Acompanhe nas redes sociais:

22 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 868 / 2016

08/05/2016 - 19:43:15

Hipofosfatasia dos partidos brasileiros

CLÁUDIO VIEIRA

Dessa vez o Editor vai ficar furioso comigo; afinal, isso não é título para texto de jornal. Insisto nele, contudo, porque no mínimo estimulará a consulta a dicionário, coisa não muito da prática brasileira. De qualquer sorte já explico que hipofosfatasia é grave e rara doença que afeta percentual mínimo de crianças no mundo, e se manifesta pela má formação ou ausência de ossos. 

Os partidos políticos brasileiros são hipofosfáticos (neologismo horrível!). Não têm ossos, são amorfos então, porque suas proposições programáticas são absolutamente insinceras, apenas palavras postas em um papel. Isso acontece até mesmo com aqueles que se dizem ideológicos, e quase todos assim se classificam e nenhum o é rigorosamente. Acometidos de tal doença, existem apenas para abrigar políticos, todos eles normalmente hipofosfáticos, mesmo aqueles que por algum motivo, ou por alguma ação, ou por algum cargo relevante que ocupem ou hajam ocupado, destaquem-se ou sejam conhecidos e reconhecidos. É essa doença, reflito, que faz com que os partidos políticos brasileiros – e parece que todos – sejam volúveis. “La donna é mobile”, criou Giuseppe Verdi a famosa ópera. Assim são as agremiações políticas brasileiras:“volúveis como plumas ao vento”, vendilhões do sagrado templo de suas consciências, nada resistentes a ofertas de algum cargo. O recente processo de impeachment da presidente Dilma bem acentuou essa má característica, cargos no Executivo sendo negociados por ambas as partes em litígio, os pró e os contra se esmerando nessa prática malsã e nada republicana. Na esteira dessa hipofasfatasia partidária, os políticos se esbaldam, trocando sua consciência, mudando de partidos, filiando-se a outras agremiações mais convenientes aos seus propósitos, alguns até comprando partidos com o único fito de serem os donos das agremiações. Em suma, nós, os eleitores, não temos mesmo em quem votar por suas propostas, até porque as que são feitas são inconfiáveis, frutos de engodo apenas.

Nada todavia está totalmente perdido, pois é possível que exista alguma linha no novelo bastante boa para a nossa agulha, em antítese ao apólogo de Machado de Assis. Duro será a lida para encontrá-la, mas vale a pena, se o nosso republicanismo não for pequeno.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia