Acompanhe nas redes sociais:

21 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 871 / 2016

14/05/2016 - 22:14:39

Música que imortalizou Luiz Gonzaga completa 70 anos

Canção estourou nas rádios um ano antes de asa branca e deu ao cantor título de rei

Odilon Rios Especial para o EXTRA
Anderson Fidellis conta a história do sucesso de Gonzagão

Amantes da música de Luiz Gonzaga celebram, no próximo dia 22, os 70 anos da gravação da música “Baião”, que imortalizou o cantor e seu parceiro em composições, o advogado Humberto Teixeira.

“Baião” é um divisor na carreira de Gonzagão. Em 1945, ele havia gravado seu 25º disco como sanfoneiro - e o primeiro como cantor. Foi neste mesmo ano que ele conheceu o poeta cearense e advogado Humberto Teixeira. A parceria durou até o início da década de 50.

Em 22 de maio de 1946, com os dois, veio o sucesso que transformou Gonzagão em “Rei do Baião” e “Seu Januário”- pai de Luiz Gonzaga- o “Vovô do Baião”.

Um ano depois, 3 de março de 1947, saiu o hino do Nordeste - para o cancioneiro popular: Asa Branca.

Segundo o forrozeiro e pesquisador dos ritmos nordestinos, Anderson Fidellis, “Baião”, originalmente, foi gravada em maio de 46. Em outubro, Gonzagão e o conjunto Quatro Ases e um Coringa - o mais famoso da época do rádio brasileiro - voltaram ao estúdio e regravaram o ritmo nordestino. Dois anos depois, Luiz Gonzaga faz nova regravação de “Baião”. O sucesso é maior.

“O baião foi o primeiro ritmo nordestino a ser difundido em cadeia nacional e, posteriormente, mundial”, disse Fidélis.

Segundo ele, o ritmo era uma das modalidades do lundu - de origem dos escravos bantos, trazidos de Angola na escravidão. O nome vem de “bailar”, que se transformou em “baiar”. Daí, “baião”.

“O baião estava dissolvido na viola nordestina, na embolada, no coco. Há de se dizer que o baião é uma espécie de lundu, que foi o ritmo-pai de toda a nossa música, a exemplo do maxixe e do samba. O que Gonzaga fez junto a Humberto foi urbanizar o baião, com base na construção estética da música da então capital brasileira, o Rio de Janeiro”, explica o pesquisador.

“O baião, antes, era encontrado na batida da viola do violeiro. O forró era o local onde se dançava. Gonzaga propôs o encontro dos dois, inspirando-se no samba carioca. Trouxe para o baião a zabumba das bandas de pífano, inspirado no surdo do samba. Substituiu a sanfona de oito baixos pelo Acordeon de 129 baixos, explorando mais recursos encontrados no choro. E o triângulo foi um elemento que ele mesmo colocou pra “temperar” essa mistura”, analisa Anderson Fidélis.

“Baião” invadiu o jeito de fazer música de alguns cantores: o rock de Raul Seixas; o tropicalismo de Gilberto Gil; o herdeiro de Gonzagão, Dominguinhos.

“Segundo alguns depoimentos de Humberto Teixeira, o baião tem séculos de existência, vindo das cortes europeias. E por essa indicação segui em minhas pesquisas. E de fato achei algo que possa levar a isso que Humberto falou, justamente através do lundu que tínhamos aqui no Brasil. Essa base rítmica se espalhou por todo o Brasil, até a Argentina; o tango, a vaneira, o maxixe e o baião têm um ancestral em comum, e a pista para isso está em um desses ritmos, que é a vaneira”, explica o pesquisador.

Tantas histórias, algumas encaixadas em outras tantas histórias, também levam em conta a difícil tarefa de urbanizar o baião.

O ritmo era conhecido no século 19, registrado por Câmara Cascudo. Antes de alcançar a popularidade atraída por Gonzagão, o baião era chamado de “ritmo da canalha”.

Nos anos 50, porém, a “canalha” passou a ocupar os salões da elite, nas famosas vozes do rádio da época como Carmem Miranda e Jamelão.

Todos bebendo a fonte comum: o baião, ritmo do Nordeste, eternizado pelo rei e seus herdeiros.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia