Acompanhe nas redes sociais:

24 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 868 / 2016

08/05/2016 - 19:27:30

Sururu

Lessa não convence

Da redação

A desculpa de Ronaldo Lessa para votar contra o impeachment de Dilma Rousseff não combina com a sua biografia nem convence os seus eleitores. 

Lessa deveria estar hoje ao lado dos seis deputados do PDT expulsos pelo presidente do partido, Carlos Lupi, por votarem pelo impeachment da presidente Dilma. 

Acatar passivamente as ordens do PDT - mais do que contrariar a maioria do povo brasileiro - é avalizar a corrupção do governo petista e as traficâncias do senhor Carlos Lupi. 

Demitido do Ministério do Trabalho do Governo Dilma por atos de corrupção, Carlos Lupi não tem moral para expulsar ninguém do partido que comanda. 

Como lembra Lauro Jardim, da Veja, em 1992, o próprio Lupi contrariou Leonel Brizola e votou pelo impeachment de Collor.

Não foi expulso e acabou presidente do partido.

Te cuida, Ciço!

Mais uma pedra no caminho do deputado Cícero Almeida, que pretende retornar ao comando da Prefeitura de Maceió: suas contas deverão ser rejeitadas pelo TC. O ex-prefeito – que já enfrenta uma ação penal na chamada Máfia do Lixo – é acusado de repassar à Câmara de Maceió recursos além do previsto em lei. E ainda deixou de pagar o mínimo de 15% destinados à Saúde.  

Rosiana leva rasteira

Mesmo que tenha votado pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff, o deputado Marx Beltrão, do PMDB, por baixo dos panos vai angariando cargos federais em Alagoas. A administração do Porto, por exemplo, hoje ocupada pelo ex-secretário de Educação de Cícero Almeida, Tadeu Lira, foi um dos alvos de Marx, candidatíssimo a senador.  Marx não poupou nem sua parenta, Rosiana, e contou com a ajuda dos Calheiros, o governador e o senador, que antes eram seus padrinhos no Porto. 

Sem limite

Marx Beltrão não é fraco não. Ele é “dono”´ de alguns partidos em Alagoas e não respeita nem tem consideração nem com a própria família. Derrubou Rosiana e promete novos lances mais à frente.

O sombra

Tadeu Lira, que assumiu a Administração do Porto silenciosamente, como se estivesse receoso de contestações, foi secretário de Educação por um bom período no governo de Cícero Almeida de onde saiu às turras com o agora novamente candidato a prefeito. Como em política tem dessas coisas, Tadeu volta aos braços de Almeida depois de passar maus bocados na pasta, acusado de meter os pés pelas mãos.

Tô fora!

O PSDB não vai indicará ninguém para o governo Michel Temer. 

“Se Temer convidar alguém, ou mais especificamente José Serra, que é o sujeito oculto da manifestação do partido, será por sua conta, não por uma demanda da sigla”, informa Lauro Jardim, da Veja. 

A propósito, se Serra for convidado por Temer, não será para ocupar um cargo na área econômica.

Quem avisa...

O senador Fernando Collor disse na segunda-feira (18) que tentou alertar o governo da presidente Dilma Rousseff para a falta de sincronia entre o Executivo e o Legislativo, mas não foi ouvido.

“Como resultado desse processo, o Brasil teve uma década perdida e vai precisar de muito tempo para se recuperar e resgatar tudo de positivo que havia alcançado desde a redemocratização”, avaliou o senador.

Impeachment

Alvo de um processo de impeachment que o afastou da Presidência em 1992, Collor deverá votar como senador a favor ou contra o processo de impedimento de Dilma, aprovado no último domingo pela Câmara dos Deputados.

“Seja qual foi o resultado do atual processo de impeachment, precisamos começar a pensar o futuro. O estado brasileiro precisará ser reconstruído; o governo, qualquer que seja, terá que se reinventar. A população não mais concordará com improvisos”, disse durante sessão.

O preço do voto

Diferentemente de Lessa, que se submeteu à corrupção do chefe Carlos Lupi, o deputado Carimbão votou conrtra o impeachment de Dilma por uma causa nobre: a liberação de uma emenda parlamentar de R$ 30 milhões, que viabilizará a volta da antiga Camila, em Batalha. A indústria vai beneficiar cinco  mil produtores de leite da Região e gerar vários empregos diretos e indiretos. 

Ninguém escuta Dilma

Dilma Rousseff vai à ONU para denunciar o golpe de Michel Temer.

Terça-feira ela deu uma entrevista coletiva para a imprensa estrangeira denunciando o golpe de Michel Temer e o assunto foi completamente ignorado por todos os jornais.

Ninguém escuta o que ela diz. (Diogo Mainard)

Homenagem

O jornalista Valmir Calheiros, falecido há dois anos, será home-nageado na segunda, 25, com a Comenda Edécio Lopes, a ser entregue à filha dele, a também jornalista Valdete Calheiros. A homenagem in memoriam acontece às 9 horas em sessão solene no plenário da Câmara Municipal de Maceió e foi proposta pela vereadora Tereza Nelma. 

Também será agraciado com a comenda o jornalista Mário Lima.

A comenda leva o nome de um dos mais importantes radialistas de Alagoas, morto em 2009, e foi instituída com o obetivo de homenagear personalidades do mundo artístico e das comunicações em Alagoas.


Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia