Acompanhe nas redes sociais:

17 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 866 / 2016

08/04/2016 - 08:01:53

Vereador denuncia contratos de R$ 8,5 milhões em Marechal

MP instaura inquérito civil enquanto prefeito Cristiano Matheus atribui denúncia à disputa eleitoral

Vera Alves [email protected]
Vereador Jorge Mello denuncia o prefeito Cristiano Matheus, que nega todas as acusações

O prefeito de Marechal Deodoro, Cristiano Matheus (PMDB) pode enfrentar nova ação por parte do Ministério Público Estadual, desta vez relativa aos contratos de locação de veículos e máquinas e equipamentos pesados que mantém com a empresa J.B. dos Santos Locação de Veículos ME e que, juntos, somam R$ 8.513.542,68. Na semana passada, o promotor de Justiça Sílvio Azevedo anunciou a abertura de inquérito civil para apurar a denúncia feita pelo vereador Jorge Mello (PTB) contra o gestor sobre possíveis irregularidades no contrato.

Mello afirma que somente no final do ano passado obteve, após interferência do próprio MP, cópias dos contratos firmados pela prefeitura, um a partir de 2010 e outro a partir de 2012, com a J. B. O primeiro relativo à locação de 121 veículos com valor mensal, à época, de R$ 223.796,00 e anual de R$ 2.685.552,00. O segundo contrato é referente à locação de máquinas e equipamentos pesados, num total de 22, com valor mensal de R$ 262.080,00. Ambos foram prorrogados e tiveram os valores reajustados mediante aditamentos. No caso dos veículos de pequeno porte, o quarto termo aditivo assinado em agosto de 2014 elevou para R$ 3.457.297,08 o valor anual do contrato. Em agosto do ano passado, novo aditamento, desta vez para prorrogar a vigência do contrato por mais 12 meses mas sem citar reajuste de preços.

Prorrogada até meados do ano passado, a contratação de máquinas e equipamentos pesados acabou sendo objeto de um terceiro contrato entre a prefeitura e a JB com valor global de R$ 5.056.245,60. Trata-se do Contrato 025/2015 assinado no dia 30 de abril do ano passado para locação de 19 caminhões (desentupidores e basculantes) que integram o Lote 1 e mais 13 máquinas (retroescavadeiras, tratores e escavadeiras) que compõem o Lote 2.

O quantitativo de equipamentos e veículos e a não entrega, pela prefeitura, das informações sobre a lotação de cada um e das guias de  CRV (Certificado de Registro de Veículo) chamaram a atenção de Jorge Mello. Segundo ele, a falta de transparência coloca em xeque a legalidade dos contratos firmados pelo prefeito Cristiano Matheus.

Um dos quatro vereadores que fazem oposição a Matheus dentre os 13 vereadores da Câmara de Marechal Deodoro, Mello acusa a gestão do peemedebista de ser uma das mais corruptas do estado, ao relembrar que o prefeito já responde a ação de improbidade administrativa movida pelo Ministério Público Estadual desde 2014. O processo tramita no Tribunal de Justiça.

O OUTRO LADO

Ouvido pelo EXTRA, o prefeito Cristiano Matheus atribuiu a denúncia ao ano eleitoral e afirmou que Mello busca, na verdade, holofotes para uma nova candidatura. Ao negar  qualquer irregularidade nos contratos com a JB, o prefeito afirmou que já reuniu toda a documentação – incluindo da licitação – para ser entregue ao Ministério Público e rebateu as afirmações do vereador de que, com o dinheiro gasto em locações, a prefeitura poderia ter adquirido uma frota de veículos e de equipamentos.

“Os custos de manutenção diária dos veículos e equipamentos são altos e não justificam esta aquisição”, garantiu  o prefeito, acrescentando que o mesmo tipo de orientação o vereador deveria apresentar ao Governo do Estado e ao Tribunal de Contas do Estado que, segundo ele, também mantêm contratos de locação com a JB.

Matheus revelou, ainda, que está processando judicialmente o vereador por crime de calúnia. Segundo o prefeito, o vereador o teria chamado de ladrão em praça pública por contra do atraso nas obras de recuperação de prédios históricos do município. “Ocorre que o atraso se deveu à demora na liberação de recursos por parte do Iphan”, afirmou. O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico é o órgão do Ministério da Cultura responsável pela preservação do patrimônio cultural brasileiro.

EMPRESA NA MIRA DO MP

Japaratinga, Passo de Camaragibe e União dos Palmares são apenas alguns dos demais municípios que tiveram contratos com a JB Locação de Veículos questionados pelo Ministério Público e que ensejaram ações de improbidade que levaram ao afastamento dos respectivos prefeitos. A empresa criada em 2005 tem como sócio-administrador Renato Brandão Araújo Filho e esteve representada nos contratos firmados com a Prefeitura de Marechal Deodoro por Jason Brito dos Santos (2010) e Kitéria Blanche Nascimento Alves (2015), além do próprio Renato Brandão (2012).

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia