Acompanhe nas redes sociais:

23 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 867 / 2016

08/05/2016 - 19:26:16

Bella Vista, um dos hotéis mais bonito do Brasil

Edberto Ticianeli Jornalista

A área em que foi construído o hotel era conhecida até 1910 como a Boca de Maceió. Antes, o terreno foi ocupado pelo antigo Hotel Universal e depois pelo Hotel Petrópolis. Vários hotéis foram instalados no entorno da hoje Praça dos Palmares principalmente pela proximidade com a Estação Ferroviária de Maceió. 

O majestoso Hotel Bella Vista foi inaugurado às 13 horas do dia 21 de junho de 1923, com um banquete que contou coma presença do governador Fernandes Lima e de outras autoridades. Enquanto os convidados conversavam e comiam, as bandas da Polícia Militar, 20º Batalhão de Caçadores e da Orquestra do Cinema Floriano ficavam tocavam no grande salão de jantar.

O prédio foi projetado inicialmente para abrigar a residência do penedense Arsênio Fortes, um comerciante bem sucedido em Maceió. Ainda durante a construção, o empresário resolveu utilizar o palacete como hotel. As adaptações foram feitas e organizou-se um grupo de investidores, a Sociedade Anônima Bela Vista Palácio Hotel.

O edifício foi projetado pelo arquiteto alemão Guilherme Jâgerfeld e tinha três andares, com 30 metros de altura. Ocupava uma área de 1.400m2 e dispunha de 40 quartos, 5 terraços mosaicados e artísticas balaustradas.

No livro Memórias, Discursos, Artigos e Rimas, de A. C. Simões, há uma referência à existência de um “elevador-gaiola” no hotel, e que este seria o primeiro de Maceió a utilizar tal recurso.

Possuía energia elétrica de um gerador a gás, além de fornecimento de água próprio, que era retirada por bomba elétrica de um poço artesiano tubular de 46 metros de profundidade.

Bráulio Leite Júnior, no seu livro Outras histórias de Maceió, revela que o embaixador português e escritor dramaturgo Júlio Dantas hospedou-se no Bella Vista em 1924 e deixou o seguinte comentário: “Tenho a impressão de que estou numa terra de príncipes, pois este hotel é um dos mais bonitos do Brasil”.

Para se ter uma ideia da importância do hotel na vida da capital, a posse do governador Costa Rego, em junho de 1924, ocorreu em suas dependências.

Dois anos depois de inaugurado, no dia 31 de março de 1925, o hotel fechou as portas temporariamente, voltando a reabrir no dia 15 de março de 1926. Dois anos depois, novamente em crise, parou de funcionar.

Em 1929 foi a leilão. Arrematado pela empresa de seguros Aliança da Bahia, passou a ser administrado por Romeu dos Santos. Pouco tempo depois foi negociado com Adib Rabay, quando passou a se chamar Bella Vista Palace Hotel.

Segundo Roland Benamor, que morou com seu pai por muitos anos no hotel, Adib Rabay era um turco que tinha o costume de ir dormir às 17h e acordar às 4h da manhã para que os viajantes não deixassem o hotel sem pagar a conta.

Benamor lembra que Adib, “apesar de ter sido dono de três hotéis em Maceió, ficou pobre e os antigos viajantes que se hospedavam no Bella Vista se cotizaram para que ele pudesse voltar para a Turquia”.

O Bella Vista fechou as portas definitivamente no início dos anos 60. O prédio ficou abandonado por alguns anos até que a prefeitura cobrou a sua demolição, o que ocorreu lentamente. Seus entulhos só foram retirados do local em 1969, quando teve início a construção do prédio do INAMPS, atual INSS, que foi inaugurado em 1974 e já se encontra também abandonado e em ruínas.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia