Acompanhe nas redes sociais:

25 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 863 / 2016

22/03/2016 - 15:58:21

Pedro Oliveira

O dia em que Dilma caiu

As mentiras do PT

(BRASÍLIA) Está mais que provado que o PT é o Partido da mentira, da embromação e do imaginar que somos todos idiotas. Mentem descaradamente a presidente Dilma, o ex-presidente Lula, seus ministros e asseclas palacianos. Se estivesse vivo o extraordinário Sergio Porto (Stanislaw Ponte Preta) com suas sátiras e “pérolas” da política brasileira teria assuntos para alguns livros diante de tanta enganação protagonizada pela escória petista. Imaginam que podem enganar a todos por todo o tempo, mas acontece que a coisa está ficando preta e isto tudo ao que parece vai ter um fim muito breve.

As mentiras de Dilma

No escândalo da semana protagonizado pelo ministro da Educação, Aloisio Mercadante, ninguém é inocente de achar que ele não agiu a mando da presidente Dilma Rousseff. 

Todos sabem que as relações entre o ministro Aloisio Mercadante e o senador Delcídio do Amaral nunca foram amistosas e o ministro trapalhão jamais tomaria a iniciativa de ajudá-lo a não ser por “determinação superior”.

Dilma descaradamente diz que: ”repudia com veemência e indignação a tentativa do envolvimento do seu nome na iniciativa pessoal do ministro Aloisio Mercadante, no episódio relativo à divulgação feita pela revista Veja”.

Dilma é acusada por Delcídio de interferir nas investigações da Operação Lava Jato. A principal reação do Palácio do Planalto até agora foi a de procurar desqualificar o ex-líder do governo, Delcídio do Amaral, com argumentos frágeis e inconsistentes.

Na delação, Delcídio disse que a presidente Dilma e um de seus principais colaboradores, o agora advogado-geral da União e então ministro da Justiça, tentaram interferir nas investigações da Lava Jato.

As evidências de que a presidente realmente tentou interferir nas investigações estão escancaradas e em cada passo dessas investigações.

Mais denúncias virão com as novas delações premiadas que estão para acontecer.

As mentiras do ministro

O ministro Aloisio Mercadante deu na terça-feira uma entrevista digna dos aloprados petistas tentando justificar o injustificável. Uma coisa é certa: ficou a nítida impressão de que ele agiu mesmo em nome da presidente na suposta conversa de suborno para calar Delcidio do Amaral. Pelo estilo “durão” de Dilma ela teria afastado o ministro cuja ação jogou mais lama em seu governo apodrecido. Não o fez. 

Nos diálogos gravados, Mercadante tenta convencer Marzagão (assessor de Delcidio) a fazer o senador desistir de fazer delação premiada, além de lhe oferecer ajuda financeira, política e jurídica.

Na entrevista ordenada por Dilma ele assume a culpa e tenta desmentir o que está gravado. 

Alguns trechos da gravação mostram a verdade:

Mercadante - O que é que tem que você acha que eu possa ajudar?

Marzagão - Ministro...

Mercadante - De verdade. Tô falando assim. Eu tô aqui. Ó, eu falei: Eu não quero nem saber o que o Delcídio fez.

Mercadante - Eu quero... eu acho que ele devia esperar, não fazer nenhum movimento precipitado, ele já fez um movimento errado, deixar baixar a poeira, ele vai sair, a confusão é muito grande. Aí... entendeu? É o seguinte, eu me disponho já te falei isso reservadamente, eu faço uma agenda no Mato Grosso do Sul, eu tenho que ir visitar uma universidade, um instituto... eu falo Maika, eu quero passar aí ...

Marzagão - Só pra você ter uma ideia, eles estão vendendo a casa para arrecadar dinheiro.

Mercadante - Patrimônio da família.

Marzagão - Patrimônio, as dívidas que ele tem. Pra você ter uma ideia da situação dele, o salário dele tem consignado. O salário do Delcídio tem empréstimo consignado, que ele está pagando.

Mercadante - Bom isso aí também a gente pode ver no que é que a gente pode ajudar, na coisa de advogado, essa coisa. Não sei. Pô, Marzagão, você tem que dizer no que é que eu possa ajudar. Eu só to aqui pra ajudar.

E o bandido ainda tem a coragem de vir a público a mando de Dilma dizer que a gravação não compromete o governo.

As mentiras de Lula

Na verdade as mentiras do ex-presidente Lula não caberiam aqui jamais, mas talvez em uma enciclopédia o que seria uma boa ideia para as editoras. Lula mentia quando era um metalúrgico pobre e semianalfabeto, sempre mentiu quando virou político oportunista, como presidente bateu recordes de mentiras e continua mentindo, pois faz parte de seu caráter, da sua formação distorcida. Lula não conheceu o “Mensalão”, os roubos da Petrobras, a corrupção caminhando pelas dependências de seus palácios. A maioria dos brasileiros sabe do enriquecimento injustificável de sua família, das falcatruas de sua vida pública e privada, mas ele não nada sabe nada viu. 

Em seu depoimento à Policia Federal quando conduzido coercitivamente, transcrito em 121 páginas, Lula não só mentiu, mas debochou das instituições brasileiras, provocou os delegados que o interrogavam e atacou magistrados e procuradores federais. Aqui está uma mentira do farsante Lula para ilustrar:

Delegado da Polícia Federal:- Mudando um pouquinho de assunto agora, o senhor conhece a empresa G4 Entretenimento e Tecnologia Digital?

Declarante:- Eu não conheço, mas eu sei que acho que é do, o meu filho acho que era sócio dela, G4.

Delegado da Polícia Federal:- Qual filho?

Declarante: O Fábio. 

Delegado da Polícia Federal:- O senhor sabe quais as atividades exercidas por ela?

Declarante: Não sei. Esse negócio de game, não me pergunte nada que eu sou analfabeto.

Por que não prendem logo este marginal?

Imaginando 

o pior

Esta ouvi do jornalista Gilberto Dimenstein: Nunca me senti tão indeciso numa crise política - e olha que, como jornalista, acompanho crises políticas há muito tempo. Estou convencido de que Dilma não tem mais condições de ficar na presidência. Nem falo aqui de eventuais denúncias de corrupção: ela simplesmente não tem mais força de tocar uma agenda econômica contra a crise, que exige medidas impopulares. Nem o apoio do PT ela tem.Tirar a Dilma para colocar Temer no lugar, com Cunha como vice, pode piorar o que já é péssimo. Duvido que, em meio às investigações da Lavo Jato, não apareçam mais coisas contra Temer.

Imagine Temer viajando como presidente e vermos Cunha sentado no Palácio do Planalto?

O medo é Renan

A ordem no governo é de fazer um gesto para se reaproximar do PMDB do Senado. Até então, o Senado era considerado uma espécie de “porto seguro” do governo para barrar o impeachment. Mas surpreendeu o Palácio do Planalto o movimento recente do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), de conversar com tucanos e propor o “semipresidencialismo” (por sinal algo tão vago como uma semibicicleta) como solução para a crise. 

De forma reservada, ministros do governo avaliaram também que o pronunciamento mais duro do ex-presidente Lula depois da condução coercitiva, causou um efeito contrário, mobilizando um protesto maior do que o previsto inicialmente. 

“Esse não é o momento de fazer qualquer gesto de provocação. A insatisfação é real. As pesquisas já mostravam isso. A manifestação de domingo reflete a baixa popularidade do governo”, admitiu um ministro petista.

O que se fala aqui em Brasília: Lula pode ficar protegido das garras do juiz Sérgio Moro se tornando ministro do governo Dilma, mas seus familiares (inclusive a mulher Marisa) podem ir para a cadeia a qualquer momento com o andamento das investigações.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia