Acompanhe nas redes sociais:

25 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 870 / 2016

08/05/2016 - 18:52:19

Histórias de uma longa vida

Alari Romariz Torres

     Era muito comum na época de meus avós que os homens tivessem outra família. Então as esposas fingiam não saber do fato e tocavam a vida normalmente. Criavam-se os filhos verdadeiros e os filhos bastardos. Esses lutavam para herdar parte dos bens deixados pelo pai. A amante vivia escondida e seus filhos eram tratados de maneira diferenciada.

     Quando entrei na Assembleia havia um valente deputado do sertão que tinha duas famílias. Os filhos da esposa tinham um dia para ir ao seu gabinete e os da amante iam num outro. Todos eram funcionários da Casa. As mães sofriam caladas e criavam seus filhos num ambiente de terror.

     Havia em Maceió uma prostituta famosa que teve um filho de um artista conhecido, casado com uma pessoa comum. Quando o garoto foi servir ao Exército, deu uma alteração e foi punido; a mãe, sabedora do fato, foi ao quartel. O tenente, moço, que quando solteiro frequentava a ¨zona¨, reconheceu a cidadã e a atendeu com gentileza, pois sentiu seu semblante cheio de preocupação. Ela disse: ¨Criei meu filho com muito cuidado para ele não ser mau elemento¨. Ouviu com atenção as reclamações do militar e prometeu corrigir o filho.

     Uma amiga minha, fluminense, casou-se e teve um casal de filhos. Quando o rapaz saiu da faculdade, apareceram na sua casa uma moça e uma menina. ¨É sua neta¨, disse a mãe. ¨Criei-a até hoje sem precisar de vocês, mas agora ela quer conhecer o pai¨. Minha amiga assustou-se, mas percebeu que a garota parecia demais com o seu filho e tinha sido bem criada pela mãe. Tomou as devidas providências e hoje já tem bisnetos.

     Na Maceió dos anos 40 havia um conhecido advogado que tinha duas famílias. As filhas do casal estudavam no Colégio Sacramento e as da segunda mulher eram alunas do Colégio São José. Interessante é que se pareciam umas com as outras e todas eram bem educadas.

     Existiam, em Penedo, no início do século passado, dois meninos chamados José e João, filhos de um poeta falecido muito cedo. Os garotos tiveram três mães, pois, com a morte do pai, duas tias, uma solteira e uma viúva, ajudaram a pobre mãe a educar os dois filhos.

     Fui vendo pela vida toda casos interessantes de filhos concebidos fora dos padrões normais, mas suas mães assumiam a responsabilidade e davam conta do recado. 

     Recentemente, surgiu o caso de um filho de Fernando Henrique Cardoso. Quando era presidente, casado com uma mulher fina e inteligente, teve um caso com uma jornalista e do romance nasceu um filho. A mãe se mudou para Portugal, criou o menino, recebeu altos valores e só agora, muitos anos depois, o caso tornou-se público. Já se diz que ele, o ex-presidente, não é o pai, mas assumiu a responsabilidade pelo nascimento do guri, grande vítima do caso.

     Lula também teve uma filha fora do casamento. Exploraram o fato numa eleição, mas parece que a mãe e a moça vão bem.

     No interior de nosso estado havia os famosos coronéis. Na sua grande maioria tinham duas famílias e vários filhos. Espalhavam meninos e meninas pelas terras alagoanas e, ainda hoje, conhecemos filhos de famosos que não são reconhecidos.

     Nos idos de 60 morreu um político do interior, deputado estadual. Houve certo suspense no enterro; apareceu uma jovem mulher puxando pela mão três crianças. Eram filhos dele e a família não sabia do caso, segundo pessoas presentes à ocasião.

     Outro caso interessante das¨mulheres de vida fácil¨: uma prostituta visitou uma amiga para mostrar um filho bem novinho e disse: ¨Fique um pouco com ele; vou ali e volto já¨. Nunca voltou. A amiga criou o menino e hoje é avó. O bebê ganhou uma mãe maravilhosa.

     Esta semana é muito propícia para que falemos em um dos papéis da mulher: SER MÃE. Biológica ou não. É difícil ver seu filho sujeito a escândalos, exposto à mídia, tratado com indiferença pela sociedade, quando na verdade, ele não pediu para nascer.

     Ser mãe numa família padrão, formada de pai, mãe e filhos é até mais simples. Mas o amor de mãe é tão grande, que vence todas as dificuldades.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia