Acompanhe nas redes sociais:

20 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 864 / 2016

25/03/2016 - 10:31:10

O drible que Garrincha e Pelé não deram

Jorge Morais

Em qualquer roda de discussão sobre futebol, é unânime se reconhecer que o jogador Garrincha foi quem mais criou dribles em todos os tempos em uma partida de futebol. Em matéria de criatividade, os craques de hoje estão muito distantes do ponta-direita que fez história no Botafogo, principalmente, e na Seleção Brasileira de Futebol. Pelé, reconhecidamente o melhor atleta do Mundo em todos os tempos, nem ficou famoso por seus dribles, mas por suas atuações geniais e gols belíssimos.

Por mais que as seleções convocadas fossem formadas por jogadores extraordinários e os times de altíssimo nível técnico, todas as atenções estavam sempre voltadas para Garrincha e Pelé, porque, deles, se esperavam sempre coisas boas e novas, um drible, uma jogada diferente ou um gol espetacular. Que digam os “gringos” como era difícil enfrentá-los e marcá-los.

Pois bem. O drible que Garrincha e Pelé não deram, foi dado, espetacularmente, por Dilma Rousseff e Luiz Inácio Lula da Silva na justiça e na classe política brasileira. Em uma só jogada, os dois deixaram o juiz Sérgio Moro e os políticos de oposição sentados, literalmente ralando a bunda no chão. Até agora, traçando um novo panorama, e deixando de lado o futebol, é como se todos fossem nocauteados em um golpe de MMA.

As gravações divulgadas pela justiça da escuta telefônica do ex-presidente Lula, definem, claramente, que Dilma e Lula são bem piores do que a gente imagina. Os dois sabem tramar muito bem. Foram treinados para ação de guerrilha, chegam antes de todos e pensam por todos. O italiano Maquiavel (pensando maquiavelicamente) perde feio para as estripulias da presidenta e do ex-presidente, que fazem de tudo para se manter no Poder e alcançar seus objetivos, com atos imorais, desleais e violentos.

Quer prova maior do que a Portaria da Dilma Roussef nomeando Lula para ministro da Casa Civil? Aquele documento foi dado como um Salvo Conduto, expediente usado pela justiça para beneficiar alguém. E foi exatamente isso o que a Dilma combinou com o Lula. A gravação, é uma grande prova. Essa foi à intenção da Dilma, quando disse: “Lula guarda essa Portaria (ou porcaria) com você, para que seja usada numa grande necessidade”. Ou seja: quando a Polícia Federal fosse lá, novamente, cumprindo determinação do juiz Sérgio Moro, que de uma próxima vez não será coercitiva.

O Brasil está descontrolado, perdido e desgovernado. Esta semana, como última tentativa de resolver os problemas da Nação, o Governo Federal resolveu baixar medidas econômicas para solucionar problemas que são políticos. Como sempre, a presidenta Dilma Rousseff segue na contramão administrativa, na sua tentativa de abafar a crise que é mais política do que qualquer outra coisa.

Perdida, resolve pedir ajuda aos amigos-presidentes do Mercosul (venezuelano e boliviano) de péssimas reputações políticas, ditadores que mandam prender quem ousar fazer oposição aos seus governos. Meu Deus, a que ponto nós chegamos. Agora, vamos nos sujeitar a esses “senhores” para resolver uma crise que é nossa, criada por Lula, Dilma, por alguns ministros, senadores e deputados federais. Sinceramente, chegamos ao fundo do poço. Vamos perder, de vez, a nossa liberdade.

Nesse momento, vejo três saídas para essa crise toda e uma grande preocupação: Primeiro, renuncia da presidenta Dilma Rousseff; Segundo, que o Lula, se não for preso, peça asilo político lá na Venezuela, ele e sua família; Terceiro, que o Brasil não perca sua identidade democrática, conquistada depois de tanta luta. A preocupação: Depois de tudo isso, quem vai sobrar para nos governar? Hoje, apesar de tudo, ainda acredito na justiça.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia