Acompanhe nas redes sociais:

16 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 869 / 2016

01/05/2016 - 19:18:07

Os milhões e os servidores

Gabriel Mousinho

O governador Renan Filho já sabe que não será nada fácil convencer os servidores públicos estaduais de que, este ano, o reajuste salarial será zero, ou próximo disso, mesmo alegando a grave crise que assola o país.

A redução da dívida pública onde o Estado economizou este mês por volta de 51 milhões de reais, pode não ser definitiva, mas recheou os cofres nos últimos dias. Mas o governo já avisou: o dinheiro não será utilizado para pagamento de reajustes salariais, mas sim para investimentos.

Botar na cabeça dos trabalhadores de que o Estado não tem a mínima condição de propor reajuste este ano, é o mesmo que acreditar num boi voando. Aliás, o governador, nas suas aparições públicas na mídia, não mostra este desespero total com as finanças de Alagoas, mas sim passa para a população que o Estado vive outras épocas. Que bom que o governador pense assim. Mas os servidores não serão convencidos tão facilmente.

Com dinheiro em caixa, os trabalhadores acham que a prioridade é sua. O resto, para eles, é conversa fiada.

Máfia do Guincho 

1Parece que a denúncia do deputado João Beltrão sobre uma possível Máfia do Guincho, em Alagoas, entrou por uma perna de pinto e saiu por uma perna de pato. Ninguém falada nada, nem mesmo o governador que disse mandaria apurar tudo.

2Nada de mais, se as denúncias não tivessem atingido em cheio a Polícia Militar de Alagoas. Que o governo informe como andam as apurações, se é mesmo que começaram.

Máfia do Lixo

Não vai ser tão fácil como possa parecer o deputado Cícero Almeida escapar da Máfia do Lixo. Alguém vai ter que pagar pelo suposto desvia de 200 milhões de reais apontado pelo Ministério Público Estadual. Se o processo avançar no Supremo Tribunal Federal onde Almeida tem foro privilegiado por ser deputado federal, sua candidatura a prefeito pode se complicar.

E haja denúncia 

Mensalão, Petrolão e agora Eletrolão. Neste, Alagoas também é figurante de denúncias do Ministério Público Federal, depois da deleção premiada de alguns assaltantes do dinheiro público.

Cofre cheio

Este mês o governo de Alagoas economizou 51 milhões de reais sobre o pagamento de débitos com a União. Reforçou o caixa, mas não pode comemorar muito, porque o mérito do processo que será julgado pelo Supremo Tribunal Federal pode modificar tudo.

O jeito é aguardar!

Começando

O período de greve no Estado e Município está apenas começando. Os policiais civis não aceitaram a decisão do Tribunal de Justiça e continuam paralisados. A mesma iniciativa deve ser tomada nos próximos dias por outras categorias. Reajuste zero, nunca, dizem trabalhadores do Estado.

Nem aí

A Controladoria Geral da União identificou que 38, dos 102 municípios alagoanos, não cumpriram com a Lei de Acesso à Informação, tirando nota zero. Isso, de apenas 47 municípios avaliados. A situação é tão grave que até Palmeira dos Índios e Santana do Mundaú não atingiram nem a nota 1. De acordo com a pesquisa, três municípios considerados de grande porte como Palmeira, São Miguel dos Campos e Marechal Deodoro, foram um zero à esquerda.

Inviável

A crise é tão grande que a maioria dos municípios alagoanos não irão fazer o tradicional São João. Maceió, que já realizou grandes festas juninas, também está ameaçada de não realizar nada este ano. A justificativa é que os custos são altos e um gasto desse porte pode prejudicar outros segmentos da prefeitura, inclusive salários de seus servidores.

Candidatos quietos

A confusão que se formou em Brasília para afastar a presidente Dilma Rousseff, momentaneamente afetou a política alagoana. Se no interior as campanhas começam a ferver, em Maceió os candidatos se recolheram, observando o que vai acontecer nos próximos dias na capital federal.

Ampla disputa

Além de Rui Palmeira e Cícero Almeida, Paulão pelo PT e Paulo Memória pelo G8 a princípio são os candidatos a prefeito de Maceió. É bom observar que cada candidato terá um teto máximo para gastar na campanha eleitoral e a Justiça Eleitoral está de olho.

Dúvida

O pedido negado pelo Supremo Tribunal Federal para que o deputado Cícero Almeida se livrasse do processo da Máfia do Lixo, acendeu a luz vermelha no PMDB. Muitos acreditam que Almeida poderá se complicar antes das eleições de outubro. Outro processo, o da Taturana, onde Cícero Almeida também é réu sobre um empréstimo pessoal, também é outra assombração para o agora peemedebista.

Na cola

Já a direção do PRTB, onde o deputado Almeida era filiado, acredita que o TSE vai condená-lo por infidelidade partidária e, portanto, poderá perder o mandato e consequentemente ser impedido de se candidatar à prefeitura de Maceió.

Alegorias

Os adversários que não têm o que falar do prefeito Rui Palmeira, agora questionam a contratação de ´´pardais´´ instalados nas grandes avenidas da capital. Parecem mesmo que capitularam nas suas denúncias, já que Palmeira tem trabalhado com competência, honestidade e transparência nos seus atos de governo.

A gatuna

Maria Gabriela Mendonça de Lyra, neta de JL, é filha de um conhecido filho do empresário. Ela foi presa em São Paulo por afanar roupas avaliadas em mais de 5 mil reais em um shopping de luxo. Pessoas ligadas a João Lyra informaram que JL não está nem aí e sequer quer conversar com esse filho que já foi muito importante na gestão das empresas do pai.

Fim da linha

A televisão mostrou no início da semana a situação crítica da estrada que leva à cidade de Campestre. Parece que ali é uma segunda Síria, onde os bombardeios acabaram com tudo. Além das péssimas condições da estrada, com assaltos e tudo mais, o Departamento de Estradas de Rodagem sequer deu esperança para resolver os problemas do povo daquela região. É o velho ditado do que ´´faço o que digo, mas não faça o que faço´´.

Debandada

A Assembleia Legislativa deu o primeiro passo para sua independência. Os deputados derrubaram o veto do governador da ´´Escola Livre´´. Demonstraram insatisfação para o tratamento que vêm recebendo do governo.

Alto lá

Os senadores alagoanos vão pensar duas vezes se serão contra ou a favor do afastamento da presidente Dilma Rousseff. Pelo clima lá em Brasília, eles não têm muito que fazer. Mas, mesmo assim, até o dia da votação, ninguém sabe como irão votar Fernando Collor, Benedito de Lira e até mesmo o senador Renan Calheiros.

Eleições para presidente

O Palácio do Planalto deixou claro esta semana, de que topa antecipar eleições para presidente. Seria uma forma de detonar o vice Michel Temer, que já começa a formar o seu governo. 

Perguntar não ofende

Faria mal o governador Renan Filho dizer qual a obra que está em andamento e que conta com ajuda de deputados federais e senadores? Parece que ele anda com amnésia.


Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia