Acompanhe nas redes sociais:

12 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 865 / 2016

08/05/2016 - 20:09:08

Edécio Lopes e as Manhãs Brasileiras

O programa diário com mais tempo de execução do rádio brasileiro. Foram 43 anos e aproximadamente 12.300 audições em várias estações

Edberto Ticianeli Jornalista

Edécio Lopes Vasconcelos nasceu no dia 1º de setembro de 1933, em Apoti, município de Glória do Goitá, Pernambuco. Era o filho mais velho de Severino Lopes e Almira de Melo Lopes.

Sua família era pobre e ele chegou a trabalhar como “moleque de recados, de pequenas compras”, como lembrou em depoimento. Quando criança, de tanto ouvir e falar sobre os programas de rádio que ouvia nas casas da vizinhança foi apelidado de “Rádio Clube”.

Começou no rádio no dia 3 de dezembro de 1952, na Rádio Difusora de Limoeiro, em Pernambuco e depois foi para Recife trabalhar na Rádio Clube de Pernambuco.

Ainda em Limoeiro, casou-se com Olindina Rodrigues Lopes, com quem viveu por 51 anos e teve quatro filhos: Ednéia, Edmilson, Edvaldo e Ednaldo.

Em sua trajetória no rádio, Edécio trabalhou nos seguintes meios de comunicação: Rádio Difusora de Limoeiro, Rádio Clube de Pernambuco, Rádio Jornal do Comércio, Rádio Tamandaré, Rádio Planalto de Carpina, Rádio Difusora de Caruaru e Radio Liberdade de Caruaru.

Em Alagoas, atuou na Rádio Difusora de Alagoas, Rádio Progresso de Alagoas, Rádio Palmares de Alagoas, Rádio Gazeta de Alagoas AM, Rádio Gazeta FM, Rádio Jornal de Hoje FM, Rádio Manguaba AM e Radio Educativa FM. Foi diretor da TV Gazeta de Alagoas e da Gazeta FM.

Ainda estava na Rádio Liberdade de Caruaru quando criou o programa Manhãs Brasileiras, que foi ao ar pela primeira vez no dia 12 de outubro de 1965.

Foi o programa diário com mais tempo de execução do rádio brasileiro. Foram 43 anos e aproximadamente 12.300 audições em várias estações, sempre com um único apresentador: Edécio Lopes.

Em Alagoas, o Manhãs Brasileiras fez história. Durante décadas, a voz inconfundível de Edécio Lopes entrava nas casas no início da manhã e anunciava: “Muito bom dia senhoras e senhores, estamos começando mais uma edição do programa Manhãs Brasileiras...”.

A trilha sonora era a música “Brasil”, de Benedito Lacerda e Aldo Cabral, de 1939, com a voz de Francisco Alves e Dalva de Oliveira.

Manhãs Brasileiras, mesmo tocando músicas de qualidade, teve sua importância também pelos comentários diários sobre os problemas de Alagoas, além das entrevistas e debates que faziam a cidade parar.

Outra característica que o levou ao imenso sucesso foi a sua postura democrática, abrindo espaços para todas as lideranças da sociedade.

Durante a Ditadura Militar, mesmo tendo suas opções políticas e trabalhando em emissoras cujos proprietários apoiavam o governo, corajosamente deu voz às forças políticas oposicionistas.

Edécio Lopes era apaixonado pela boa música e principalmente pelo frevo. No rádio, não perdia oportunidade para divulgar as músicas de carnaval. Não é exagero afirmar que a presença do frevo nos carnavais de Alagoas deve muito a ele.

Essa adoração pelo frevo o levou a compor músicas que fizeram muito sucesso em Alagoas. As mais conhecidas são: Cidade Sorriso, Marceió, Olha a Cara dele, Galo da Pajuçara, Vou Sair do Mapa, Carnaval de Vitória, Toque de Reunir, Lembre de Mim, Assim se Passaram Dez Anos, Ói Nós Aqui de Novo, Princesa do Capibaribe, Despedida e Tão Bonzinho.

Após sofrer um acidente vascular cerebral no dia 13 de agosto de 2008, Edécio Lopes silenciou a sua voz definitivamente no dia 21 de janeiro de 2009.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia