Acompanhe nas redes sociais:

17 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 862 / 2016

15/03/2016 - 08:50:17

Pedro Oliveira

Um país sem rumo nem prumo

Lendo habitualmente o mais antigo jornalista brasileiro em atividade, Hélio Fernandes, que viu e escreveu sobre ascensão e queda de grande número de políticos e mandatários, me deliciei esta semana com sua análise sobre o momento político e institucional do país. È uma verdadeira peça de ciência, conhecimento e informação. Uma pena que o artigo é muito extenso e não posso republicá-lo, apenas abordarei alguns pontos.

Sobre o Supremo Tribunal Federal ele diz: ”Constitucionalmente tem a ultima palavra. Mas agora seus poderes se ampliaram, suas atribuições se estenderam, suas decisões atingiram os mais variados setores. O Presidente da Câmara, por unanimidade foi considerado réu por corrupção e lavagem de dinheiro. Isso é o mínimo, pois não demora será enquadrado pela terceira vez. A pedido do Procurador Geral e a ratificação mais do que natural do relator e do plenário.

O Supremo tem mantido todas as decisões e condenações do juiz Moro, foi criado o que se chama de ‘pânico de Curitiba’. O Procurador Geral denunciou Claudia Cruz, casada com Eduardo Cunha. Este quer que o Supremo não aceite a representação ou então, julgue sua mulher. Alegação: ‘Ela está enquadrada nas mesmas ações a que ele responde, então deveria ser julgada junto com ele’. O STF dará a resposta esta semana e com certeza negará o pedido do bandido Cunha. E assim segue a Suprema Corte, um poder bem acima dos demais, comandando o país. 

Hoje é o Supremo que manda, que governa que decide e conduz os destroços de um país aniquilado pelo Partido dos Trabalhadores”.

Sobre Dilma Rousseff 

“Dona Dilma errou tanto, que jogou todos contra ela. A partir da reeleição, não conseguiu um novo mandato e sim a unanimidade contra ela. Confessou: ‘Meu equivoco foi ter demorado a perceber que estava tudo errado do ponto de vista econômico e administrativo’. Mas não sabia como construir, destruir é tudo o que faz.  Na primeira pesquisa do segundo mandato, o resultado: ‘76 por cento consideraram que ela mentiu para se reeleger’.

Depois o ‘índice de popularidade’ caiu para 9 por cento, inacreditável, inédito na História da República. 

A oposição desde a constatação do fracasso de Dilma e do PT apostou no ‘quanto pior, melhor’. Pode ser uma frase tosca e repetida, um lugar comum, mas para os que fingem ser de oposição, uma convicção irrefutável. Também não se opuseram, na última segunda-feira afirmaram: ‘Vamos obstruir todas as votações, nossa prioridade é o impeachment’.

Desde fevereiro de 2014, depois da reeleição, venho analisando: ‘Não obterão os 342 votos necessários’. Agora, podem conseguir até mais do que isso. Não garanto, mas têm mais fôlego do que quando começaram. Dona Dilma é tão estabanada, insensata, desequilibrada, desorientada, sem projeto, sem rumo e sem futuro, que diante do quadro que ela mesma fortaleceu, deveria estabelecer uma prioridade. Como está na iminência de sofrer o impeachment ou a cassação, RENUNCIARIA. Assumiria o vice, que ‘trabalha’ 24 horas por dia para isso.

Com essa demonstração de grandeza, vá lá, não precisaria sentir medo das ruas, de vaias, da impopularidade. Na melhor das hipóteses, com a demora das decisões, do Congresso ou do TSE, ficaria mais 2 anos, fingindo que preside o país. Sobressalto, risco e medo a todos os momentos. Deixando o governo, Dilma ganharia imunidade diante da opinião pública. Poderia continuar andando de bicicleta, quem sabe voltaria a ver novela, com sua amiga da Petrobras”.

O que virá 

depois?

“Não tenho respeito, complacência ou admiração, por nenhum dos supostos herdeiros de Dona Dilma. Sem exceção, todos do segundo ou terceiro time. Ela é imprudente, eles incompetentes, além de desleais e até traidores. Montam uma conspiração para esquartejarem o país, e em nome desse falso idealismo ou mesmo patriotismo, satisfazem suas ambições, obtêm sucesso para os seus interesses unicamente pessoais. Com essa constatação, por que e para que mudar?”

Agora é Lula

O ex-presidente Lula e um dos seus filhos, Luís Cláudio Lula da Silva, tornaram-se alvos da recém-instalada CPI do Carf na Câmara. Esta semana, o deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA) apresentou requerimentos na comissão para convocar os dois para depoimentos. O DEM acredita que ambos podem colaborar nas investigações de fraude contra a Receita Federal.

Para o autor dos requerimentos, existem indícios do envolvimento de Lulinha no esquema de compra de Medidas Provisórias durante governo Lula para favorecer montadoras de carros. “Essa é uma oportunidade para o ex-presidente e seu filho se explicarem. A expectativa é que ele possa trazer todas as respostas para a comissão”, acrescentou Aleluia.

Isto é história para quem acredita em Papai Noel e Fadas. Lula e sua família não têm história. Ou melhor: têm história de assombração.

Quando a 

política é ruim

O prefeito Rui Palmeira recebeu esta semana um apoio significativo com a adesão do PDT à sua reeleição. Deixou de ter um potente adversário no deputado Ronaldo Lessa e ganhou um aliado de peso. Nas negociações naturais do jogo político teve que ceder espaços em sua administração para os que chegam. Tudo bem e dentro do normal, porém muitas vezes quem sai perdendo no final da história é a população. 

Não tenho nada contra os novos secretários indicados até por conhecê-los pouco, mas lamento e ouvi isto de um número grande de pessoas a retirada do jovem e empreendedor Antônio Moura da Secretaria de Esportes. O órgão teve em sua gestão uma das maiores visibilidades da administração de Maceió. Foi um eficiente profissional na direção e empreendimento do setor, construindo ou melhorando locais de práticas esportivas e divertimento para as populações da periferia ou também em áreas nobres. Conseguiu captar grandes eventos que divulgaram Maceió nacionalmente e incrementaram nosso turismo. Seu nome ficará registrado na galeria dos competentes. 

Ao prefeito a população vai cobrar a continuidade do empreendedorismo de Antônio Moura. Resta saber se os que chegam estarão à altura do atendimento do pleito. Vamos torcer para que sim. 

O gato subiu 

no telhado

Os embargos apresentados pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, contra o rito de impeachment da presidente Dilma Rousseff definido pelo Supremo Tribunal Federal deverão ser julgados na próxima semana. A informação foi dada nesta quarta-feira logo após reunião de deputados da oposição com o presidente do STF.

O presidente Ricardo Lewandowski apontou com clareza que vai fazer a pauta na próxima semana incluindo a questão dos embargos. Então, muito provavelmente na quarta-feira, ou no mais tardar na quinta-feira da próxima semana, os embargos serão apreciados e decididos,

A oposição defende a legalidade da comissão especial do impeachment eleita pela Câmara em dezembro de 2015. Porém, o STF considerou inconstitucionais dois aspectos do processo de eleição do colegiado: a adoção de uma chapa avulsa de deputados — com nomes não indicados por líderes partidários — e a escolha por voto secreto dos integrantes da comissão.

A partir daí a coisa começa a esquentar para Dona Dilma.

Capacitando servidores

O Tribunal de Justiça de Alagoas, por meio do Instituto Cidadão, iniciou esta semana um curso de “Excel Avançado”, dando continuidade ao ciclo de capacitações voltadas aos servidores da área administrativa do Poder Judiciário. Com 32 inscritos, o curso está sendo realizado na sede da Escola Superior da Magistratura de Alagoas (Esmal) e tem carga horária de 40 horas.

Segundo o diretor de Gestão de Pessoas do TJ/AL, Abelardo Laurindo Braga, o presidente Washington Luiz determinou que fosse montado um termo de referência com sugestões de cursos para otimizar os trabalhos da área administrativa do Judiciário e no final de 2015 assinou contrato com o Instituto Cidadão para que fossem realizados os treinamentos. Ao todo serão 40 cursos que serão ministrados para os servidores do Judiciário.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia