Acompanhe nas redes sociais:

23 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 866 / 2016

10/04/2016 - 11:41:04

Gabriel Mousinho

Assembleia incorrigível

Gabriel Mousinho

Não há mesmo quem dê jeito na Assembleia Legislativa. Cada Mesa Diretora é pior do que a outra e a história vêm se repetindo ao longo das décadas.

Agora, um pedido da Assembleia para que o juiz Alberto Jorge da 17ª Vara Cível da Capital autorize uma renúncia fiscal do Imposto de Renda dos servidores do Legislativo, é, no mínimo, uma afronta, uma excrescência.

A proposta da Assembleia tornada público na semana passada é para que deixe de recolher 1 milhão e 700 mil reais por mês aos cofres do Estado, no período compreendido entre janeiro deste ano e agosto de 2017.

Esta solicitação ao juízo da 17ª Vara é uma agressão aos princípios da moralidade pública, já que a Assembleia Legislativa, mesmo sabendo estar atolada em graves dificuldades financeiras, nomeou nos últimos anos 700 pessoas para cargos comissionados e, achando pouco, criou mais 120 no ano passado para agradar os parlamentares. Sabia, também, do rombo decorrente da apropriação indébita do Imposto de Renda dos servidores.

A Assembleia, definitivamente, zomba do próprio Estado e da população com um todo, porque nunca adotou medidas sérias e rígidas para resolver o buraco financeiro que sabia existir. Além do mais, o Poder Legislativo ainda por cima deu graciosamente gratificações de 100% dos servidores ´´escolhidos´´ da Casa, como diz o Ministério Público.

Insaciável para benefícios próprios, a ALE, ainda, deixou de recolher cerca de 100 milhões de reais do Imposto de Renda, correspondentes aos anos entre 2010 e 2014. Uma verdadeira farra irresponsável do dinheiro do povo, comandada, infelizmente, pelos que nos representam na Casa de Tavares Bastos.

Uma vergonha

 Se a Justiça for punir quem recebeu dinheiro de empresas e empreiteiras para campanhas políticas, com certeza ficarão muitos poucos. Mas há de se separar o joio do trigo. Várias empresas deram contribuições legais e dentro da legislação eleitoral. Não confundir com o dinheiro roubado da Petrobras.

Ilusão

As especulações de que o senador Fernando Collor seria candidato a prefeito de Maceió pelo Partido Trabalhista Cristão, de onde ele migrou do PTB, não passam de especulações sem absolutamente nenhum sentido. Collor não deixaria de permanecer mais seis anos no Senado para se aventurar numa eleição que só lhe traria problemas.

Exagero

Nos levantamentos feitos na Lava Jato, noticiaram que o senador Fernando Collor está encrencado em cerca de 327 problemas enumerados pelo Ministério Público. É ação pra ninguém botar defeito e, se tudo correr direitinho, Collor termina o mandato e as demandas não serão julgadas.

Sebrae de fora

Ninguém sabe por que cargas d´água o Sebrae não participou da campanha proporcional da Câmara de Diretores Lojistas sobre o Liquida Geral Alagoas. Aliás, os comerciantes locais contribuem mais para o Sebrae do que a instituição para os comerciantes. Para um comerciante local, não pegou bem uma instituição que se diz dá suporte aos pequenos empresários, ficar de fora num projeto que objetiva favorecer a população e tirar o setor do sufoco que tem passado atualmente.

Dor na consciência

O deputado Cícero Almeida jura que dará toda força ao vice se for eleito prefeito de Maceió e que ele vai trabalhar tanto quanto ele. O que se espera se Almeida chegar lá, é que ele não faça com o vice o mesmo que fez com Lourdinha Lyra, que passou oito anos sem chances e teve até toda a assessoria demitida pelo então prefeito.

Delirando

Na entrevista concedida a jornalista Niviane Rodrigues, Cícero Almeida disse que tudo que fez por Maceió foi sem festa, sem gastos com mídia. Calma, deputado vá devagar com o andor que o santo é de barro.

Incomodando

As conversas de bastidores de que o PMDB pode até não concretizar a candidatura de Cícero Almeida, tem deixado o pré-candidato com a pulga atrás da orelha. Almeida quer logo assumir o comando do Diretório Municipal e fazer uma festa no provável lançamento de sua candidatura.

Insinuante 

vai fechar

É triste, mas é verdade. Quatro lojas da Insinuante vão fechar suas portas nos próximos dias. Até a do shopping Maceió também está na lista, cujo espaço já está sendo alugado a outras empresas. São centenas de trabalhadores que ficarão desempregadas. A crise atinge com força o comércio alagoano.

Projeto 

eficiente

A comercialização de pescado no Parque da Pecuária na Semana Santa pela Superintendência de Aquicultura, do governo do Estado, foi à concretização de um dos mais importantes projetos daquela secretaria. Pontos para o governo e para o agrônomo Manoel Sampaio responsável pelo evento.

Valha-me Deus

A situação na Assembleia Legislativa parece que não anda nada boa. Os deputados deram pra adoecer e somente cinco, até agora, serão substituídos pelos seus suplentes. Como os afastamentos são para tratamento de saúde, urge que a Mesa Diretora solicite uma força tarefa médica para livrar os senhores deputados possivelmente de uma epidemia.

Mais despesa

Com essa brincadeirinha de afastamento, a Assembleia que se diz com a corda no pescoço financeiramente, ainda vai ter que meter a mão no cofre para pagar 670 mil reais com os novos parlamentares que permanecerão no cargo por 120 dias.

Grana escondida?

Dizem as pessoas mais próximas ao empresário João Lyra, que o empresário está quebrado financeiramente, mas eis que, de repente aparece o nome de JL em empresas offshores no Panamá. Dá impressão que muita grana ainda tem por lá via o banco suíço Pictet Asset Management. Bem que uma parte poderia ser destinada ao pagamento de antigos servidores que ainda não viram a cor das indenizações.

Eficiência

A população alagoana espera dos órgãos de segurança pública, a mesma agilidade quando bandidos, na terça-feira, assaltaram e tomaram as armas de policiais do Batalhão de Trânsito. Entre o assalto e a prisão dos elementos foram apenas duas horas. Eficiência é assim.

Alto lá

Quem andava seco atrás de cargos no governo federal vai ter que esperar mais um pouco. A presidente Dilma Rousseff colocou o pé no freio e disse que somente depois do pedido de impeachment ser apreciado na Câmara Federal é que decidirá quem é quem no processo. A presidente, sabiamente, não quer pagar a fatura antecipada.

Expansão do VLT

O diretor-presidente da CBTU, Marco Fireman, marcou um tento e tanto para a expansão do VLT até o bairro de Jaraguá. Conseguiu da Secretaria Nacional de Mobilidade Urbana do Ministério das Cidades a aprovação do projeto que já entra, nos próximos dias, no processo licitatório da obra. Os recursos já estão garantidos e existe a perspectiva do VLT começar a operar entre o Centro de Maceió e Jaraguá nos próximos seis meses.

Decisão 

em junho

Os advogados de Cícero Almeida acreditam que a decisão sobre a possibilidade da perda de mandato por infidelidade partidária, somente deve ocorrer lá pra junho. Mas vale ressaltar que isso não impossibilita sua candidatura a prefeito de Maceió nas eleições de outubro. A não ser que seja condenado em outras ações que responde no Supremo Tribunal Federal, em Brasília.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia