Acompanhe nas redes sociais:

23 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 863 / 2016

22/03/2016 - 15:30:06

Repórter Econômico

JAIR PIMENTEL

Mantendo o orçamento

Estamos nos aproximando do final do primeiro trimestre do ano. Momento de rever se realmente seu orçamento doméstico vem sendo seguido à risca com as dicas que orientei em janeiro, já prevendo uma crise econômica, que sempre existiu no Brasil, bem pior do que a atual por ter chegado à hiperinflação (84% ao mês), enquanto depois do real decretado em 1994 (22 anos) vem sendo controlada. Ela existe, sim, mas com a economia de preços livres, só resta mesmo ao consumidor pesquisar e ir reduzindo os gastos. 

É importante que anote tudo que ganha e gasta, e vá seguindo as orientações de reduzir o consumo em todos os ítens, consciente de que não pode extrapolar nos gastos, se endividar e não ter como pagar. É sobreviver de acordo com o que ganha, tendo ainda que dispor de 10% da renda para formar uma reserva financeira, que servirá para alguma emergência ou mesmo a realização de um sonho de consumo, que pode ser pago à vista. Ítens de consumo dos serviços controlados pelo governo que determina reajuste, como energia, água, combustível, devem ser reduzidos, com disciplina, obviamente, já que são extremamente necessários a sobrevivência.

Lista de compras

Ao se dirigir ao supermercado, leve uma lista de compras e siga corretamente o que é anotado, jamais comprando por impulso, mesmo sendo em promoção. Quem deve ir é o mais disciplinado, não levando também crianças, pois elas costumam colocar no carrinho, o que não está na lista, e se for negado, podem provocar escândalo, com choradeira. Vá sempre em dias de folga do trabalho, para ir pesquisando e ainda prestar atenção no momento de pagar no caixa. Leve a lista de volta para casa e faça um comparativo com a lista anterior. 

No cartão

Se a compra de supermercado for feita em cartão, escolha o dia melhor para que seja pago no dia do vencimento um mês depois. Nunca deixe de pagar o valor total da fatura, jamais amortizando, pagando apenas 25% e deixando o restante “ir rolando” até o dia em que não tem mais como pagar, já que há juros sobre juros, multas e outras taxas. Evite esse prejuízo!

Empréstimos

Nada mais economicamente correto do que ter seu contracheque limpo, sem descontos de empréstimos consignados para pagamento em até 70 meses. Quem se encontra nessa situação pode ser considerada uma pessoa disciplinada, que sabe dar valor ao seu dinheiro e vive de acordo com o que ganha, além de manter uma reserva financeira para futuras necessidades urgentes. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia