Acompanhe nas redes sociais:

16 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 863 / 2016

22/03/2016 - 15:55:00

Por favor, pode me trazer o cardápio?

Janio Fernandes

Escolhi começar esse texto falando do cardápio, embora ele não seja exatamente sobre o cardápio em si, mas sobre as opções de escolha que estão fora do menu em qualquer restaurante. Para mim, o item mais importante fora do cardápio é o bom atendimento. Ele é o ingrediente secreto que todo prato deve ter, seja em um restaurante requintado ou modesto. Aposto que todo cliente aprecia esse item quando está em um restaurante. Mas ninguém jamais perguntará ao garçom se eles oferecem um bom atendimento. Está claro para todos que deve ser assim. 

Agora imagine se você um dia lesse o seguinte no cardápio do restaurante que frequenta: RISOTO DE FRANGO – Frango desfiado, refogado ao azeite com alho, cebola, bacon, ervilha, molho de tomate e molho de frango, queijo parmesão e arroz. Acompanha bom atendimento (opcional). Seria estranho? Claro que sim. Isso não é opcional, o restaurante precisa atender bem mesmo que o item não conste na descrição do prato.

Mas a cortesia, a boa educação e os bons modos não são uma obrigação exclusiva do restaurante. É algo que se espera encontrar nos clientes também. É muito comum que os profissionais de restaurante tenham que lidar com gente que parece frequentar cavernas em vez de lugares civilizados. A forma como alguns clientes tratam os profissionais que os atendem quase chega a ser um caso de polícia. A grosseria sente inveja de alguns deles. Muitos são responsáveis por um desconforto geral, tanto no salão como na cozinha. Claro que cliente não é item de cardápio, mas se fosse, tem prato que jamais seria pedido. Eles seriam um fracasso total.

Deixando essa metáfora de lado, o bom cliente é muito difícil de ser percebido à primeira vista, quase sempre está oculto por clientes que não sabem que quem espera ser bem atendido deve um mínimo de respeito. Vale lembrar que a maneira como tratamos os outros interfere na forma como seremos tratados. Não acredito que seria muito esforço ser simpático com o garçom, de perguntar seu nome, de lembrar de coisas simples como um “por favor” ou “obrigado”. De não chamar o garçom com gestos, especialmente aqueles acompanhados de gritos, assobio, psiu etc. Muitos dos que agem assim chegam a fazer isso de uma maneira quase escandalosa. E uma conduta grosseira costuma ser mais visível do que os bons modos. Por isso, os bons clientes passam quase despercebidos. Embora costumem ser notados.

Uma dica importante seria a seguinte: se você estiver em um restaurante, onde conhece em detalhes as opções do cardápio, pergunte sobre como o prato é feito, que ingredientes leva. Faça isso especialmente se você estiver em um restaurante de cozinha internacional. Com isso, não só ficará mais educado o seu paladar, mas sua cultura sobre os pratos também melhora. Além disso, pedir recomendações também melhora a relação com os garçons e tira o peso da indecisão. Eles sempre sabem o que é melhor, porque conhecem em detalhes os pratos. Essa interação costuma ser bem-vista internamente.

Um bom trato por parte do cliente, sempre incentivará um bom atendimento ou, pelo menos, uma vontade sincera de melhorar o serviço prestado. É desnecessário falar das gorjetas, elas são uma espécie de recompensa pela atenção individual do garçom e que, independente da quantia, o gesto é sempre uma atitude educada. A educação, aliás, não faz parte do cardápio mas, de ambos os lados, é um sinal de respeito.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia