Acompanhe nas redes sociais:

15 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 864 / 2016

23/03/2016 - 19:15:04

Renan se aproxima de Biu em meio à tensão política da era Dilma

Senador e governador trocam afagos pela 1ª vez desde eleição; PMDB espera cadeira presidencial

Odilon Rios Especial para o EXTRA
Governador Renan Filho

O PMDB se prepara para assumir o comando do Brasil a qualquer momento em meio ao desgaste do Governo Dilma Rousseff. O primeiro passo foi dado esta semana, já com o PSDB, quando o vice-presidente da República, Michel Temer, se reuniu com o senador Aécio Neves (PSDB), em São Paulo.

Em Alagoas, publicamente, caciques do partido preferem a cautela. Dizem, porém, que o PMDB é o divisor de águas para a crise brasileira

“Esse é o momento em que o PMDB tem de se agigantar e colocar o seu nome como protagonista neste processo”, disse o vice-governador Luciano Barbosa.

Questionado em Matriz de Camaragibe, na segunda-feira (22), se este era o momento do PMDB, o governador Renan Filho disse: “O PMDB está preparado há muito tempo. Se a oportunidade surgir...”.

Antes, porém, de responder a esta pergunta, analisou o momento do Governo Dilma: “Está passando por um momento muito difícil”.

É ingovernável?, insistiu o repórter: “Não, eu não sou o mais recomendado para responder a esta pergunta porque eu não conheço bem como se governa um país, mas sem dúvida alguma vive um momento de muita dificuldade”.

Crise aproxima 

inimigos

Depois de uma eleição onde prevaleceram os ataques e a baixaria nas redes sociais, quem poderia imaginar que Renan Filho e o senador Benedito de Lira (PP) estariam juntos, no mesmo palanque, trocando frugalidades, rindo, conversando e fazendo declarações públicas de conciliação?

Isso aconteceu no dia 21 de março, em Matriz de Camaragibe, durante assinatura da ordem de serviço da construção e pavimentação da rodovia AL-435, que liga Matriz a Passo de Camaragibe. Biu de Lira é o autor da emenda parlamentar de R$ 11 milhões para a obra, que custará R$ 12 milhões. R$ 1 milhão será contrapartida do Governo.

“Não faço política com o fígado”, disse um rouco Biu de Lira, saindo de uma virose, ao olhar para Renan, respondendo às declarações.

Mas o acordo entre eles não vai prevalecer nas eleições de 2016. Em Maceió, Biu de Lira apoia a reeleição do prefeito Rui Palmeira (PSDB); Renan Filho segue com o deputado federal Cícero Almeida (PMDB).

Em Arapiraca, onde quem circula é o vice-governador Luciano Barbosa, o PMDB está com a reeleição de Célia Rocha (PTB); Biu assinou a filiação do deputado Tarciso Freire (PP).

No segundo maior colégio eleitoral de Alagoas, Célia Rocha pode sim desistir de disputar a reeleição. E o PMDB se divide entre dois nomes, segundo adiantou Luciano Barbosa ao EXTRA:

“O PMDB terá candidato em Arapiraca, como tem candidato em Maceió e eu acho que neste momento, nesta quadra política que estamos atravessando é hora do PMDB colocar a cara de fora em muitas capitais e em muitas cidades”, afirmou.

“Célia coloca a possibilidade de não ser candidata. Se ela for candidata, pela aliança histórica que temos, apoiaremos ela. Ou no PMDB ou fora do PMDB. No entanto, se ela não for candidata o PMDB se coloca à disposição para ter seu próprio nome. Temos o Yale [Fernandes, vice de Célia] e o deputado estadual Ricardo Nezinho”.

E quanto ao grupo do senador Benedito de Lira, que vai lançar o deputado Tarciso: “Arapiraca sempre teve isso. Na política de Arapiraca as pessoas se colocam à disposição da sociedade e onde os interesses da sociedade são materializados em algumas candidaturas. Vamos ter a candidatura do Tarciso, que já se colocou e até comigo tem conversado de que é candidato a prefeito. Lógico, não terá meu apoio. Sempre tivemos bom relacionamento, não só pessoal mas também político”, explicou Barbosa.

“Segundo ele, Tarcizo Freire é um líder político comprometido com o desenvolvimento de Arapiraca, sua principal base política, sendo um reforço considerável para o próximo embate eleitoral no segundo maior colégio eleitoral de Alagoas”, disse Biu de Lira.

Com a promessa de virarem inimigos cordiais, os Calheiros e Biu de Lira enxergam 2018. Há duas vagas a serem preenchidas: a de Biu e do presidente do Senado, Renan Calheiros. Quem disputa? O ex-governador Téo Vilela, um duvidoso deputado federal Marx Beltrão, a vereadora Heloísa Helena, além de Biu que tentará reeleição.

Os motivos são diversos: Vilela precisa do foro privilegiado por causa da Operação Navalha, onde é réu; Marx Beltrão enfrenta uma ação do Ministério Público Federal por falsidade ideológica junto à Previdência Social quando era prefeito de Coruripe; Biu de Lira também precisa do foro privilegiado porque é réu na Lava Jato.

E Heloísa Helena é a chance da Rede alcançar novos espaços no cenário nacional e alcançar a presidência da República com Marina Silva.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia