Acompanhe nas redes sociais:

15 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 868 / 2016

20/04/2016 - 19:59:36

Maceió registra 1.044 casos de dengue este ano

Suspeitos de Zika chegam a 1.468 e a 303 os casos suspeitos de chikungunya

Maria Salésia com assessoria

O último Boletim Epidemiológico divulgado pela Coordenação de Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Maceió aponta dados preocupantes. Até o dia 15 de abril desse ano, foram registrados 1.044 casos de dengue na capital, sendo notificados ainda 1.468 casos suspeitos de zika e 303 de chikungunha. Dos cinco óbitos suspeitos de dengue, um foi descartado e os outros estão sob investigação. As amostras são analisadas pelo Laboratório de Pesquisas em Virologia e Imunologia (Lapevi) da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) e pelo Laboratório Central de Saúde Pública de Alagoas (Lacen).

De acordo com a Coordenação de Vigilância Epidemiológica, os bairros de Jaraguá, Pontal e Ponta da Terra são os que apresentam maior incidência da doença. Vale ressaltar que destes 1.044 casos de dengue notificados em 2016, foram registrados 16 graves, sendo que um foi confirmado como dengue grave, dois como dengue, um descartado e 12 estão sob investigação. Foram confirmados, ainda, cinco casos de dengue com sinais de alarme, que ocorreram nos bairros da Gruta de Lourdes, Serraria, Benedito Bentes, Cidade Universitária e Santa Lúcia.

Outro dado que chamou a atenção é que dos 1.468 casos suspeitos de Zika Vírus notificados este ano, 11 são de gestantes. Já dos 303 casos de chikungunya notificados, 45 foram confirmados por laboratório, 166 por critério clínico-epidemiológico e os demais estão sob investigação. No mesmo período do ano passado, foram notificados 61 casos, 11 confirmados e 50 descartados.

É considerado caso suspeito de febre chikungunya paciente com febre de início súbito maior que 38,5ºC e artralgia (dor em uma ou mais articulação do corpo) ou artrite intensa de início agudo, não explicado por outras condições. Nesses casos, o paciente deverá procurar atendimento em uma Unidade Básica de Saúde (UBS).

 Microcefalia

Até o dia 15 de abril foram notificados 67 casos suspeitos de microcefalia por infecção pelo Zika vírus em Maceió. Destes, 35 foram descartados e cinco foram confirmados como microcefalia possivelmente relacionada ao Zika vírus e 27 estão sob investigação. No entanto, não houve registro de óbito.

Sala de controle ao mosquito

Órgãos da saúde e segurança pública de Alagoas se uniram no combate ao mosquito Aedes aegypti e ampliaram suas ações ao criar uma sala de controle em Maceió. Todas as quintas-feiras, o grupo se reúne na sede da Defesa Civil, no bairro do Farol, para tratar do planejamento de metas e estratégias de eliminação do mosquito. Em todo país, 1094 municípios implantaram seus centros, sendo que 143 (64%) estão dentro dos 223 locais com incidência de dengue igual ou maior de 100 casos por 100 mil habitantes, e com população igual ou superior a 50 mil, e também nas capitais.

De acordo com o coordenador da Defesa Civil, major Moisés Melo, a melhor forma de combater o Aedes aegypti é não deixar o mosquito nascer. Para tanto, pede à população que faça seu papel. “Estamos realizando simultaneamente um trabalho educativo e de erradicação da larva do mosquito transmissor da dengue, chikungunya e do zika vírus”, disse Melo ao acrescentar que o povo tem recebido a Defesa Civil de braços abertos.

Apesar do otimismo do major Moisés, levantamento da Agência Saúde aponta que nas duas primeiras semanas de abril, terceiro ciclo da campanha contra o vetor, as equipes de combate ao mosquito alcançaram 8,49 milhões de imóveis brasileiros. Sendo que foram vistoriados 6,9 milhões de domicílios, prédios públicos, comerciais e industriais. No entanto,  1,5 milhões de estabelecimentos estavam fechados ou houve a recusa para acesso.

Em Alagoas não foi diferente. O número de imóveis fechados ou recusados chama a atenção. De acordo com o quadro dos estados apresentados pela Sala Nacional de Controle para  enfrentamento da dengue, num total de 890.930 bases de imóveis foram realizadas 143.525 visitas, com percentual de visitas de 16,11%. Dessas, foram vistoriados 115.955 imóveis e 27.570 estavam fechados ou houve recusa dos proprietários. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia