. A dívida não paga diante do desemprego, jamais será anistiada pelo credor. A anistia é só em caso de morte. Procure se disciplinar para não precisar assumir um compromisso com prazo de até mais de cinco anos. Sobreviva de acordo com o que ganha, comprando sempre à vista e sempre pesquisando, já que os preços oscilam muito de um local para outro. 

Fuja dos juros

Os juros cobrados no cartão de crédito parcelado e cheque especial são infinitamente superiores aos utilizados no crédito consignado, por exemplo. Jamais use seu cartão e pague apenas o mínimo da fatura, o mesmo ocorrendo com o cheque especial. A dívida vai aumentando e se torna impagável. 

Acompanhando

Seja um consumidor atento ao que vem ocorrendo na política e economia brasileira, lendo jornais, revistas, assistindo noticiários na TV, ouvindo rádio e acessando a Internet. Monte seu orçamento doméstico e siga à risca a receita e despesa, jamais comprando por impulso e produtos supérfluos. 

Suas compras

Ao se dirigir às compras mensais ou semanais, no caso do casal, deve ir o mais disciplinado, levando a lista e só comprando o que estiver anotado. Troque de marcas. As opções são muitas. Mas evite os produtos importados, que seguem o dólar em alta constante. Prefira os produtos nacionais similares, que fazem o mesmo efeito. Troque também de supermercado, procurando saber qual o que vende mais barato. 

Orgânicos

Opte por produtos (hortifrutigranjeiros) comprovadamente que utilizam adubo orgânico no plantio, evitando o verdadeiro veneno do agrotóxico. Também evite os enlatados. Peixe, só fresco mesmo, comprado nas balanças a beir-mar ou no Mercado da Produção preferencialmente os de alto-mar. 


Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia