Acompanhe nas redes sociais:

21 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 871 / 2016

12/05/2016 - 21:38:19

Filho de Antônio Albuquerque vai para Câmara Federal

Nivaldo Albuquerque vai assumir a vaga do deputado Maurício Quintella

João Mousinho [email protected]
Nivaldo Albuquerqie é o primeiro suplente de Maurício Quintella, agora ministro de Michel Temer

O deputado estadual Antônio Albuquerque (PTB) irá emplacar seu filho Nivaldo Albuquerque (PRP) como deputado federal. A possibilidade se deu, pois Nivaldinho, como é conhecido, é o primeiro suplente da coligação “Juntos com o povo pela melhoria de Alagoas” (PP / PPS / PSDC / PRP / PR / PSL / PSB / SD / DEM)”, na qual teve como um dos eleitos o deputado federal Maurício Quintella, que recebeu o convite do presidente da República interino, Michel Temer (PMDB), para assumir o Ministério dos Transportes. 

Nivaldinho foi um dos deputados federais mais votados de Alagoas, mas sua coligação não conseguiu atingir o quociente eleitoral para ser eleito. O filho do deputado estadual teve 66.910 votos, mais votos que ex-prefeito de Maceió, Cícero Almeida (PMDB), eleito pelo PRTB com 64.435 votos. Outro deputado federal eleito com menos votos que Nivaldo Albuquerque foi Paulão (PT), com 53.284 votos. 

A cota do PR no governo Temer beneficiou de forma direta o clã dos Albuquerque. A ida do filho do deputado estadual para a Câmara Federal parece definir a pré-candidatura do nome da família para disputa em seu principal curral eleitoral: a cidade de Limoeiro de Anadia. 

Nivaldo tinha o nome ventilado para disputar a prefeitura, mas com a atual conjuntura, a pré-candidatura de Arthur Albuquerque (PMDB), filho mais novo de Antônio Albuquerque, começa a avançar no município. O poder político do clã começa a ser ampliado, ideal almejado por AA. 

Prestigiado 

O deputado Maurício Quintella ignorou a recomendação do seu partido, PR, em votar contra o impeachment da presidente Dilma, mas o parlamentar fez o contrário e deixou a liderança da sigla na Câmara Federal. Com a iniciativa, Maurício levou boa parte da bancada em favor da derrubada da presidente. 

Como prêmio pela articulação, desobediência partidária e fidelidade aos ideais de Michel Temer, Maurício Quintella deve comandar o Ministério dos Transportes nos próximos 180 dias.  Quintella assume o ministério na vaga de Antônio Carlos Rodrigues (PR-SP). 

Antônio Carlos disse recentemente que se dependesse dele o PR não sairia do governo de jeito nenhum. “Eu não saio do governo Dilma”. A fidelidade de Carlos ao governo petista custou sua vaga de ministro. 

Atualmente Antônio Carlos Rodrigues é primeiro suplente no Senado, na vaga de Marta Suplicy (PMDB). 

Acusação 

contra 

o ministro 

O ex-secretário de Educação de Alagoas e hoje deputado federal Maurício Quintella e outras nove pessoas foram condenados a ressarcir à União R$ 133.683.852,40. Todos foram investigados no processo que trata da ação de Gabirus durante o governo Ronaldo Lessa (1999-2006) e com base no que foi apurado pela Controladoria Geral da União (CGU) e Ministério Público Federal (MPF).

Maurício Quintella quando no exercício do cargo de secretário de Educação, teria autorizado o pagamento, de uma só vez, de R$ 279 mil para a empresa Torres & Queiroz referentes a 90 mil dúzias de ovos, valor superfaturado segundo a Justiça. A ordem bancária foi expedida em dezembro de 2004, mas somente a partir de maio de 2005 as entregas tiveram início e apenas metade foi entregue. Essa foi uma das irregularidades identificadas nesse processo.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia