Acompanhe nas redes sociais:

24 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 868 / 2016

20/04/2016 - 19:54:46

Câmara de São Luís afasta prefeito por 180 dias

Jilson Lima, que assumiu o cargo em novembro do ano passado, diz que foi vítima de arbitrariedade

Da Redação
Jilson Lima afirma que decisão da Câmara foi arbitrária

O vice-prefeito no comando da prefeitura de São Luís do Quitunde, Jilson Lima (PSD), foi afastado por 180 essa semana pela Câmara de Municipal por 12 votos dos 13 possíveis. A justificativa da Casa Legislativa foi afirmar que o chefe do executivo não vinha honrando os débitos do duodécimo, o valor já ultrapassaria mais de R$ 100 mil.

O presidente da Câmara, Cleomenes de Amorim (PRB), destacou que a as ações de Jilson Lima serão investigadas, através de uma comissão, para apurar supostos atos de infração político-administrativo. Para o chefe do Parlamento, o prefeito não teria sido correto ao deixar em aberto dívidas com o Poder.

O EXTRA apurou que Jilson Lima pagaria cinco parcelas de R$ 25 mil para a Câmara, referente aos atrasados, todo último dia do mês a partir de janeiro, mas desde quando assumiu a prefeitura, no mês de novembro, o prefeito em exercício “não cumpriu sua palavra”, confidenciou um parlamentar.

Essa teria sido a principal motivação para que Jilson “caísse” da prefeitura, o não pagamento dos atrasados, além da falta de diálogo com Poder Legislativo que vinha se sentindo desprestigiado. “Vinha se aproximando da eleição e Jilson não sinalizou sua candidatura, nem o desejo do apoio dos vereadores, aí eles resolveram por bem tirá-lo do poder. Funciona assim”, resumiu um de seus correligionários.

Acordo teria 

sido firmado

O prefeito em exercício Jilson Lima colocou que existia o débitos do duodécimo deixado pelo prefeito afastado, Eraldo Pedro (PMDB), mas salientou que um acordo teria sido feito com o então presidente da Câmara, Edézio Pereira (PMDB), para o pagamento. Nesse intervalo Edézio faleceu e um novo presidente para o Legislativo foi eleito.

O prefeito revelou ainda que por várias vezes tentou manter diálogo com Cleomenes de Amorim, o novo presidente da Câmara, mas não teve êxito e desde então o acerto para a quitação não vinha sendo realizado. Para o vice-prefeito em exercício o que aconteceu foi uma arbitrariedade. “Estou surpreso e indignado. Vou tentar de maneira legal voltar ao comando da prefeitura e trabalhar pela sociedade como vinha fazendo”.

Chegada e 

saída do poder

O vice-prefeito Jilson Lima passou a governar a cidade de São Luís depois que o prefeito eleito, Eraldo Pedro, foi afastado por acusação de apropriação indébita e fraude à previdência.

Segundo o MP, os crimes do prefeito começaram após vencer as eleições e assumir. Eraldo Pedro resgatou os cheques já emitidos e os substituiu por novos cheques pré-datados, dessa vez vinculados À conta do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) da Prefeitura de São Luís do Quitunde.

O Ministério Público em São Luis do Quitunde investigou o desvio de recursos públicos. Em consequência, houve ajuizamento de ação para responsabilização cível por atos de improbidade administrativa cominada com ressarcimento de danos ao município, perda da função pública, suspensão de direitos políticos, pagamento de multa civil, proibição de contratar e receber benefícios ou incentivos do Poder Público. Tudo isto resultou na saída de Eraldo ainda em 2015.

Agora com o afastamento de Jilson Lima, já que prefeito e ex-prefeito foram afastados a linha sucessória tem como gestor de São Luís do Quitunde o presidente da Câmara, Cleomenes de Amorim.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia